Escolas de Flores, Triunfo, Serra Talhada e mais 32 cidades de Pernambuco foram afetadas

A Casa de Farinha S.A., uma das empresas responsáveis pelo fornecimento das merendas escolares estaduais de Pernambuco notificou o Governo do Estado, via Secretaria de Educação, sobre a suspensão na distribuição das merendas escolares de 66 escolas em 35 cidades (relação completa abaixo). A paralisação acontecerá devido à falta de pagamentos de notas ficais de até seis meses, totalizando um débito de mais de oito milhões de reais, fora o mês de outubro.

Entendemos a delicada situação financeira a qual o Estado se encontra, entretanto, a ausência de pagamentos por tanto tempo torna inviável a manutenção do serviço. Mesmo com os atrasos a Casa de Farinha vem honrando a folha de pagamento e os tributos necessários, dessa forma a empresa espera que a situação seja resolvida para que o fornecimento seja restabelecido o quanto antes. A paralisação é baseada na lei 8666/93, artigo 78, inciso XV.

As cidades afetadas, segundo a Casa de Farinha, são: Águas Belas, Belém São Francisco, Bezerros, Bom Conselho, Bom Jardim, Bonito, Canhotinho, Carpina, Correntes, Flores, Floresta, Garanhuns, Gravatá, Itacuruba, Itaíba, Jaboatão dos Guararapes, João Alfredo, Moreno, Paudalho, Paulista, Petrolândia, Recife, Sairé, Saloá, Santa Maria Cambucá, São Lourenço da Mata, Serra Talhada, Surubim, Tacaratu, Taquaritinga do Norte e Triunfo.

Resposta

Em nota, a Secretaria de Educação afirmou que” foi realizado pagamento nesta segunda-feira (19) à empresa e que o órgão está mantendo o diálogo, de forma a garantir que não ocorra a interrupção da alimentação de estudantes”.

“A Secretaria de Educação de Pernambuco esclarece que a maior parte das escolas do Estado conta com merenda escolarizada, ou seja, os alimentos são preparados pelas merendeiras da própria unidade de ensino. Para uma outra parte das escolas, a merenda é preparada por 13 empresas terceirizadas contratadas pelo Estado, sendo a Casa de Farinha uma delas”, disse ainda o órgão.

Nill Júnior

Jair Bolsonaro

                         Jair Bolsonaro Foto: Valter Campanato/Ag. Brasil

Os indícios de irregularidade apontados pelos técnicos do Tribunal Superior Eleitoral nas contas de Jair Bolsonaro (PSL) representam 38% das receitas e 7% das despesas declaradas pela campanha do presidente eleito. Ao todo, a Assessoria de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias do tribunal listou suspeitas sobre R$ 1,6 milhão das receitas (38% do total) e R$ 296 mil das despesas (12% do total).

Na terça (13) o ministro Luís Roberto Barroso, relator das contas de Bolsonaro, deu prazo de três dias corridos, a partir da notificação, para que a campanha do presidente eleito se manifestasse sobre os problemas apontados pelos técnicos. Após isso, a assessoria do tribunal preparará seu parecer final, sugerindo aprovação, aprovação com ressalvas ou rejeição das contas. A palavra final cabe ao plenário do TSE, formado por sete ministros.

Em 2014, a área técnica do tribunal recomendou a rejeição das contas da então presidente reeleita Dilma Rousseff (PT) por irregularidades que correspondiam a 4 % das receitas e 14% das despesas declaradas. O tribunal, ao julgar as contas, decidiu pela aprovação com ressalvas.

Mesmo assim, o caso foi o ponto de partida para uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral que, em 2017, quase resultou na cassação da chapa, já com Michel Temer (MDB), vice de Dilma, no comando do País. O TSE arquivou o caso por estreita margem.

Eventual rejeição das contas de Bolsonaro não o impedirá de ser diplomado nem de tomar posse em janeiro.

No caso de desaprovação, as contas são encaminhadas ao Ministério Público Eleitoral para avaliar a proposição de ação de investigação judicial por abuso de poder econômico ou político.

Se as contas de um candidato são aprovadas com ressalva, o plenário do TSE também pode decidir encaminhar o caso para o Ministério Público. Independentemente disso, o procurador ou algum partido pode pedir investigação eleitoral.

Reportagens da Folha de S.Paulo mostraram, antes do resultado da eleição, que a campanha de Bolsonaro havia omitido uma série de informações na prestação de contas parcial que os candidatos têm que apresentar na primeira quinzena de setembro. O mesmo problema foi apontado, agora, pelos técnicos do TSE na análise da prestação final.

Questão similar foi mencionada em 2014 pelo então ministro do TSE Gilmar Mendes, relator da prestação, como um dos motivos pelas ressalvas nas contas de Dilma.
“A obrigatoriedade de a prestação de contas parcial refletir a efetiva movimentação de campanha objetiva não apenas dar publicidade às campanhas (…), como decorrência lógica do princípio da transparência eleitoral, mas também possibilitar o efetivo controle das contas pela Justiça Eleitoral, devendo a análise ser diluída no curso da campanha, para que não tenhamos as tropelias que estão sendo apontadas”, disse o ministro em seu voto.

Entre os indícios de irregularidade nas contas de Bolsonaro, há divergências entre dados de doadores e o que consta no cadastro da Receita, despesas que tiveram nota fiscal emitida pelos prestadores, mas não foram declaradas pela chapa, e doações oriundas de fontes vedadas pela lei. Trinta e três doadores listados pela campanha de Bolsonaro têm nome diverso nos cadastros da Receita.

Os técnicos do TSE apontaram vários doadores que seriam “permissionários”, com valor total de R$ 5.200 sob suspeita. Embora esse dinheiro represente apenas 0,1% das receitas declaradas pelo candidato, a legislação proíbe que candidatos recebam doação de pessoa física que exerça atividade comercial decorrente de permissão pública.

Apesar disso, em 2006, o então presidente Lula (PT) teve as contas de seu comitê financeiro rejeitadas pelo TSE por doação de fonte vedada. O valor correspondia a R$ 10 mil, ou 0,01% de suas receitas.

O caso não teve maiores desdobramentos porque o Ministério Público Eleitoral considerou, à época, o valor irrisório em comparação com o total declarado pela campanha, sem potencial para comprometer o restante das contas.

Outro lado
A advogada Karina Kufa, responsável pela prestação de contas de Jair Bolsonaro, disse por meio de nota que as supostas inconsistências apresentadas pela área técnica do TSE “serão justificadas sem grande esforço e dentro do prazo estabelecido”. “Nenhum dos apontamentos nos causou preocupação e é completamente normal o órgão técnico se manifestar minuciosamente”, afirmou.

Ela destacou que, em 2014, apesar de a área técnica do tribunal sugerir a desaprovação das contas de Dilma Rousseff, elas acabaram sendo aprovadas pelo TSE. “As receitas de campanha de Dilma alcançaram R$ 350 milhões, e os gastos, R$ 350 milhões, que inclusive tinham origem em recursos públicos“, disse.

“A campanha de Bolsonaro, além de não ter as mesmas irregularidades da campanha de Dilma Rousseff, contou com gastos módicos, como uma boa política deve ter, utilizando predominantemente de recursos privados, decorrentes de doações de pessoas físicas.”

Revalida é necessário para que médicos estrangeiros possam atuar no Brasil

                                              Foto: Inep/Divulgação

Um grupo de 196 médicos retornou nesta quinta-feira (15) a Cuba após três anos de trabalho no Brasil, os primeiros após o anúncio de Havana de sair do programa Mais Médicos devido a críticas do presidente eleito Jair Bolsonaro. Segundo a Agência Cubana de Notícias (ACN), oficial, os médicos chegaram “felizes por terem cumprido sua missão”, mas também “preocupados com a sorte do povo brasileiro com o novo presidente eleito”.

Cuba anunciou na quarta (14) que iria abandonar o programa brasileiro – do qual participa desde a sua criação, em 2013, através da Organização Pan-Americana de Saúde (OPS) – devido a declarações de Bolsonaro, que anunciou mudanças a partir de 1º de janeiro.

“O Ministério da Saúde Pública de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do programa Mais Médicos e assim o comunicou à diretora da OPS e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam esta iniciativa”, diz um comunicado oficial de Cuba.

Em diferentes momentos de sua campanha eleitoral, Bolsonaro anunciou que suspenderia este programa com a OPS e Cuba, e que seu governo contrataria individualmente os médicos que desejassem permanecer no Brasil. Também questionou “o preparo dos nossos médicos” e condicionou “a sua permanência no programa à revalidação do título“, destaca o texto oficial cubano.

Cerca de 20 mil médicos cubanos trabalharam no Brasil durante cinco anos, e a decisão cubana afeta cerca de 8 mil que o fazem atualmente. “A retirada do programa será apoiada por nossos médicos, pois nem os princípios nem a dignidade são negociáveis“, afirmou a vice-ministra da Saúde de Cuba, Regla Angulo, ao receber os profissionais no aeroporto.

Segundo fontes diplomáticas brasileiras, os médicos cubanos retornarão a seu país antes do Natal, embora calculem que cerca de 2 mil poderiam permanecer no Brasil devido a relacionamentos amorosos e familiares, que lhes permitiriam obter o visto de residência.

Aumento do ICMS de 12% para 14% proposto pelo Governo do Estado deixa Pernambuco em desvantagem

Proposto pelo governo Paulo Câmara, o Projeto de Lei 2097/2018 aumenta o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de uma série de produtos.

Entre eles, os automóveis acima de R$ 50 mil, que vão ter o imposto reajustado de 12% para 14%. Com isso, Pernambuco pode passar a ter o carro mais caro do Brasil, já que em todo o país o ICMS é de 12% para automóveis acima de R$ 50 mil.

De acordo com o diretor da Fenabrave-PE, Marcony Mendonça, aproximadamente 70% dos carros vendidos no estado estão nesta faixa, já que o valor de referência é o preço de tabela. “Quem paga imposto é a pessoa que compra. A empresa só recolhe o ICMS e repassa para o Estado. Quem será penalizado pelo aumento proposto pelo governo é o consumidor, o cidadão”, lamenta.

A Fenabrave alerta que as concessionárias que ficam em cidades que fazem fronteiras com outros estados devem ter as vendas afetadas fortemente.

O que, paradoxalmente, pode prejudicar a arrecadação do Governo do Estado. Com o aumento no ICMS, os automóveis na faixa de R$ 50 mil ficarão automaticamente cerca de R$ 1 mil mais caros em Pernambuco do que nos estados vizinhos. “Para quem mora em cidades como Petrolina vai ser mais vantajoso comprar em Juazeiro/BA. Em tempos de crise, qualquer valor faz diferença”, diz o diretor.

Fenabrave

A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores – Fenabrave é a entidade representativa do setor de Distribuição de Veículos no Brasil. A entidade reúne 51 Associações de Marcas de automóveis, veículos comerciais leves, caminhões, ônibus, implementos rodoviários, tratores, máquinas agrícolas e motocicletas.

São cerca de 7,4 mil distribuidores de veículos nacionais e importados, com 305 mil colaboradores diretos, que geraram em 2016 uma receita anual correspondendo a 3,5% do Produto Interno Bruto – PIB do País.

Jovem é vítima de homicídio no Alto do Rio Branco em Sertânia

              José Pereira Mendes Filho, de 18 anos. (Foto: Cortesia)
O jovem José Pereira Mendes Filho, de 18 anos, foi vítima de um homicídio nesta noite de quinta-feira na Rua João Alves, no bairro Alto do Rio Branco. Segundo informações colhidas no local com a família e com populares, a vítima estava a caminho da sua casa quando foi surpreendida por um homem em uma moto que efetuou cerca de quatro disparos de arma de fogo à queima roupa. O acusado ainda ameaçou outras pessoas que passavam pelo local, mas em seguida se evadiu da cena do crime. 

O crime teria sido motivado por uma disputa de vídeo game. José Pereira ganhou no jogo e era conhecido por ser muito brincalhão o que pode ter causado a indignação do acusado.

Um parente da vítima afirmou que o acusado já havia procurado pelo José Pereira um pouco mais cedo com a desculpa de conversar com ele sobre uns galos. Como não o encontrou em casa, foi embora naquele momento, mas voltou um pouco depois para cometer o crime.  

José Pereira foi socorrido para o Hospital Maria Alice Gomes Lafayette em Sertânia e de lá foi encaminhado para o Hospital Regional Ruy de Barros Correia em Arcoverde-PE, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu a caminho do hospital.

Acusado caiu da moto durante a fuga

Segundo informações preliminares, o acusado durante a fuga caiu da motocicleta e foi preso em flagrante. Há também uma suposta versão de uma troca de tiros entre acusado e PM. Nenhuma das informações sobre a prisão do acusado foram confirmadas pela Polícia Militar.

Mais informações no boletim policial.

De acordo com levantamento feito pela Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), 38,75% dos municípios pernambucanos já pagaram agora a primeira parcela do 13° salários aos seus servidores.

Cerca de 86% dos prefeitos foram contatados e 61,25% responderam que ainda não pagaram nenhuma das parcelas, mas têm previsão de quitar o débito até dezembro.

No geral, cerca de 23% dos municípios responderam que estão com dificuldades para realizar o pagamento.

“A crise financeira que estamos passando abateu todos os municípios, mas apesar de tudo, cortando gastos, buscando equilíbrio fiscal os municípios pernambucanos irão honrar com o compromisso de garantir o pagam ento do 13º salário, disse o prefeito de Afogados da Ingazeira e presidente da Amupe, José Patriota (PSB)”.

Inaldo Sampaio

Prestes a deixar o governo Michel Temer, o ministro Raul Jungmann já teve a primeira conversa com o futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, para acertar detalhes da transição. Jungmann informou ao ex-juiz da Lava Jato que o atual governo deixará  para o próximo um legado importante na área de segurança, a exemplo de uma política para o setor e recursos garantidos da Loteria Esportiva.

Ele teve o cuidado de pesquisar como a União tratou a questão da segurança em nossas Constituições e concluiu que em todas elas (da de 1824 à de 1988) jogou-se essa responsabilidade para as costas dos estados, que não têm condições de arcar sozinhos com esse peso.

O atual ministro é admirador confesso de Sérgio Moro, que julgou os processos da Lava Jato até recentemente, mas tem dúvidas sobre se a junção da Pasta da Segurança Pública com a da Justiça será um bom negócio para o país. Ele gostaria que não houvesse essa fusão porque as atribuições da nova pasta ficarão muito amplas, com receio de que o novo ministro não consiga desincumbir-se bem de suas múltiplas responsabilidades.

Porém, a decisão já foi tomada pelo presidente eleito e não há mais nada a lamentar. Jungmann sairá do governo convencido de que fez tudo que esteve ao seu alcance para que o Brasil tivesse uma política de segurança, mas algo que não conseguiu fazer o frustra bastante: esclarecer o assassinato da vereadora carioca Marielle Franco, mais por conta do Ministério Público, diz ele, que nunca quis a presença da Polícia Federal no caso, do que da pasta ora sob seu comando.

Foto: Reprodução / TwitterO vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, disse nesta quarta-feira (14) que o plenário da Corte Eleitoral deve julgar na primeira semana de dezembro a prestação de contas do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

A prioridade da área técnica do TSE é o exame da prestação de contas de Bolsonaro, que saiu vitorioso das urnas e precisa obedecer uma série de ritos processuais para a diplomação, prevista para 10 de dezembro.
“Tem um cronograma, (o julgamento da prestação de contas) tem de ser antes da diplomação. Primeira semana de dezembro (deve ser julgado)”, disse o ministro a jornalistas, ao chegar para a sessão plenária do Supremo Tribunal Federal (STF), onde também atua.
Barroso determinou ontem que Bolsonaro apresente dentro de um prazo de 72 horas esclarecimentos e documentos complementares para sanear problemas na prestação de contas de sua campanha identificados pela área técnica do tribunal.
Um relatório da Assessoria de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias (Asepa) do TSE apontou uma série de irregularidades e indícios de omissão de gastos eleitorais na prestação.
A Asepa identificou falhas como indícios de recebimento indireto de doações de fontes vedadas, ausência de detalhamento na contratação de empresas e comprovação de serviços efetuados e até mesmo informações divergentes entre os dados de doadores constantes na prestação de contas e aquelas que constam do banco de dados da Receita Federal.
Depois de analisar os novos documentos que serão encaminhados pela campanha do presidente eleito, a área técnica do TSE deve entregar até o dia 30 deste mês um parecer conclusivo.

Uma comerciante ficou milionária por algumas horas no Espírito Santo, nesta terça-feira (13). Vanilda Bruni de Souza ficou surpresa ao ver o extrato bancário e perceber que tinha um saldo de R$ 2 milhões e 57 mil na conta.

Foi a sobrinha de Vanilda, a operadora de caixa Paula Beatriz Souza, que percebeu o saldo errado. “Eu falei ‘tia, tem dinheiro demais na conta, é muito dinheiro e eu não sei de onde veio, tem alguma coisa errada’’ ”, contou.

A Paula tinha entrado no aplicativo do banco para pagar um boleto. Antes do dinheiro entrar na conta, ela tinha em torno de R$ 1.500 de saldo.

A comerciante não perdeu tempo. Ligou para a gerência do banco e contou o que tinha acontecido. Até o gerente ficou assustado. “Quando ele abriu, ele se assustou e falou que a sua conta está milionária”, falou a comerciante.

Em outubro deste ano, 93 cidades de Pernambuco não registraram assassinatos, afirma a SDS

                                Foto: Arthur de Souza

Pelo 11º mês consecutivo, Pernambuco conseguiu reduzir o número de homicídios na comparação com o mês correspondente de 2017, de acordo com a Secretaria de Defesa Social (SDS). Com isso, desde janeiro, houve uma diminuição de 22% nos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI). Nesses dez meses, o Estado registrou 3.563 assassinatos, contra 4.576 em 2017. Ao todo, 93 municípios não acumularam CVLI em outubro, e os municípios de Brejinho, Calumbi, Cedro, Fernando de Noronha, Ibirajuba, Itacuruba, Quixaba, Salgadinho, Santa Cruz e Serrita não registraram nenhum crime do tipo em 2018.

Apenas em outubro, a diminuição nos registros de CVLI foi de 23% quando comparado ao mesmo período de 2017 (de 432 para 331 casos). Nesse mesmo mês, foram efetuadas 195 prisões de acusados de homicídio, das quais 79 ocorreram em flagrante delito e 116 foram por cumprimento de mandado de prisão. 

secretário de Defesa Social, Antonio de Pádua, disse que novos investimentos estão previstos para 2019 com o intuito de ampliar os resultados. “Em 93 cidades pernambucanas, por exemplo, nenhuma pessoa foi vítima desse tipo de crime em outubro passado. Um cenário que deve avançar com novos investimentos previstos em inteligência, infraestrutura e reforço no efetivo policial. Somente para a PM, convocaremos mais 500 novos servidores em 2019“, explicou.

Agreste foi a região que mais refreou o número de homicídios. Em outubro, especificamente, a variação foi de -35,9%, saindo de 78 para 50 CVLIs. Na soma desde janeiro, 307 homicídios deixaram de ocorrer nos municípios do Agreste de 2017 para 2018, caindo de 992 para 685. E, no dia 26 de outubro, nenhum CVLI ocorreu em toda a região. O cenário de redução se repetiu nas demais regiões pernambucanas. No Sertão, a queda foi de 565 para 472 casos. Quando se avalia apenas outubro, essa região mostrou queda de 59 para 42. Os municípios sertanejos ainda passaram nove dias sem qualquer notificação de CVLI. 

Já no Recife, o número de vítimas saiu de 671 em outubro de 2017 para 496 no mesmo período de 2018, ou seja, uma redução de 26,08%. Apenas no mês passado, as ocorrências baixaram em 19,12% com relação ao mesmo mês de 2017: de 68 para 55. Entre as Áreas Integradas de Segurança (AIS) do Estado, a de número 25, que tem sede em Cabrobó, no Sertão, não foi palco de assassinato em outubro deste ano. Isso havia acontecido pela última vez em julho de 2014, 51 meses atrás. 

Violência contra a mulher
As vítimas de feminicídio, assassinadas apenas por serem mulheres, foram 61 de janeiro a outubro deste ano. Um patamar 6% menor do que o registrado em 2017 (65 vítimas). Em outubro de 2018, isoladamente, houve o dobro de casos com relação ao ano anterior, saindo de dois para quatro. Os estupros denunciados às polícias tiveram uma redução de 13,3% em outubro de 2018, quando defrontados com as notificações em 2017. De 203 vítimas, o número caiu para 176. No entanto, no acumulado deste ano até o décimo mês, houve aumento de 8,58% (de 1.924 para 2.089). Por outro lado, aumentou a quantidade de mulheres que se dirigiram às delegacias e denunciaram ter sofrido violência doméstica e familiar. Em outubro passado, o crescimento foi de 16,59% – de 3.189 para 3.718 queixas. Entre janeiro e outubro, as notificações subiram em 20%: de 27.426 para 32.910.

Desemprego atinge a jovem Talita Alves

                      Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

Pernambuco apresentou a quarta maior taxa de desocupação no País, maior que a média brasileira, no terceiro trimestre deste ano. Na Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral (Pnad Contínua Tri), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desemprego no Estado foi de 16,7%, o equivalente a 703 mil pessoas, enquanto no Brasil, o percentual foi de 11,9%, relativo a 12,4 milhões de pessoas.

No levantamento de julho, agosto e setembro, 14 estados brasileiros registraram a taxa acima da média nacional. Apenas Amapá (18,3%), Sergipe (17,5%) e Alagoas (17,1%) superaram Pernambuco. No trimestre passado, Pernambuco apresentou uma taxa de desocupação em 16,9%, o equivalente a 710 mil pessoas na ocasião. “Pernambuco praticamente não conseguiu se recuperar. Isso é enfrentado como preocupação porque é uma das mais altas taxas do País, um contingente grande de desempregados”, comentou o economista da Fecomércio-PE, Rafael Ramos, que vê estabilidade na situação.

Segundo ele, esse panorama afeta setores fundamentais da economia. “Para o comércio e para o segmento de serviços é muito ruim porque a população pisa no freio no momento de ter acesso ao crédito. Ou seja, no cenário de desconfiança, as pessoas têm receio de perder o emprego e evitam se endividar, diminuindo o volume de vendas”, explicou Ramos, ao complementar que depois da crise, mais integrantes de uma mesma família passaram a procurar emprego.

No contexto dos estados, o analista do IBGE, Cimar Azeredo, aponta estabilidade. “Os dados mostram que a desocupação apresenta estabilidade na maioria dos estados, queda em alguns deles e avanço apenas em Roraima”, analisou Azeredo.

Na avaliação de Ramos, a média nacional, que caiu de 12,4% para 11,9%, comparando o segundo e o terceiro trimestre, se justifica pelo aumento da informalidade e dos autônomos. “Esses novos empregos não são formais. Se caracterizam pela informalidade e pelas pessoas que estão trabalhando por conta própria”, esclareceu.

Após terminar o ensino médio na escola, Talita Alves, 19 anos, passou a fazer parte da estatística. Ela conta que está com dificuldade de se inserir no mercado de trabalho. “Fiz cursos de vendas, mas quando coloco currículo em lojas e vou na agência de trabalho, me informam que preciso de experiência. Estou há um ano tentando algum emprego”, contou a jovem, que, por enquanto, só tem a renda da aposentadoria da sua mãe em casa. Segundo Azeredo, “a população jovem continua prejudicada pelo desemprego, bastante rejeitada no mercado de trabalho em função da falta de qualificação e formação”.

Algumas diferenças entre as categorias analisadas pelo IBGE se tornam preocupantes, por estarem dentro de um cenário que é histórico. É o caso das taxas de desocupação entre mulheres, nordestinos e negros, que são maiores comparadas aos outros grupos.

No levantamento do terceiro trimestre deste ano, a população feminina apresentou uma taxa de desemprego de 13,6%, mas entre os homens, a taxa foi de 10,5%. O Nordeste teve maior taxa entre as regiões, com 14,4%. E a classificação por cor também apontou maior desemprego entre a população preta (14,6%) e parda (13,8%), em relação à população branca (9,4%).

O presidente eleito Jair Bolsonaro diz que não escolherá para seu governo quem tiver problemas com a Justiça

O presidente eleito Jair Bolsonaro diz que não escolherá para seu governo quem tiver problemas com a JustiçaFoto: Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente eleito Jair Bolsonaro descartou a possibilidade de que pessoas com problemas com a Justiça integrem seugoverno. Ao apresentar o futuro chanceler, o embaixador Ernesto Araújo, o futuro mandatário negou que esteja negociando indicações para embaixadas ou ministérios com qualquer integrante do atual governo.

“Quem estiver devendo para a Justiça não terá a mínima chance de continuar num governo meu. Quem não estiver devendo, podemos até conversar”, declarou Bolsonaro. Ele disse que pretende concluir a definição dos nomes para ocupar o primeiro escalão até 30 de novembro.

Sobre o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, Bolsonaro declarou que ele está isento de acusações e tem qualidades para ocupar o cargo. O presidente eleito disse que as indicações não estão levando em conta critérios políticos.

“O Onyx é a pessoa mais adequada para responder a essa pergunta para vocês. Pelo que eu saiba, ele não é réu em nada. Não tem critério político [nas indicações]”, acrescentou Bolsonaro.

O ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, negou nesta quarta-feira (14) que tenha sido beneficiado com um segundo repasse da JBS, em 2012. Ele reconheceu que houve, sim, um repasse em 2014, e disse ter admitido o erro publicamente. De acordo com o ministro, a informação veiculada na imprensa nesta quarta-feira (14) tem a intenção de desestabilizar o governo eleito Jair Bolsonaro.

Perguntado se confiava plenamente na isenção de Lorenzoni, o futuro presidente respondeu: “Cem por cento da minha confiança, ninguém tem. Só meu pai e minha mãe”. Neste momento, Bolsonaro foi aplaudido por populares que acompanhavam a entrevista na porta do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília, local onde está a equipe de transição.

Depois de sair do CCBB, Bolsonaro dirigiu-se ao Aeroporto de Brasília, de onde voltou para o Rio de Janeiro.

G1

Em interrogatório na sede da Justiça Federal, em Curitiba, nesta quarta-feira (14), o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva disse que não era dono do sítio de Atibaia, em São Paulo, e que havia pensado em comprá-lo –mas que o dono do local não quis vendê-lo.

Ele foi interrogado das 15h às 17h50 pela juíza federal substituta Gabriela Hardt no processo da Lava Jato que investiga reformas feitas no sítio de Atibaia. Lula é réu na ação penal.

O ex-presidente deixou o local cerca de dez minutos após o fim da audiência e foi levado para a Superintendência da Polícia Federal (PF), onde está preso desde abril para cumprir a pena de 12 anos e 1 mês de prisão pela condenação no caso do triplex em Guarujá (SP). Nesse processo, o ex-presidente foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Esta foi a primeira vez que Lula deixou a Superintendência desde que foi detido. Em nota, a defesa de Lula diz que o ex-presidente rebateu “ponto a ponto as infundadas acusações do Ministério Público”.

No interrogatório, Lula disse, ao falar sobre o sítio de Atibaia: “Eu na verdade pensei em comprar o sitio para agradar a Marisa em 2016. Eu tive pensando porque se eu quisesse comprar o sitio eu tinha dinheiro para comprar o sitio. Acontece que o Jacó Bittar não pensava em vender o sítio, o Jacob Bittar tinha aquilo como patrimônio”.

Questionado pelo Ministério Público Federal sobre uma minuta de escritura de 2012, não concretizada, no qual Lula e Marisa apareciam como potenciais compradores do sítio, o ex-presidente respondeu: “Se foi feita uma minuta, obviamente que, como eu era amigo deles, eles poderiam ter oferecido pra mim, se eu quisesse comprar o sítio eu poderia ter comprado o sítio”.

O ex-presidente afirmou que começou a frequentar o sítio em alguns momentos em janeiro de 2011, logo depois de deixar a Presidência da República.

O ex-presidente fala ainda: “Eu nunca conversei com ninguém sobre as obras do sítio de Atibaia porque eu queria provar que o sítio não era meu. E hoje aqui nessa tribuna vocês me deram o testemunho: o sítio não é do ‘Seu’ Lula. Eu pensei que eu vim aqui prestar depoimento porque o sítio era meu. O sítio não é meu.”

No início do interrogatório, Lula e a juíza discutem. “Doutora, eu só queria perguntar para o meu esclarecimento. Eu sou o dono do sítio ou não? Porque eu estou disposto a responder toda e qualquer pergunta. Eu sou dono do sítio ou não?”, pergunta o ex-presidente.

“Isso o senhor que tem que responder e eu não estou sendo interrogada nesse momento”, disse a juíza. Lula interrompeu dizendo que tem que responder é quem o acusou. Gabriela Hardt então chamou a atenção de Lula: “Senhor ex-presidente, esse é um interrogatório –e se o senhor começar nesse tom comigo, a gente vai ter problema”.

Um idoso de 70 anos faleceu nessa quarta-feira (14), vítima de um incêndio em sua propriedade no Sítio Caldeirãozinho, município de Tabira.

De acordo com a Guarda Municipal, o incêndio ocorreu na Zona Rural por volta das 10h30 horas.

Heleno Umbelino dos Santos, queimava uma broca. As chamas aumentaram rapidamente e o mesmo não teve como sair. Ele sofreu queimaduras de terceiro grau e asfixia provocado pela fumaça, entrando em óbito ainda no local.

A Guarda Municipal acionou a Policia Civil, passando a ocorrência para adoção das medidas cabíveis. A informação foi ao ar no programa Rádio Vivo, na Rádio  Pajeú FM 104,9, com Anchieta Santos.

O corpo do Padre Genildo Herculano segue sendo velado em sua cidade natal Santa Terezinha. Um grande número de fiéis acompanha a despedida, muitos emocionados.

O velório em sua cidade natal foi iniciado ontem á tarde após a passagem por Solidão onde comandava a Paróquia de Nossa Senhora de Lurdes. Pela manhã aconteceu a missa de corpo presente celebrada pelo Monsenhor João Carlos Acioly Paz.

Em seguida o féretro foi levado para Santa Terezinha onde também uma missa de corpo presente aconteceu ás 16h aí celebrada pelo Bispo Dom Egidio Bisol.

O sepultamento está previsto para o começo desta da manhã já com a presença dos irmãos do sacerdote que moram em São Paulo. Padre Genildo faleceu no início da noite da terça-feira no Hospital da Unimed, área central do Recife. Uma infecção bacteriana agressiva causou a morte do Padre.

Último dia de provas do Enem

Último dia de provas do EnemFoto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) informou, nesta segunda-feira (12), que uma das questões da prova de Matemática e suas Tecnologias do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 foi anulada por já ter sido usada em um vestibular da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em 2013, descumprindo os requisitos de ineditismo e sigilo do exame.

“A questão foi elaborada em 2012 para o Inep, por um professor que, à época, estava vinculado à UFPR. No entanto, posteriormente, em 2013, a questão foi utilizada no vestibular da própria Universidade, para ingresso em 2014, o que não deveria ter ocorrido”, informou o órgão por meio de comunicado à imprensa.

Segundo o Inep após constatar a repetição, o Ministério da Educação (MEC) instaurou uma sindicância para apurar responsabilidades, que pode resultar em processos administrativo, cível e até criminal.

O reitor da UFPR, Ricardo Fonseca, colocou a Instituição à disposição para colaborar com a apuração. A Universidade tem um Acordo de Cooperação Técnica assinado com o Inep para integrar o processo de elaboração e revisão de itens do Banco Nacional de Itens (BNI).

A questão anulada tem número diferente a depender do caderno de prova do Enem 2018. Nos cadernos amarelo, laranja e verde, é a número 150. No caderno Azul, 163, no Cinza, 170 e no Rosa, 180.

Questão 180, da prova rosa, do Exame Nacional do Ensino Médio

Questão 180, da prova rosa, do Exame Nacional do Ensino Médio – Foto: Portal FolhaPE

De acordo com as investigações, o trio assassinava as mulheres como parte de um ritual de purificação

                                  Foto: Aguinaldo Lima/Arquivo Folha

Conhecidos como “canibais de Garanhuns”Jorge NegromonteIsabel Cristina Pires e Bruna Oliveira da Silva vão enfrentar um segundo júri popular, no próximo dia 23 de novembro, no Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano, no Centro do Recife. Desta vez, eles serão julgados pela morte de duas das suas três supostas vítimas: Alexandra Falcão da Silva, 20 anos, e Giselly Helena da Silva, 31 anos. O júri será presidido pelo juiz Ernesto Bezerra da Silva.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), disse nesta segunda-feira (12) que cogita o nome do deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) para o Ministério da Saúde.

Mandetta é ortopedista pediátrico, não se candidatou em 2018, portanto ficará sem mandato em 2019. Os 2 se reuniram nesta manhã e conversaram sobre uma possível indicação.

Segundo Bolsonaro, Mandetta, de 53 anos, se for nomeado para a Saúde terá missões específicas.

“Tem que tapar os ralos”, afirmou. “Queremos facilitar a vida do cidadão e economizar recursos”, acrescentou o presidente eleito, em defesa da implantação do prontuário eletrônico. “Não temos como falar em investir mais em saúde porque estamos no limite em todas as áreas.”

As declarações foram feitas por Bolsonaro ao sair da casa dele, na Barra da Tijuca, antes de ir novamente a uma agência do Banco do Brasil sacar dinheiro. Foi a 3ª vez que ele saiu para ir ao banco nos últimos dias.

Dificuldade com reforma da Previdência

Na mesma entrevista, Bolsonaro reconheceu que há dificuldades em aprovar a reforma da Previdência em 2018.

A avaliação, de acordo com Bolsonaro, foi feita pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, que está à frente das principais negociações sobre o tema. Os 2 se reuniram nesta 2ª no Rio de Janeiro. “Ele [Paulo Guedes] está achando que dificilmente aprova alguma coisa este ano”, afirmou Bolsonaro. “Não é esta a reforma que eu quero”, acrescentou.

“Reforma da Previdência não pode ser apenas olhando número, tem que olhar o social também. O teu trabalho, o meu, é diferente de alguém que mexe com a construção civil, por exemplo. É complicado, mas você tem que ter coração também nesta reforma, não é apenas números”, disse.

Bolsonaro criticou a existência de aposentadorias acima do teto constitucional, no setor público, que fixa como limite o salário dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). “[Há] aposentadorias que estão aí até acima do teto, excessos de privilégios”, disse. “Tem que começar com a Previdência pública.”

O presidente eleito disse também que vai tomar café com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para conversar sobre o assunto. Informou ainda que vai “apertar a mão” dos colegas do Congresso Nacional.

Joaquim Levy e BNDES

Bolsonaro disse que foi Paulo Guedes o responsável pela escolha do economista Joaquim Levy para a presidência do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

“Ele [Guedes] é que está bancando o nome Joaquim Levy. Ele tem um passado com a Dilma, sim, teve 10 meses, tem 1 passado com o governo Cabral, mas nada tem contra sua conduta profissional. Assim sendo, eu endosso Paulo Guedes. Esse é um ponto pacificado”, afirmou.

Ex-ministro da Fazenda de Dilma Rousseff, Levy deixará a diretoria financeira do Banco Mundial para integrar a equipe econômica do presidente eleito.

O economista comandou o Ministério da Fazenda no 2º mandato da petista e a Secretaria do Tesouro Nacional no 1º mandato do ex-presidente Lula, além da Secretaria de Fazenda do Rio de Janeiro no governo Sérgio Cabral (MDB).

O presidente eleito disse que “está faltando transparência no BNDES” e essa será uma das missões de Levy. “Até para mim, eu desconheço muita coisa do BNDES. São números que nós temos de tornar públicos”, disse Bolsonaro.

(com informações da Agência Brasil)