Júnior Cavalcanti

Coletiva de apresentação do tema do Galo da Madrugada 2019

Coletiva de apresentação do tema do Galo da Madrugada 2019Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

O 42º desfile do Galo da Madrugada, que será realizado em 2 de fevereiro de 2019, terá como tema “Frevo Mulher“. A agremiação é reconhecida pelo Livro dos Recordes como o maior bloco de Carnaval de rua do mundo e deve continuar atraindo milhões de foliões no próximo ano.

O tema é inspirado pelo clássico Frevo Mulher, composto por Zé Ramalho e cantado por Amelinha [ouça abaixo]. O tema vai homenagear, reconhecer e agradecer as mulheres que fizeram e fazem parte da história do bloco.

“A quantidade de mulheres envolvidas é muito maior que a quantidade de homens. É importante homenagear quem é a alma do bloco e quem também nos dá esse apoio incondicional”, disse o diretor de Marketing do Galo da Madrugada, Guilherme Menezes.

“Nós, mulheres, estamos muito felizes. Será o desfile mais lindo e mais poderoso já feito. Nossa luta continua. Vamos botar o bloco na rua!”, exclamou a cantora Nádia Maia, que desfila nos trios do bloco há sete anos.

Eduardo Cunha

                              Eduardo Cunha Foto: Reprodução/ Facebook

A defesa do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha entrou nesta quarta (25) com dois pedidos de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF). O caso deverá ser analisado pelo vice-presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, em função do período de recesso no tribunal.

Ex-deputado pelo MDB do Rio de Janeiro, Eduardo Cunha está preso desde outubro de 2016 pelas investigações das operações Sépsis e Lava Jato, da Polícia Federal (PF). No pedido de liberdade, os advogados alegam que Cunha sofre “constrangimento ilegal” ao ser mantido preso por tanto tempo.

Leia também:
Presidente do STJ mantém prisão de Eduardo Cunha

Segundo os defensores do ex-deputado, não há motivos para manutenção da prisão tanto no processo no qual Cunha teve a prisão decretada em função da delação do empresário Joesley Batista quanto na ação penal na qual foi condenado a 24 anos de prisão, em processo envolvendo o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS).

“A situação jurídica do ora paciente, em expressão franca e justa, é vergonhosa”, argumentou a defesa.

No mês passado, Cunha foi sentenciado pela Justiça Federal em Brasília no processo que apurou pagamento de propina de empresas interessadas na liberação de verbas do Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS).

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

               O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva Foto: Miguel Schincariol/AFP

O vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, rejeitou nesta quarta-feira (25) um habeas corpus protocolado por um advogado em favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O pedido não foi feito pela defesa de Lula.

Ao analisar o habeas corpusToffoli entendeu que o pedido de liberdade não se enquadra nas hipóteses de urgência para ser analisado durante o plantão do recesso de julho na Corte. Além disso, o ministro enviou o pedido para relator dos processos da Operação Lava Jato no tribunal, Edson Fachin.

“O caso não se enquadra na previsão do art. 13, inciso VIII, do Regimento Interno deste Supremo Tribunal, em especial ante a possibilidade de incidência do entendimento da Corte segundo o qual é inadmissível o habeas corpus que se volta contra decisão monocrática do relator da causa no Superior Tribunal de Justiça não submetida ao crivo do colegiado por intermédio do agravo interno, por falta de exaurimento da instância antecedente”, justificou o ministro, em sua decisão.

Leia também:
Lula só terá chance de sair da cadeia se assumirmos o poder, diz Ciro
Ministro do STJ nega pedido para Lula dar entrevistas na prisão

Toffoli está interinamente na presidência da Corte porque a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, está ocupando a Presidência da República em função da viagem do presidente Michel Temer à Africa do Sul.

Lula foi condenado a 12 anos e 1 mês de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex em Guarujá (SP) e teve a pena executada pelo juiz federal Sergio Moro após o fim dos recursos na segunda instância da Justiça, conforme definiu o STF. Ele está preso na superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba.

Presas

                                    Presas Foto: Arquivo/Agência Brasil

Decreto 9.450, que institui a Política Nacional de Trabalho no Âmbito do Sistema Prisional, está publicado na edição desta quarta-feira (25) do Diário Oficial da União. A política tem medidas para dar oportunidades de trabalho a presos e ex-detentos. O texto foi assinado na terça-feira (24) pela presidente da República interina, Cármen Lúcia.

A medida vale para contratação de serviços pela União, inclusive os de engenharia, com valor anual acima de R$ 330 mil. Os presos provisórios, em regime fechadosemiaberto e aberto estão incluídos na política. Além disso, os egressos – aqueles que já cumpriram pena e foram postos em liberdade – também podem ser contratados dentro da cota.

Para ter o direito de participar da iniciativa, os detentos devem ser autorizados pelo juiz de Execução Penal; ter cumprido, no mínimo, um sexto da pena; e comprovar aptidão, disciplina e responsabilidade. Os serviços previstos no decreto não incluem o emprego de presos ou egressos no canteiro de obras, apenas em serviços adjacentes à obra, como limpeza ou vigilância.

Leia também:
Projeto que obriga preso a pagar suas despesas na prisão avança no Senado

Deverão ser reservados aos presos ou egressos 3% das vagas quando o contrato demandar 200 funcionários ou menos; 4% das vagas, no caso de 201 a 500 funcionários; 5% das vagas, no caso de 501 a 1.000 funcionários; e 6% quando o contrato exigir a contratação de mais de 1.000 funcionários.

Idosos

                                               Idosos Foto: Pixabay

Enquanto a projeção no número de jovens deve cair deste ano para 2060, a quantidade da população idosa deve crescer. Segundo a projeção divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o percentual da população com 65 anos ou mais vai alcançar 25,5% (equivalente a 58,2 milhões de idosos). Hoje, esse número é de 9,2% (referente a 19,2 milhões). E Pernambuco segue a mesma tendência da média nacional. O Estado apresenta atualmente 8,6% idosos (820 mil) e, em 2060, esse percentual salta para 25% (2,5 milhões). Diante da projeção, o País precisa reajustar gastos com saúde e aposentadoria para ser possível equilibrar a pirâmide etária do futuro.

De acordo com o demógrafo do IBGE, Marcio Minamiguchi, o envelhecimento da população brasileira é um fato irreversível no futuro. “A tendência é de um nível de fecundidade abaixo do nível de reposição. O levantamento aponta que no Brasil cada mulher tem 1,77 filhos hoje. Em 2060 esse número cai para 1,66. O Nordeste era uma região que tinha uma alta taxa de fecundidade comparada ao Sul e Sudeste. Atualmente, essa taxa é equiparada”, explicou Minamiguchi. Em Pernambuco, a taxa de fecundidade hoje é de 1,76 filhos por mulher e, em 2060, deve cair para 1,64.

Leia também:
Brasil deverá ter mais idosos do que crianças em 2039, diz IBGE

Nesse contexto, apesar de a população brasileira não crescer muito (hoje são 208,5 milhões de pessoas e deve chegar em 228,3 milhões em 2060), o retrato do País vai modificar. “Será um crescimento moderado da população, mas a sua característica vai mudar drasticamente, principalmente em sua distribuição etária com a redução na quantidade de crianças”, informou o demógrafo. Hoje, para cada 100 crianças em Pernambuco são 37,89 idosos. Já em 2060, para cada 100 crianças no Estado serão 171,23 idosos. E o nível nacional seguirá a mesma tendência. “Vai ser mais comum encontrar mais idosos do que crianças”, complementou Minamiguchi.

E os recém-nascidos vão alcançar idades ainda maiores no Brasil e em Pernambuco. Nesse último, hoje a idade chega em 74,6 anos. Já em 2060, a idade chegará em 79,8 anos. E com muitos idosos no futuro, é preciso o Brasil planejar os custos para se tornar um País equilibrado. De acordo com o secretário da Previdência Social, Marcelo Caetano, devido ao envelhecimento projetado há uma urgência na pauta da reforma da previdência. “Se a reforma for aprovada, haverá uma transição justa para se alcançar a aposentadoria. A idade mínima para se aposentar começaria com 55 anos para homem e 52 anos para mulher. Apenas daqui a 20 anos começaria a valer a idade mínima de 65 anos para homem e 65 anos para mulher”, explicou Caetano.

Por sua vez, o especialista em direito previdenciário, Almir Reis, defende a necessidade de uma reforma, mas com alguns pontos diferenciados. “É preciso respeitar o direito adquirido de quem trabalhou uma vida toda para se aposentar, o que a reforma proposta não prioriza”, comentou. Hoje, a reforma está suspensa devido à intervenção federal no estado do Rio de Janeiro.

Em busca dessa aposentadoria segura no futuro, jovens estão buscando ter uma vida profissional durante muitos anos, como é o caso do analista Jhonata de Barros, de 22 anos. “Pretendo trabalhar durante muitos anos e enxergo a necessidade de uma aposentadoria justa. Estou com a projeção de fazer uma previdência privada para conseguir usufruir no futuro”, explicou o jovem. O analista de computação de 33 anos, Augusto Guimarães, também pensa em um modelo sustentável. “Trabalho de carteira assinada contribuindo para previdência social. No futuro, quero poder utilizar com segurança”, destacou o jovem.

Para o especialista em direito da saúde, Elano Figueiredo, é preciso trabalhar uma política de prevenção e promoção da saúdepara as pessoas que vão ser maioria na população brasileira. “Se conseguirmos chegar em 2060 com idosos saudáveis e ativos, inclusive mentalmente fortes, teremos um custo assistencial menor e mais previsível”, explicou o especialista, ao complementar que é importante rever o Estatuto do Idoso e subsidiar o acesso dele à saúde.

Mulheres
O levantamento também apontou que a idade média em que as mulheres vão ter filhos será maior. No Brasil, hoje, as mulheres têm filhos com 27,15 anos. Em 206, será com 28,81 anos. “Isso é influenciado pelo acesso à escolaridade e a inserção no mercado de trabalho, o que melhora as condições de vida”, explicou Minamiguchi.

Sob o titulo Nós Somos o Trânsito. A Semana Nacional do Trânsito acontece dos dias 18 a 25 de setembro, a ação vai contar com blitzes educativas, exposições e palestras para motoristas, pedestres, motociclistas e principalmente crianças. As atividades desenvolvidas durante a semana é uma exigência do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Para tanto o Departamento Estadual de Trânsito, DETRAN-PE, já está preparando uma extensa programação. O evento de maior significado é a “Feira de Educação para o Trânsito”, que vem sendo realizada há 18 anos. Nesse ano acontecerá no dia 20 de setembro e terá lugar no Centro de Convenções de Pernambuco, localizado em Olinda.

Hoje (25) o Diretor Presidente do Departamento Estadual de Trânsito DETRAN-PE, Charles Ribeiro, recebeu em seu gabinete o Secretário de Educação de Paulista, Carlos Ribeiro Júnior, o Secretário de Transporte e Trânsito de Olinda e o Secretário Executivo, respectivamente Jonas Moura Ribeiro e Romolo Goyanna  Lamenha Lins, Secretário de Educação de Itapissuma e Professora amiga do trânsito, respectivamente Jesanias Rodrigues de Lima e Jeoadam Fernandes da Silva, quando assinaram termo de compromisso para participação na feira com foco no público infanto-juvenil visando preparar o condutor do amanhã.

Conforme informou Ribeiro, está previsto a adesão dos municípios do Recife, Jaboatão dos Guararapes e Cabo de Santo Agostinho, ele disse ainda que as prefeituras que tiverem interesse na participação de seus alunos na feira, devem procurar a coordenadoria de educação para o trânsito.

Uma vez que uma das prioridades do DETRAN é reduzir os acidentes no Estado. Para isso estamos trabalhando fortemente com o objetivo de educar para o trânsito “não  queremos só multar e apreender veículos e carteiras, queremos salvar vidas” concluiu Ribeiro.

O deputado federal Sebastião Oliveira, presidente estadual do Partido da República (PR) anunciou em nota que, nesta quarta (25), recebeu o apoio de importantes lideranças da região da Mata Norte.

O encontro, que selou os compromissos,  aconteceu na residência do parlamentar, em Recife.

Eleito com mais da metade dos votos válidos, o prefeito de Araçoiaba Joamy anunciou que  vai  marchar junto com Sebastião Oliveira rumo às eleições de outubro. Sebastião também comemora  o retorno ao PR do ex-prefeito de Aliança,  Azoca Gouveia. Além deles, o grupo foi fortalecido com Gabriel Planta (Nazaré da Mata) e Tomazinho (Lagoa do Carro).

“Estou feliz com o reforço desses apoios. São pessoas que possuem  bastante serviço prestado em prol da Mata Norte, e tenho a certeza que vão contribuir demais com o nosso projeto”, ressaltou Sebastião Oliveira.

Desde a última segunda feira (23) os golpistas do PSB de Pernambuco, governador Paulo Câmara e prefeito Geraldo Julio, estão em Brasília – de forma desesperada – procurando a Executiva Nacional do PT para tentar “detonar” a candidatura de Marília Arraes ao governo do Estado. Um desespero inútil.

Lembro que no dia 17 de abril de 2016, o dia do impeachment, eles também estavam em Brasília e conseguiram “detonar” o mandato da presidente Dilma, um
mandato que pertencia a 54 milhões de brasileiros.

Paulo Câmara e Geraldo Julio mandaram seus deputados votar a favor do impeachment e derrubar a presidente Dilma. Por extensão, derrubar o governo que mais investiu no desenvolvimento de Pernambuco: o do PT.

Desta vez, vai dar errado. Eles não vão impedir a legítima candidatura da vereadora Marília Arraes, que não pertence mais ao PT. Pertence ao grande desejo de mudança que está na alma e nos corações do valente povo pernambucano.

Ratifico que o PSB não tem votos na Executiva Nacional, muito menos no Diretório Nacional do PT, para fazer a coligação nacional com o Partido dos Trabalhadores.

Tenho certeza de que Marília Arraes será candidata, pois é o desejo dos pernambucanos, irá ao segundo turno e, junto com o Avante e o PROS, elegerá uma bancada de oito deputados estaduais e cinco deputados federais. Avante, Marília!

Sílvio Costa – Deputado Federal – Avante

G1

O Facebook informou nesta quarta que excluiu páginas que afirma ser de uma “rede de desinformação”. A rede social não especificou quais eram os perfis envolvidos, mas o Movimento Brasil Livre (MBL) informou que diversos dos seus coordenadores foram afetados.

A notícia foi primeiramente divulgada pela agência de notícias Reuters. Segundo o Facebook, a iniciativa é parte dos esforços para reprimir perfis enganosos antes das eleições de outubro.

O Facebook disse em um comunicado que desativou 196 páginas e 87 contas no Brasil por sua participação em “uma rede coordenada que se ocultava com o uso de contas falsas no Facebook, e escondia das pessoas a natureza e a origem de seu conteúdo com o propósito de gerar divisão e espalhar desinformação”.

O comunicado não identifica as páginas ou usuários envolvidos. A página Brasil 200 também foi retirada do ar pelo Facebook.

As fontes da agência Reuters, que falaram sob condição de anonimato, disseram que a rede era administrada por membros importantes do MBL. O grupo ganhou destaque ao liderar protestos em 2016 pelo impeachment da então presidente Dilma Roussefff.

Representantes do MBL publicaram um comunicado em suas redes sociais nesta quarta-feira (25). “Na manhã de hoje, 25/07/2018, diversos coordenadores do Movimento Brasil Livre (MBL) tiveram suas contas arbitrariamente retiradas do ar pelo Facebook. A alegação dada pela rede social é a de que se tratava de coibir contas falsas destinadas a divulgação de ‘fake news’”, comentou o MBL.

Diretor da FGV DAPP, Marco Ruediger

                                Diretor da FGV DAPP, Marco Ruediger Foto: Divulgação

Os eleitores brasileiros ganham nesta quarta (25) um importante aliado no combate ao mau uso da internet e dasredes sociais com finalidade política: a Sala de Democracia Digital – #observa2018. O projeto da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV DAPP) vai monitorar o debate público nas redes sociais durante as eleições deste ano e o impacto de práticas de desinformação como a utilização de robôs para difusão de fake news.

“O Brasil deve enfrentar uma das eleições mais polarizadas desde a sua redemocratização e a possibilidade de ação efetiva da sociedade civil no combate à desinformação, manipulação e interferências ilegítimas no meio digital pode ter consequências em outras democracias do mundo, tornando o Brasil uma referência internacional”, afirma o diretor da FGV DAPP, Marco Ruediger.

Leia também:
Facebook ainda não está preparado para enfrentar fake news, diz Zuckerberg

projeto disponibilizará diariamente conteúdo gratuito e acessível no seu site e por meio de um aplicativo para celular, além de uma discussão aprofundada sobre política em rede social publicada em coluna semanal no portal Nexo; checagem dos conteúdos mais compartilhados na semana realizada pela Agência Lupa; a publicação do DAPP Report (semanal) no jornal O Estado de S. Paulo; e boletins diários veiculados na rádio CBN.

Um dos grandes desafios do projeto é gerar análises durante o processo eleitoral e tentar antecipar possíveis danos à lisura do debate na rede. “Hoje temos algum conhecimento do que aconteceu nas eleições de outros países, como Estados Unidos, França, Reino Unido, mas, em muitos casos, as análises mais reveladoras foram publicadas após as eleições”, pondera o sociólogo Amaro Grassi, um dos coordenadores do projeto.

Para isso, a Sala de Democracia Digital conta com uma equipe multidisciplinar de jornalistas, sociólogos, cientistas políticos, economistas, matemáticos, estatísticos e programadores, além de parceiros com expertise em áreas complementares, como o Direito. “É uma iniciativa de fôlego, que tem cerca de 10 pesquisadores dedicados e outros que são envolvidos eventualmente, de acordo com a necessidade do momento ou do tema abordado”, diz Amaro Grassi.

O projeto da FGV DAPP tem, ainda, como parceiros o Digital Forensic Research Lab (DFRLab), do Atlantic Council e o National Democratic Institute (NDI), ambos think tanks baseados em Washington (EUA); a Omidyar Network; o Visualization and Data Analytics Research Center (VIDA), da New York University (NYU); o Instituto de Tecnologia e Equidade (IT&E) e a Escola de Direito da FGV-SP.

Para Grassi, como a desinformação nas redes sociais é um fenômeno recente o nível de conhecimento entre os centros de pesquisa em todo o mundo é relativamente igual e a troca de experiência entre pesquisadores é bastante horizontal. “Quem trabalha nessa área vai aprendendo de forma conjunta, à medida em que vão se desenvolvendo as experiências político-eleitorais em cada país, e tem interesse em acompanhar a eleição brasileira com um parceiro local como a FGV DAPP”.

lançamento da Sala de Democracia Digital – #observa2018 acontece esta quarta-feira (25) no Rio de Janeiro, com um seminário sobre o impacto das redes sociais nas eleições no Brasil e no mundo, e será transmitido ao vivo no site da FGV DAPP e no página de Facebook da FGV.

A capital pernambucana registrou quase 23 mil infrações em 2018

A capital pernambucana registrou quase 23 mil infrações em 2018Foto: Rafael Furtado

O número de casos de motoristas flagrados utilizando o celularenquanto dirigem aumentou no Recife em relação ao ano passado. Segundo dados do Departamento de Trânsito de Pernambuco (Detran-PE), entre os meses de janeiro e maio de 2018, houve um aumento de 8% em infrações aplicadas aos condutores que foram pegos utilizando o aparelho. Foram 21,2 mil infrações em 2017 contra 22,9 mil neste ano. O uso do celular é a terceira maior causa de acidentes no trânsito no País. São cerca de 150 mortes por dia e quase 54 mil por ano no Brasil. A estatística fica atrás somente de bebidas alcoólicas e excesso de velocidade.

A imprudência não fica restrita aos motoristas de carros. Motociclistas e até condutores de transportes coletivos põem em risco não só suas vidas, mas também das pessoas ao seu redor. Isabel Gomes, 53 anos, já foi vítima de um acidente de trânsito em que o outro condutor, por estar ao telefone, não percebeu que o carro da professora estava realizando uma manobra e causou uma colisão. “Graças a Deus, a batida não foi muito séria, mas a gente ainda está pagando pelo reparo da lataria. Minha amiga também foi vítima de um acidente de trânsito. Ela foi atropelada enquanto pedalava. A motorista do carro estava com o celular na mão, o aparelho caiu e quando ela se abaixou para pegá-lo, atropelou a minha colega”, disse.

Desde 2016, a multa por usar o celular ao volante sofreu alteração de média a gravíssima. O motorista que for pego utilizando o aparelho celular ao volante receberá sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e ter que pagar uma multa no valor de R$ 293,47. Quase 23 mil infrações já foram aplicadas no Recife do começo do ano até agora aos motoristas que estavam utilizando o celular enquanto dirigiam. Severino Joaquim de Aguiar, 69, trabalha como taxista há 35 anos e já foi vítima de diversos acidentes ocasionados pelo uso do celular no volante.

“Eu vejo cada vez mais as pessoas utilizando o celular enquanto dirigem. E, se ocorrer uma batida, você só vai ter problema e aborrecimento. Uma vez, um motorista bateu no meu carro quando ele estava realizando uma manobra e com o celular na mão. Não pagou nada”, relatou o taxista.

Leia também:
Acidente com caminhão-tanque mortos e feridos na BR-232, em Gravatá; veja fotos
Multas de trânsito poderão ser pagas parceladas no cartão de crédito
Maioria dos brasileiros acessa internet pelo celular

A necessidade de não desgrudar do dispositivo móvel, mesmo em situações de risco, como no trânsito, já está sendo tratada por muitos médicos como uma patologia, de acordo com o presidente da Associação Brasileira de Engenheiros Civis de Pernambuco (ABENC-PE), o engenheiro civil, Stênio Cuentro. Ele acredita que o Brasil deveria se espelhar em políticas sendo feitas em outros países para conseguir reduzir o número de motoristas flagrados ao telefone. “No Reino Unido, por exemplo, a pessoa que for flagrada com o celular dirigindo tem a carteira de motorista suspensa por um certo período, além de ter que pagar uma multa bem cara. Eu acredito que não há outra alternativa a não ser as autoridades brasileiras aumentarem a fiscalização e consequentemente as penalidades.

Detran-PE informou que diariamente vem realizando blitze educativas não só sobre o uso do celular, mas também sobre a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança, inclusive no banco de trás e o perigo de dirigir após a ingestão de bebida alcoólica. A secretarias de Defesa Social e de Saúde do Estado foram procuradas pela Folha de Pernambuco acerca do número de acidentes e fatalidades ocorridas no trânsito em decorrência do uso do celular no volante e ambas as pastas informaram que não há dados para essas estatísticas.

Inaldo Sampaio

                                Inaldo Sampaio Foto: Colunista

Foi noticiado no final de semana, por alguns órgãos da mídia digital, que o deputado Bruno Araújo havia rompido com o senador Armando Monteiro, causando fratura exposta na Frente das Oposições. Na realidade, não houve rompimento algum e ambos divulgaram notas ontem esclarecendo o mal entendido. O que houve foi o seguinte: o deputado externou seu desconforto por meio de nota pelo fato de o senador ter dito que se Lula fosse candidato a presidente da República. Não disse que votaria no PT, e sim em Lula. Mas como o ex-presidente não será candidato, seu voto será dado a outra pessoa, possivelmente a Geraldo Alckmin que é o candidato do partido de Bruno. Além do mais, Alckmin já tem o apoio do PTB, que é o partido do próprio Armando e também do Democratas, agremiação a que pertence Mendonça Filho que é um dos candidatos a senador na chapa das oposições. Armando não chegou a dizer que vota no tucano e sim que seu palanque estará aberto para o ex-governador de São Paulo, que até ontem estava sem entender direito os motivos pelos quais seu partido não moveu uma palha até agora, em Pernambuco, para divulgar sua candidatura. Agora, depois que ficou claro que Armando não será o terceiro candidato a governador a apoiar Lula, o PSDB já se prepara para indicar o nome do segundo senador. Bruno Araújo diz que topa, mas é preciso ver primeiro para depois crer.

Para elevar o nível do debate
Elias Gomes (PSDB) estava decidido a sair da política após ter sido prefeito do Cabo e de Jaboatão dos Guararapes, deputado estadual, secretário de justiça e gestor de Fernando de Noronha. Mas recebeu uma “convocação” de amigos, correligionários e seguidores políticos e reconsiderou sua decisão. Será candidato a deputado para “elevar o nível do debate” na Alepe.

Cristianização > Humberto Costa (PT), caso se candidate à reeleição, terá que ser pela Frente Popular. Se for pela chapa de Marília Arraes, corre o risco de ser “cristianizado” pelos próprios petistas. Alguns, ligados a movimentos sociais, chamam-no de “traidor”.

É bobagem > Segmentos do PSB nacional, sem saber em quem votar na eleição presidencial, divulgaram que iriam pedir a Joaquim Barbosa para reconsiderar sua decisão, aceitando a candidatura a presidente. Só mesmo quem não conhece o ex-ministro faria uma besteira dessa!

Pró Bivar > José Arnaldo Amaral (PSL), ex-prefeito de Olinda e “bolsonarista” convicto, defende o nome de Luciano Bivar para ser o vice de Bolsonaro. Ele acha que o ex-presidente do Sport na chapa faria de Pernambuco “protagonista decisivo” na atual conjuntura política.

Com o PSB > Adeval Ferreira de Andrade (PSB), ex-prefeito de Santa Terezinha, continua apoiando Paulo Câmara à reeleição. Diz que a versão de que teria aderido a Marília Arraes (PT) não procede.

É brincadeira > Flávio Rocha já correu do páreo, mas continuam brincando de candidato a presidente da República os seguintes personagens: Aldo Rebelo (SD), João Almoêdo (NOVO), Paulo Rabello de Castro (PSC), Henrique Meirelles (MDB) e Fernando Collor de Mello (PTC).

Internet

                                 Internet Foto: Pixabay

Acessar a internet parece ter se tornado algo corriqueiro na vida dos brasileiros. No Nordeste, contudo, não é bem assim. Pesquisa divulgada nessa terça-feira (24) pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) revelou que, apesar do crescimento no número de conexões, a maior parte dos domicílios da região (51%) ainda não tem acesso à internet. Isso quer dizer que 28 milhões de nordestinos estão conectados – número que corresponde à metade dos usuários registrados no Sudeste. E, segundo a população, o maior responsável por essa “exclusão digital” é o preço cobrado pelo acesso à rede.

Leia também:
Maioria dos brasileiros acessa internet pelo celular
Smartphone é o melhor amigo de 49% dos adolescentes

“Ainda existe uma desigualdade muito grande no acesso à tecnologia. Por mais que o celular tenha popularizado o uso da internet entre a população mais pobre, nem todos os domicílios brasileiros estão conectados, sobretudo os de baixa renda e os da zona rural. Afinal, a internet nem sempre cabe no bolso da população e nem sempre chega à área rural”, admitiu o coordenador da Pesquisa TIC Domicílios, Winston Oyadomari, dizendo que é por conta disso que o Norte e o Nordeste seguem distantes do Sul/Sudeste no que diz respeito à democratização do acesso virtual. O Norte, porém, é mais atingido pela questão do difícil acesso à área rural. Já o Nordeste é afetado principalmente pelo preço da conexão.

Na região, 62% dos entrevistados pelo CGI.br disseram achar o acesso à internet muito caro. Esse também foi o motivo principal para a falta de conexão em 31% dos domicílios que continuam fora do mundo virtual no Nordeste. E mesmo quem já aderiu à internet, seja por meio da banda larga ou da conexão móvel, se mostrou disposto a pagar o mínimo possível por esse serviço na região. Segundo a pesquisa, 63% dos domicílios nordestinos que estão conectados não pagam mais que R$ 60 por mês pela internet. No Sudeste, porém, 52% das residências conectadas pagam mais que isso.

Outro indicador que mostra as barreiras financeiras da tecnologia é o baixo uso de computadores. Segundo a TIC Domicílios 2017, só 33% dos domicílios nordestinos têm um computador, seja ele desktop ou notebook. Por isso, é por meio do celular que a maior parte dos moradores da região acessam a rede. Essa realidade, porém, não é exclusiva do Nordeste. Segundo a TIC Domicílios 2017, metade da população que está conectada no País – cerca de 58,7 milhões de brasileiros – já acessa a internet exclusivamente pelo smartphone. Foi a primeira vez que este número superou o daqueles que combinam diferentes fontes de acesso à internet, como o celular e o computador. “Hoje, só quem pode pagar por esse dispositivo são as classes sociais mais altas. A baixa renda fica, então, restrita à conexão móvel”, explicou Oyadomari.

Por outro lado, lembrou o pesquisador, a possibilidade de acessar a internet pelo celular, sobretudo através de pacotes pré-pagos ou conexões gratuitas de Wi-Fi, tem ajudado a popularizar a internet no País. No Nordeste, por exemplo, a falta de acesso já foi muito maior: há apenas um ano, 60% dos domicílios da região não tinham internet. Hoje, esse número é de 49%. No Brasil como um todo, 61% das residências brasileiras (42,1 milhões de lares) já têm acesso à internet. Em 2016, essa participação era de 54%.

Carteirinhas de planos de saúde no Brasil

Carteirinhas de planos de saúde no BrasilFoto: Cristiana Dias/Folha de Pernambuco

Alvo de polêmica e discussões, inclusive de manifestação contra por parte do Ministério da Fazenda e Tribunal de Contas da União (TCU), a fórmula de calcular os aumentos anuais dos planos de saúde individual e familiar ganhou mais um capítulo nessa terça-feira (24).  É que, após autorizar que os planos de saúdeaumentem em até 10% o valor dos contratos individuais, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) achou por bem reunir representantes de vários setores para discutir uma nova proposta de metodologia para cálculo do teto anual desses planos contratados, utilizado por menos de 20% da contingente com acesso à saúde suplementar no País. No entanto, apesar de representar 80% dos mais de 47 milhões de contratos, não houve nenhuma citação sobre os planos coletivos.

Leia também:
Indicações políticas e crise em planos de saúde colocam ANS na berlinda
Experiência em saúde no Brasil é destaque em conferência sobre aids

Em carta redigida pelo Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), a entidade questiona o objetivo de uma audiência cuja convocação seria coletar informações e subsídios sobre sua Política de Preços e Reajustes em planos de saúde. “Embora a iniciativa seja louvável, é preciso reconhecer que não está claro o objetivo desta audiência, nem a delimitação do problema regulatório”, questiona a carta aberta.

O texto segue indagando se o objetivo do encontro é tratar da política de preços e reajustes da saúde suplementar como um todo, ou para tratar da mudança de metodologia para os reajustes dos planos individuais? “Os reajustes nos planos coletivos, que são a maior parte dos planos de saúde dos brasileiros e não têm o controle da ANS, faz parte do cálculo e têm grande influência no reajuste dos planos individuais. Então não faz sentido um debate sobre preços e reajustes de planos de saúde que não inclua a base do problema, que são os planos coletivos”, defendeu a pesquisadora em saúde do Idec, Ana Carolina Navarrete.

Em resposta às indagações, a ANS reiterou que o objetivo do encontro é proporcionar a participação da sociedade no debate sobre a metodologia de reajuste de planos individuais. “A ANS busca trazer contribuições de toda sociedade nesse momento, para, com esses subsídios, chegar a uma metodologia que traga maior transparência, previsibilidade e objetividade ao método de cálculo do reajuste de planos individuais”, diz a nota enviada à reportagem.

Já sobre o reajuste anual em contratos de planos coletivos empresariais ou por adesão, a ANS diz que como a contratação se dá através de negociação entre duas pessoas jurídicas, com maior poder de barganha do contratante, a ANS não determina o índice máximo de reajuste anual, mas estipula regras para sua aplicação.

Acordo com Ministério do Trabalho permitirá que Correios emitam carteira profissional

Acordo com Ministério do Trabalho permitirá que Correios emitam carteira profissional Foto: Arquivo/Agência Brasil

O Ministério do Trabalho e a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos vão firmar, nos próximos dias, acordo de cooperação técnica para emissão da carteira de trabalho previdência social nas unidades da empresa. Pelo acordo, que foi anunciado nesta segunda-feira (23), o projeto piloto será implantado nos próximos 30 dias no estado de São Paulo.

Leia também
Portaria disciplina emissão de carteira de trabalho para imigrantes

Segundo o secretário executivo substituto do Ministério do Trabalho, Admilson Moreira, a iniciativa tem o objetivo de descentralizar a emissão da carteira de trabalho manual e informatizada e de levar o serviço para mais perto da população. “O propósito da parceria é oferecer um serviço mais ágil e acessível ao trabalhador”, disse Moreira.

De acordo com o ministério, de janeiro a maio deste ano, foram emitidas mais de 2,3 milhões de carteiras de trabalho no país, das quais 580 mil no estado de São Paulo. O serviço de emissão de carteiras está disponível nas unidades ligadas ao Ministério do Trabalho e em unidades descentralizadas espalhadas pelo país, por meio de parcerias com estados e municípios. A rede conta com cerca de 2,1 mil postos de atendimento.

Mendonça Filho (DEM) discursa em Goiana

Mendonça Filho (DEM) discursa em GoianaFoto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Se não reverter a disposição de Josué Alencar (PR) de não ser seu candidato a vice, o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) trabalha inicialmente com outros dois nomes para o posto: Mendonça Filho (DEM) e, com bem menos chances, Aldo Rebelo(Solidariedade).

Alckmin diz a interlocutores que “vice a gente não escolhe“, e deixará a indicação nas mãos dos partidos que embarcaram na sua campanha. Questões regionais acabam pesando, como a composição do PR com o PT em Minas no caso de Josué.

Estava empolgado com a possibilidade de o empresário vir a acompanhá-lo, pelo perfil e também para acenar ao eleitor com memória do pai de JosuéJosé Alencar, vice de Lula por oito anos.

Leia também:
Josué Alencar diz que Alckmin pode escolher outro vice
Quem se habilita a defender Alckmin em Pernambuco?

A relação entre o ex-governador paulista e o chefe da Coteminas é antiga. Já em 2006 Josué participava de encontros de campanha em favor da então candidatura de Alckmin ao Planalto. Ninguém no tucanato acredita ser possível trazer o empresário de volta à chapa, mas ainda haverá reuniões nesta quarta (25) para definir o assunto.

Além do óbvio poder de veto, o tucano já demonstrou algumas preferências entre os nomes ventilados. Mendonça larga na frente pela maior densidade do DEM. Deputado por Pernambuco, ele ocupou o Ministério da Educação no governo Michel Temer. Sob sua gestão foi aprovada a Base Nacional Curricular do Ensino Médio, um trabalho de anos que é elogiado por Alckmin -ainda que a associação o impopular governo ora acabando não favoreça o democrata.

Na argumentação favorável ao DEM, sendo nordestino e de um partido com tradição de capilaridade na região mais avessa ao paulista AlckminMendonça daria um verniz nacional à chapa. Isso, contudo, é visto com reservas por vários estrategistas da campanha tucana. Como diz um, foi-se o tempo que o vice nordestino era um ativo valioso. O mais importante, afirma, é garantir que o titular do posto não tire votos por envolvimento em escândalos, por exemplo.

Por outro lado, a necessidade de nacionalização do nome excessivamente paulista do tucano está na lista de prioridades da pré-campanha. O presidente nacional do DEM, o prefeito ACM Neto (Salvador), deverá ser coordenador da campanha ao lado de Marconi Perillo (PSDB-GO).

Perillo teve o nome bombardeado nos últimos dias por ser rejeitado na disputa ao Senado por Goiás pelo democrata Ronaldo Caiado. Só que a presença do ex-governador goiano na coordenação da campanha já era uma concessão de Alckmin para pacificar seu partido, quando sua campanha patinava há cerca de 50 dias.

Assim, uma solução salomônica para aplacar a resistência do DEM goiano seria a presença de ACM Neto, o que deve ser decidido em breve. Os democratas vendem hoje ter mais interesse em manter o apoio à recondução de Rodrigo Maia (RJ) à presidência da Câmara, mas obviamente estão interessados também na vice.

Voltando ao posto de vice-presidente, Alckmin gosta do nome de Rebelo, que fez carreira no PC do B e tem todos os pontos de destaque de sua carreira ligados ao projeto de poder do PT de Luiz Inácio Lula da Silva. A quem estranha os elogios, alguns estrategistas lembram que isso poderia dar um certo sabor esquerdista à chapa, apesar de Rebelo hoje estar no colo da agremiação de Paulinho da Força.

Outra virtude destacada é sua interlocução no Legislativo, já que foi um articulado presidente da Câmara de 2005 a 2007. É um nome improvável, contudo. O risco da associação com o petismo é muito grande: Rebelo ocupou um ministério de Lula e três de Dilma Rousseff, indo para casa com a chefe após o impeachment de 2016.

Outros nomes poderão ser cogitados pelos aliados. O PP volta e meia cita a senadora Ana Amélia (RS) como uma provável candidata, mas ela tem uma reeleição considerada certa neste ano. Só que a especulação ocorria antes de Alckmin ganhar a musculatura do apoio do chamado Centrão, o que pode mudar a perspectiva.

Sérgio Cabral, ex-governador do Rio de Janeiro

Sérgio Cabral, ex-governador do Rio de JaneiroFoto: Reprodução / Redes Sociais

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (MDB) foi colocado em isolamento nesta terça-feira (24), segundo sua defesa, após uma confusão com um promotor. De acordo com o advogado Rodrigo Roca, que defende o ex-governador, o promotor André Guilherme de Freitas realizava uma diligência em Bangu 8 quando determinou que os detentos da ala de Cabral se perfilassem.

“[Ele] Foi direto à cela do ex-governador, que fica na mesma galeria (ala E) em que estão Wilson Carlos, Felipe Picciani, Edson Albertassi e Paulo Mello. Ao ingressar na ala, limitou-se a dizer: ‘Detentos, todos de cabeça baixa e de frente para a parede’, ao que o ex-governador retrucou ponderando sobre a desnecessidade da medida“, disse o advogado.

Leia também:
Justiça nega transferência de Cabral para batalhão da PM
Eike Batista é condenado a 30 anos de prisão por propina paga a Sérgio Cabral
PCdoB apoiou Cabral para sustentar governos Lula e Dilma, diz pré-candidato do partido ao governo do RJ

Segundo Roca, Freitas neste momento determinou que Cabral fosse para isolamento, onde estava até o início da tarde. O Ministério Público e a Secretaria de Administração Penitenciária não se pronunciaram até a publicação desta reportagem.

Raynéia Gabrielle Lima, de 31 anos, nascida em Vitória de Santo Antão

Raynéia Gabrielle Lima, de 31 anos, nascida em Vitória de Santo AntãoFoto: Reprodução / Facebook

Itamaraty chamou, para consultas, o embaixador brasileiro na Nicarágua, Luís Cláudio Villafañe Gomes Santos. A decisão ocorre após a morte de uma universitária brasileira nesta segunda-feira (23) na capital Manágua. Nesta terça a embaixadora da Nicarágua no Brasil, Lorena Del Carmen, também foi convocada para prestar esclarecimentos. Ela esteve no Itamaraty em reunião com o subsecretário de América Central e Caribe, Paulo Estivallet.

Leia também
‘Ela só queria ir para casa e descansar’, diz mãe de pernambucana morta na Nicarágua
Internautas denunciam pelo Twitter situação política da Nicarágua
Governo brasileiro repudia violência na Nicarágua e cobra explicações
Amiga diz que Raynéia ajudava a tratar feridos em protestos na Nicarágua 

A estudante brasileira Raynéia Gabrielle Lima foi morta, na noite de segunda-feira (23), com um tiro no peito que, segundo o reitor da Universidade Americana (UAM), Ernesto Medina, foi disparado por um “um grupo de paramilitares” no sul da capital Manágua.

Mais cedo, o governo brasileiro já havia manifestado indignação e exigido que autoridades nicaraguenses mobilizem todos os esforços necessários para identificar e punir os responsáveis pelo assassinato da estudante. No texto, o governo ainda condenou “o aprofundamento da repressão, o uso desproporcional e letal da força e o emprego de grupos paramilitares em operações coordenadas pelas equipes de segurança” e repudiou a perseguição a manifestantes, estudantes e defensores dos direitos humanos.

Crise
Nicarágua vive uma crise sociopolítica com manifestações que se intensificaram, desde abril, contra o presidente Daniel Ortegaque se mantém há 11 anos no poder em meio a acusações de abuso corrupção. A repressão aos protestos populares já deixou entre 277 e 351 mortos, de acordo com organizações humanitárias locais e internacionais.

O assassinato da estudante brasileira ocorreu horas depois de Medina participar de um fórum no qual disse que o crescimento econômico e a segurança na Nicarágua antes da explosão dos protestos contra Ortega em abril “era parte de uma farsa” porque “nunca houve um plano que acabasse com a pobreza e a injustiça”.

Em entrevista a uma emissora de TV local, o retior da UAM acrescentou que as forças paramilitares “sentem que têm carta branca, ninguém vai dizer nada a eles, ninguém vai fazer nada. Eles andam sequestrando e fazendo batidas”.

O governo de Daniel Ortega foi acusado pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Acnudh) pelos assassinatos, maus tratos, possíveis atos de tortura e prisões arbitrárias ocorridas em território nicareguense.

Recomendações
Desde o início da crise no país, o Ministério das Relações Exteriores orienta que brasileiros não viajem ao país. Se a viagem for inevitável, o Itamaraty sugere as seguintes recomendações:

– Evite participar e aproximar-se de manifestações;

– Evite deslocamentos desnecessários. Caso seja necessário fazer um deslocamento, esteja acompanhado ou passe por vias com policiamento;

– Manter em dia e válido o passaporte para uma eventual saída emergencial do país;

– Carregue sempre uma cópia do passaporte ou de um documento de identificação válido. Mantenha uma cópia também no correio eletrônico;

– Avise pessoas próximas (parentes e amigos) sobre a localização e meios de comunicação;

– Evite viajar para o interior do país e o deslocamento por estradas para fora da capital, que têm sido bloqueadas por criminosos armados.

Foto: Rodrigo Chadí/Fotoarena/Estadão Conteúdo/Arquivo

O  delator que ajudou a prender um ex-PM e um ex-bombeiro, apontados como autores de um duplo homicídio, foi o mesmo que disse à polícia que a dupla está envolvida na execução da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

A informação é do delegado Willians Batista, da Divisão de Homicídios.

Segundo Batista, o ex-policial Alan Nogueira, conhecido como Cachorro Louco, e o ex-bombeiro Luís Cláudio Barbosa, ambos presos nesta terça-feira (24), serão investigados pelos assassinatos, ocorridos em março e ainda sem solução.

“O caso Marielle está sob sigilo, não está sob minha responsabilidade. Mas essa mesma testemunha que deu início às investigações que culminaram nas duas prisões de hoje, também colocou os dois presos no caso Marielle.

O teor dessa participação, de que forma teriam atuado, ainda está sob investigação. Eles serão ouvidos no caso Marielle e a gente espera que dali também possa surgir uma linha no caso Marielle”, destacou o delegado.

Vereadores em Congresso da UVP

Nesta quinta-feira (26), vereadores e representantes municipais de todo o estado se encontrarão em Gravatá para mais uma edição do Congresso de Vereadores (as) e Servidores (as) de Câmaras Municipais e Prefeituras, promovido pela União de Vereadores de Pernambuco.

Para essa edição, a UVP montou uma programação que atende as necessidades dos participantes e trará renomados conferencistas para debater temas como

“A importância da transparência no combate a corrupção”, “Utilização dos recursos do precatório do FUNDEB pelos municípios”, as “Novas regras eleitorais e a influência de fake news nas eleições de 2018”, “O município no pacto federativo”, dentre outros pontos.

As palestras serão ministradas por representantes do TRE, TJPE e Ministério Público de Contas do Estado, além da participação de lideranças políticas de Pernambuco.

O encontro será realizado de 26 a 29 de julho, no auditório do Hotel Canariu’s, em Gravatá.

Confira a programação completa em anexo e acompanhe o evento através das redes sociais.

PROGRAMAÇÃO CONGRESSO GRAVATÁ 2018

 

Um acidente no quilômetro 67 da BR-232, no município de Gravatá, Agreste de Pernambuco deixou pelo menos uma pessoa morta e outra duas feridas no início da noite desta terça-feira (24).

De acordo com informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), um caminhão-tanque colidiu com um carro momentos antes de chegar ao Túnel Cascavel, na Serra das Russas, que liga alguns municípios do interior do Estado.

Uma motocicleta também se envolveu no acidente, deixando o motorista e o passageiro feridos. O condutor do caminhão não resistiu aos ferimentos e morreu no local. Ainda segundo a PRF, o acidente foi registrado por volta das 18h20.

Nas imagens enviadas por internautas ao WhatsApp do Portal FolhaPE, é possível observar fogo na rodovia, que ficou aproximadamente 1h30 interditada no sentido Recife/interior.

O Corpo de Bombeiros foi acionado e controlou o fogo na estrada, liberada por volta das 19h45. Ainda é cedo para informar o quadro de saúde das outras pessoas envolvidas no acidente.

Armando Monteiro Neto

                        Armando Monteiro Neto Foto: Folha de Pernambuco/Arquivo

O pré-candidato ao governo e senador, Armando Monteiro Neto (PTB), amenizou o mal-estar causado pela carta do deputado federal Bruno Araújo (PSDB), divulgada no último sábado. À Folha de Pernambuco, Armando alega que não houve rompimento entre o PSDB e a frente “Pernambuco Vai Mudar”. Com a proximidade da convenção do grupo, marcada para o dia 4 de agosto, no Classic Hall, o petebista acredita ser “natural” essa manifestação de ruídos “numa frente com tantos partidos”. Se dizendo “otimista” sobre a superação desse episódio, ele reforçou que o palanque sempre esteve aberto para o presidenciável Geraldo Alckmin.

Na carta, Bruno manifesta sua insatisfação com a condução do processo de escolha do segundo candidato ao Senado na oposição, alegando que o seu nome sofreu resistência. “Ficou evidente a dificuldade levantada por esse conjunto em dar seguimento ao meu nome para uma das vagas ao Senado, sob argumentos que me reservo o direito de discordar, pois eram de conhecimento de todos desde nossas primeiras tratativas”, disse o deputado, no documento. As razões, segundo informações de bastidores, se referem à sua ligação direta com o governo do presidente Michel Temer, no qual o tucano ocupou o Ministério das Cidades – até dezembro do ano passado.

Indagado sobre o episódio, Armando afirmou que “a chapa majoritária não está fechada ainda e nem o PSDB saiu da nossa coligação”. “Houve uma manifestação de um certo ruído, mas não é um rompimento. Vamos fazer (a montagem da chapa) de forma tranquila, ouvindo todos os partidos que integram essa frente. É natural que possa ter ruído, quando se tem uma frente com muitos partidos e vai entrando na reta final”, afirmou o senador. “Há opiniões e ponderações que muitas vezes podem desagradar de um lado e cabe a nós, que temos essa responsabilidade, conduzir o grupo a um ponto comum de equilíbrio”, alegou.

Também se levantou, nos bastidores, a possível divergência entre Bruno Araújo e o deputado Daniel Coelho (PPS) – também cogitado para o Senado – como razão para o conflito com o PSDB. O próprio Daniel, entretanto, voltou a dizer que “não é problema e, sim, solução para o conjunto”. “Espero que haja entendimento. Houve um ruído de comunicação, mas entendemos que temos um conjunto consolidado. Vamos chegar a um entendimento próximo. Nunca foi minha intenção (colocar o nome para o Senado). Nunca pleiteei nada. Queremos ajudar o conjunto da oposição. Nossa intenção é ajudar para que a composição seja feita pelo governador”, esclareceu.

Apesar de ter o voto declarado para o ex-presidente Lula (PT), Armando deixou claro que o palanque está aberto para todos os presidenciáveis dos partidos que compõem a Frente. “Nós temos um palanque múltiplo. Grande parte dos partidos já apoia o presidente Alckmin. Vários partidos da nossa frente. Nosso palanque é aberto e estará aberto ao candidato Alckmin. Desde o início ele está aberto”, afirmou o petebista, que esteve junto com Alckmin no dia 22 de junho, em Caruaru, na presença da prefeita Raquel Lyra (PSDB).