Monthly Archives: outubro 2018

Deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS)

Deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS)Foto: Alex Ferreira/Câmara dos Deputados

Anunciado pelo candidato Jair Bolsonaro (PSL-RJ) como o seu ministro-chefe da Casa Civil caso vença as eleições presidenciais no dia 28, o deputado federal Onyx Lorenzoni(DEM-RS) admitiu no ano passado ter recebido R$ 100 mil em caixa dois da empresa de carnes JBS

Em entrevistas à imprensa em maio de 2017, Lorenzoniargumentou que o dinheiro foi usado para quitar gastos de campanha de 2014, mas concordou que deveria “pagar pelo erro”. O ministro da Casa Civil é responsável pelas articulações entre Palácio do Planalto e Congresso Nacional.

O pagamento para Lorenzoni consta de um procedimento amplo, que envolve vários políticos, classificado como “petição” aberta no STF (Supremo Tribunal Federal) a pedido a PGR (Procuradoria Geral da República) em maio do ano passado a partir do acordo de delação premiada fechado com donos e executivos da JBS.

A reportagem apurou que, passados 15 meses da admissão de culpa do parlamentar, nenhum inquérito foi aberto e ele não foi responsabilizado de nenhuma maneira.
Em maio deste ano, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge pediu ao STF que desmembrasse a parte da delação que trata de pagamentos “via caixa dois, por meio de entrega direta de dinheiro ou mediante notas fiscais ‘frias’ a diversos políticos nos anos de 2006 a 2014”, entre os quais se encontra o caso de Lorenzoni. Mas não se sabe o rumo que a investigação tomará ou mesmo se o deputado de fato será investigado.

O parlamentar foi citado na delação fechada pelos executivos da JBS com a PGR e homologada pelo STF em maio de 2017. O colaborador Ricardo Saud, ex-diretor de relações institucionais da JBS, apresentou à PGR uma longa lista de parlamentares que, segundo ele, receberam recursos via caixa dois eleitoral.

Saud disse que Lorenzoni e outros dois deputados do Rio Grande do Sul receberam o dinheiro por meio de um empresário do mesmo ramo de atividades da JBS, Antonio Jorge Camardelli, que é presidente da Abiec (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne).

“Deputado federal Onyx Lorenzoni – todos candidatos à reeleição- do DEM do Rio Grande do Sul, [R$] 200 mil em espécie no dia 12 de setembro de 2014, entregue no Rio Grande do Sul pelo Camardelli também”, disse Saud no depoimento gravado em vídeo pela PGR.

Quando a delação de Saud veio a público, Lorenzoni concedeu diversas entrevistas em Porto Alegre (RS) nas quais admitiu ter recebido o caixa dois, embora em valor inferior ao delatado. “Eu vou para a frente do Ministério Público [dizer], ‘sim, recebi os valores’. 

“Na minha contabilidade o valor é menor, não são os 200 mil. Eu tenho para mim que foram cem mil reais. De qualquer maneira isso é irrelevante. O que é importante é dizer aos gaúchos é que um, vamos assumir essa responsabilidade. E dois, eu vou poder continuar dizendo para os meus eleitores, ‘eu não minto'”, disse Onyx em entrevista coletiva à imprensa do Rio Grande no Sul em maio de 2017.

Na prestação de contas entregue por Lorenzoni à Justiça Eleitoral naquela campanha, não há nenhum recurso declarado da JBS ou de Camardelli. Na campanha toda, segundo o deputado, ele arrecadou R$ 2 milhões. Nas entrevistas, Lorenzoni disse que Camardelli foi apenas um intermediário, “apenas me prestou um auxílio, no sentido de me alcançar [R$] 100 mil, foi o recurso que recebi”.

Outro lado
Procurado nesta segunda-feira (15) pela reportagem para falar sobre o assunto, Lorenzoni não foi localizado. Camardelli, procurado por meio da assessoria da Abeic, não havia se manifestado até as 20h.

No ano passado, Lorenzoni disse em entrevista à Rádio Bandeirantes de Porto Alegre que teve o “cuidado de perguntar a ele [Camardelli] se esses recursos eram de origem ilícita. Ele disse que era de uma associada nossa, não há nenhuma dúvida de que esse dinheiro tenha origem limpa. E, bom, final de campanha, reta final, a gente cheio de compromissos de fornecedores, pessoas. Eu usei o dinheiro. E a legislação brasileira não te permite fazer a internalização desse recurso”. O deputado disse ainda que pedia “desculpas aos eleitores do Rio Grande do Sul que confiam em mim pelo erro que eu cometi”.

Antes do caso da JBS, Lorenzoni já havia sido citado no acordo da empreiteira Odebrecht como tendo recebido R$ 175 mil de caixa dois, segundo depoimento do delator Alexandrino Ramos de Alencar. Nesse caso, contudo, Lorenzoni nega o recebimento. Em junho passado, o STF arquivou o inquérito a pedido da PGR por falta de provas.

“No meu caso, quero reafirmar, nem a quadrilha do Lula, nem a quadrilha da Odebrecht nem a JBS fizeram qualquer correlação com corrupção. Inclusive o próprio delator diz, perguntado pelo investigador, ouvi agora à tarde, ‘teve alguma contrapartida? Não, a contrapartida alguma, foi apenas para a eleição’. É um erro? É um erro, e eu tenho que pagar pelo erro”, disse o parlamentar na entrevista de 2017.

Ciro Gomes

                             Ciro Gomes Foto: Daniel Ramalho/AFP

Terceiro colocado na disputa presidencial deste ano, Ciro Gomes, do PDT, não pretende reafirmar apoio à candidatura de Fernando Haddad, do PT, no segundo turno. Em conversas reservadas, ele tem dito que já fez o aceno que deveria ter feito e que continuará se posicionado nas redes sociais contra o candidato Jair Bolsonaro, do PSL.

Na Itália, para onde viajou após o primeiro turno, ele não avisou ao seu grupo político quando retornará. Segundo relato de aliado, ele disse apenas que estará no Ceará no dia 28, no segundo turno presidencial. Nesta segunda-feira (15), o coordenador da campanha petista, senador eleito Jaques Wagner (PT-BA), disse que espera um apoio mais contundente a Haddad por parte de Ciro.

“Alguém me disse que ele voltaria antes e anunciaria o apoio mais contundente”, afirmou. No Ceará, no entanto, o senador eleito Cid Gomes (PDT), irmão de Ciro, já informou que fará campanha para Haddad, ao lado do governador reeleito Camilo Santana, do PT.

João Campos (PSB) está entre cinco deputados eleitos com maior número de votos próprios no Brasil. Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) encabeça a lista

João Campos (PSB) está entre cinco deputados eleitos com maior número de votos próprios no Brasil. Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) encabeça a listaFoto: Rodolfo Loepert/Divulgação

A quantidade de eleitos e reeleitos que não precisaram dos votos da legenda partidária ou da coligação para atingir o objetivo eleitoral diminuiu em 2018 na comparação com as duas últimas eleições. Este ano, segundo o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), foram 27 os que tiveram êxito nas urnas nessas condições, enquanto em 2014 foram 35, queda de, aproximadamente, 22,8%. Os eleitos com voto próprio em 2010 alcançaram 36.

Na lista dos mais votados, 19 são novatos. Nesse grupo há quatro mulheres e 15 homens. Entre os oito reeleitos, todos também são homens. Com votação expressiva esse grupo também ajudou outros nomes de suas coligações a entrarem naCâmara Federal.

Se não houver mudança na legislação, esta foi a última eleição em que as coligações são permitidas para as eleições proporcionais – deputado federal e estadual, além de vereador, cuja vaga é disputada em eleições municipais. Isso porque o Congresso aprovou no ano passado a Emenda Constitucional (EC) 97/17 proibindo este tipo de aliança a partir de 2020.

Partidos

Ainda segundo o Diap, entre os eleitos com votos próprios em 2018, um terço (9), são de partidos de esquerda, centro-esquerda e centro. São três do PTtrês do PSBum do PV; um do PSOL; e um do PROS. Os outros dois terços (18) são de centro-direita e direita. São sete do PSLtrês do PSDdois do PR; e um, respectivamente, do PSC, do PRB, do Avante; do DEM; do Novo; e do PMN.

maioria, nesse segundo grupo, é de policiais, líderes evangélicos, parentes de políticos ou líderes de movimentos liberais como o Movimento Brasil Livre (MBL). “[Eles] Foram eleitos na esteira do que está se convencionando chamar de bolsonarismo, que surpreendeu a todos na reta final da campanha, que se encerrou no último dia 7 de outubro” avaliam os analistas do Diap.

Mais votado

Em números absolutos, o campeão nacional é o deputado federal reeleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que obteve 1.843.735 votos. Filho do candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL), o deputado é escrivão da Polícia Federal e vai assumir seu segundo mandato.

No quesito proporcionalidade, o grande campeão de votos é o estreante João Campos. Filho do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos e bisneto do ex-governador Miguel Arraes. Campos, com apenas 23 anos, recebeu 10,63% dos votos válidos. Foram 460.387 votos.

Saiba quem são os eleitos com votos próprios em 2018
1) Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) – 1.843.735 – reeleito – escrivão de polícia federal

2) Joice Hasselmamm (PSL-SP) – 1.078.666 J – primeira eleição – jornalista

3) Celso Russomano (PR-SP) – 521.728 – reeleito – bacharel em direito, jornalista e empresário

4) Kim Kataguiri (DEM-SP) – 465.310 – primeira eleição – ativista digital e conferencista

5) João Campos (PSB-PE) – 460.387 – primeira eleição – engenheiro

6) Tiririca (PR-SP) – 453.855 reeleito – artista circense e humorista

7) Marcel Van Hattem (Novo-RS) – 349.855 – primeira eleição – cientista político e jornalista

8) Helio Fernando Barbosa Lopes (PSL-RJ) – 345.234 – primeira eleição – subtenente do Exército

9) Marcelo Freixo (PSol) – 342.491 – primeira eleição – professor

10) Pastor Sargento Isidório (Avante-BA) – 323.264 – primeira eleição – PM e técnico em enfermagem

11) Sargento Fahur (PSD-PR) – 314.963 – primeira eleição – PM (Rotam)

12) Capitão Wagner (Pros-CE) – 303.593 – primeira eleição – PM

13) Delegado Waldir (PSL-GO) – 274.406 – reeleito – delegado de polícia civil

14) Felipe Francischini (PSL-PR) – 241.537 – primeira eleição – advogado

15) Marcelo Álvaro Antônio (PSL-MG) – 230.008 – reeleito – empresário

16) Alessandro Molon (PSB-RJ) – 227.914 – reeleito – advogado e professor universitário

17) Gleisi Hoffmann (PT-PR) – 212.513 – primeira eleição – advogada

18) Celio Studart (PV-CE) – 208.854 – primeira eleição – advogado

19) Carlos Jordy (PSL-RJ) – 204.048 – primeira eleição – servidor público federal

20) Flordelis (PSD-RJ) – 196.959 – primeira eleição – administradora

21) Josimar Maranhãozinho (PR-MA) – 195.768 – primeira eleição – empresário

22) Reginaldo Lopes (PT-MG) – 194.332 – reeleito – economista

23) Marília Arraes (PT-PE) – 193.108 – primeira eleição – advogada

24) Eduardo Braide (PMN-MA) – 189.843- primeira eleição – advogado

25) Otto Alencar Filho (PSD-BA) – 185.428 – primeira eleição – administrador

26) JHC (PSB-AL) – 178.645 – reeleito – empresário

27) André Ferreira (PSC-PE) – 175.834 – primeira eleição – bacharel em turismo

Bolsonaro e Haddad disputam o segundo turno

Bolsonaro e Haddad disputam o segundo turnoFoto: Miguel Schincariol; Daniel Ramalho / AFP

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, abriu 18 pontos de diferença do seu adversário Fernando Haddad (PT). Segundo pesquisa Ibope divulgada na noite desta segunda-feira, o deputado tem 59% dos votos válidos e Haddad, 41%.

A contagem, que exclui brancos, nulos e indecisos como a Justiça Eleitoral faz no dia da eleição, confirma a onda conservadora que quase deu a vitória em primeiro turno ao presidenciável do PSL. No primeiro turno, Bolsonaro teve 46% dos votos válidos e Haddad, 29%.

A sondagem do Ibope, de âmbito nacional, ouviu 2.506 eleitores entre os dias 13 e 14 de outubro. A margem de erro da pesquisa, contratada pela TV Globo e pelo jornal O Estado de São Paulo, é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, e o levantamento tem o registro BR01112/2018 no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O intervalo de confiança é de 95%.

Jair Bolsonaro (PSL)

                    Jair Bolsonaro (PSL)Foto: Mauro Pimentel / AFP

Os recursos escassos, a estética e as constantes contradiçõesde Jair Bolsonaro (PSL) e seus aliados podem levar à impressão de que a estratégia de comunicação do candidato é amadora. Contudo, segundo o antropólogo Piero Leirner, professor da Universidade Federal de São Carlos que estuda instituições militares há quase 30 anos, a comunicação de Bolsonaro tem se valido de métodos avançados de estratégias militares, manejados de maneira “muito inteligente”.

“Não se trata exatamente de uma campanha de propaganda; é muito mais uma estratégia de criptografia e controle de categorias, através de um conjunto de informações dissonantes”, diz Leirner. “É parte do que tem sido chamado de ‘guerra híbrida’: um conjunto de ataques informacionais que usa instrumentos não convencionais, como as redes sociais, para fabricar operações psicológicas com grande poder ofensivo, capazes de ‘dobrar a partir de baixo’ a assimetria existente em relação ao poder constituído”.

No novo paradigma político descrito por Leirner, gestado em guerras “assimétricas” como a do Vietnã –nas quais os poderes e táticas militares são muito discrepantes entre os adversários– e colocado em prática nas “primaveras” do Oriente Médio, as redes sociais têm papel central. A cúpula bolsonarista conta com a participação de diversos membros das Forças Armadas, que tiveram contato com essas doutrinas.

Há diversos recursos de “guerra híbrida” identificáveis na campanha bolsonarista com a participação de seus eleitores: a disseminação de fake news e as contradições (chamadas por Bolsonaro de “caneladas”) entre as figuras de proa da campanha são alguns deles. As divergências entre o presidenciável e o vice, general Hamilton Mourão (PRTB), sobre o 13º salário, e também entre ele e o economista Paulo Guedes sobre a criação de imposto aos moldes da CPMF, são ilustrativas desse vaivém que, ao fim, gera dividendos políticos para Bolsonaro.

“Esses movimentos criam um ambiente de dissonância cognitiva: as pessoas, as instituições e a imprensa ficam desnorteados. Mas, no fim das contas, Bolsonaro reaparece como elemento de restauração da ordem“, analisa. Nesse ambiente de dissonância, a troca de informações passa a ser filtrada pelo critério da confiança. As pessoas confiam naqueles que elas conhecem. Nesse universo, então, as pessoas funcionam como “estações de repetição”: fazem circular as informações em diversas redes de pessoas conhecidas, liberando o próprio Bolsonaro de produzir conteúdo.

“Ele aparece só no momento seguinte, transportando seu carisma diretamente para as pessoas que realizaram o trabalho de repetição. As pessoas ficam com uma sensação de empoderamento. O resultado é a construção da ideia de um candidato humilde, que enfrenta os poderosos, que é ‘antissistema’“, diz. Esses poderosos contra os quais se voltam Bolsonaro e seus seguidores são justamente os agentes que transmitem as informações de maneira vertical, como políticos, imprensa, instituições, que são lançados ao descrédito.

Concorrentes como o tucano Geraldo Alckmin e o petista Fernando Haddad sofrem para atingir o eleitorado com ferramentas clássicas de propaganda. Alckmin atacou o capitão reformado no primeiro turno sem resultado. Haddad resistiu aos ataques no começo, mas depois partiu para o que chama de “desconstrução”, também sem efeito.

O antropólogo diz estar preocupado com a contaminação dos militares pelo universo político: “O que me pergunto é se o pessoal da ativa está preparado para perceber que um pedaço desse ‘caos’ está saindo de uma força política que se juntou com alguns dos seus ex-quadros. A instituição militar diz: ‘obedecemos a Constituição e nos autocontemos’. Invadir esse poder com a ‘política’ não é boa ideia”.

Diário de Pernambuco

Nem sempre é fácil escapar de uma ilha ou chegar até ela. Nadar em águas desconhecidas, diferentes das do Nordeste, será o maior desafio do presidenciável Fernando Haddad (PT) no segundo turno das eleições para vencer o adversário, Jair Bolsonaro (PSL).

A região nordestina blindou o candidato do PT na primeira etapa da disputa presidencial, mas Haddad precisa ampliar, ou manter o apoio dos eleitores dessa localidade, e ganhar terreno em outras regiões do país, especialmente no Sudeste. O petista está cercado no Nordeste. Na última pesquisa do Datafolha, ele obteve 62% de intenções dos votos válidos entre os nordestinos, contra 38% do oponente.

Mas, e as outras regiões do país? “É uma missão hercúlea para Haddad”, disse o cientista político Ernani Carvalho, referindo-se ao semideus da cultura greco-romana, Hércules, que recebeu a missão de enfrentar 12 desafios considerados impossíveis para alcançar a expiação. Ernani é doutor em ciência política pela Universidade de São Paulo e professor-associado I do departamento de ciência política da Universidade Federal de Pernambuco, onde exerce a função de pró-reitor de pesquisa e pós-graduação.

Segundo Ernani, embora Haddad seja favorito entre os nordestinos, Bolsonaro venceu em cinco capitais da região – Maceió, João Pessoa, Recife, Natal, Aracaju – e o petista não terá a mesma estrutura de campanha do primeiro turno, porque os governadores que o apoiavam nesse espaço venceram.

“A falta de palanque e desmobilização dos governadores nordestinos pode pesar negativamente. Os governadores eleitos já estão no segundo passo, para compor suas equipes. Há estudos que mostram, olhando eleições brasileiras passadas, que os candidatos que vencem o primeiro turno com 45% dos votos e uma diferença de pelo menos 15% do adversário conseguiram vencer em 95% dos casos no segundo turno”. Portanto, vencer Bolsonaro, para Haddad, será um evento histórico. “Ele não pode errar”, diz.

De acordo com o senador Humberto Costa (PT), líder da oposição no Senado, apesar das dificuldades, Haddad vai concentrar a campanha em entrevistas e debates e visitar regiões e estados onde teve o desempenho mais fragilizado. O Ceará, por exemplo, será um dos locais a ser visitado, uma vez que os cearenses deram vitória a Ciro Gomes (PDT) no primeiro turno, e Haddad teve lá 33,12% dos votos.

“A prioridade no discurso do PT de usar de acusação de fascismo permanece sendo a alternativa. Mas é preciso mobilizar outra dimensão. Essa não é uma eleição de projetos. Está ancorada na psicologia política, ancorada em gostar e não gostar, ancorada entre amor e ódio, ancorada em emoção e não razão. A estratégia não é combater os chamados bolsonaristas, mas envolver parte desse eleitorado ou indecisos com mensagens que beirem um elemento construtivo no campo psicológico”, aposta Ernani.

Embora Bolsonaro tenha adotado estratégias para vencer no Nordeste, como agradecer o voto dos eleitores, prometer manter o Bolsa Família e acrescentar a eles o 13º salário, a região tem sido reduto nas eleições presidenciais para o PT desde 2006, na reeleição de Lula. Uma virada do militar reformado nessa localidade também seria histórica.

Para isso, Bolsonaro conta com o apoio, especialmente, das igrejas evangélicas pentecostais e explora o estereótipo do “cabra macho” nordestino. “Atenção, povo do Nordeste! Haddad criou o kit gay”, disse o militar da reserva em entrevista ao programa Pânico, da rádio Jovem Pan FM. Bolsonaro vem explorando o material didático que seria apresentado no governo Dilma para combater a violência contra a população LGBT – o Brasil é o país que mais mata travestis.

Na época, o governo petista recuou por conta dos congressistas conservadores, mas o “kit gay”, divulgado por Bolsonaro numa entrevista à Rede Globo e que provocou polêmica, não é o mesmo do que seria apresentado no projeto Escola sem Homofobia, de acordo com o jornal El país.

O músico Almir Antoniel Silva, conhecido como Almir de Neto, morreu em um trágico acidente de moto na PE 320  entre as cidades de Carnaíba e Afogados da Ingazeira, nas proximidades de acesso do Povoado de Roça de Dentro por volta das 16h deste domingo.

De acordo com informações do blog do Cauê Rodrigues, a vítima seguia em uma motocicleta CB 500 cc, de cor branca, de placa PDS 3174, no sentido Afogados-Carnaíba, quando colidiu na traseira de um reboque.

Ele ainda perdeu o controle da moto e faleceu no local. Almir era um dos três filhos de Neto e Aparecida, da Oficina Neto Motos Três Irmãos.

Também era membro da centenária Banda Filarmônica Santo Antônio e completaria 30 anos no próximo dia 06 de novembro. O policiamento e o Corpo de Bombeiros foram acionados.

Fernando Haddad

                       Fernando Haddad Foto: Reprodução/Facebook

No primeiro programa do horário eleitoral gratuito no segundo turno, exibido nesta sexta-feira (12), a campanha de Fernando Haddad (PT) explorou os recentes episódios de violência motivados por divergência política. Segundo o programa, apoiadores de Jair Bolsonaro realizaram nos últimos dias pelo menos 50 agressões por “motivos fúteis” contra pessoas que declaram não votar no candidato do PSL. 

Um dos casos mencionados foi o assassinato do mestre de capoeira Moa do Katendê, ocorrido na noite do dia 7 de outubro, em Salvador. O artista levou 12 facadas de um homem em um bar após uma discussão entre os dois por causa da discordância entre ambos na escolha do candidato a presidente.

Na sequência, a campanha do petista defendeu que a democracia está em risco com a possibilidade de eleição de Bolsonaro. Para campanha de Haddad, o segundo turno que deveria ter um debate de propostas foi transformado em uma “onda de violência e intolerância”. Foram exibidos ainda depoimentos de pessoas que dizem amedrontadas pela escalada de violência e o crescimento do ódio. 

Haddad falou em defesa da preservação de direitos e de como enfrentar o desafio da geração de empregos e garantia de comida na mesa. Ele propõe a criação do programa “Meu emprego de novo” para estimular contratações a partir da retomada de obras públicas paradas. O candidato aponta que é melhor o povo com um livro não mão do que com armas.

Em outro ponto, o programa também destacou o currículo do petista, que é doutor em filosofia, mestre em economia e professor universitário, recordando suas realizações como ministro da Educação. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aparece numa breve passagem, ao lado de Haddad, fazendo uma declaração de elogio ao seu ex-ministro.

Frequentadores de bar em São Paulo acompanham programa eleitoral de Haddad e Bolsonaro na TV

Frequentadores de bar em São Paulo acompanham programa eleitoral de Haddad e Bolsonaro na TVFoto: Miguel Schincariol/AFP

Os dois candidatos à Presidência tentaram, em seus primeiros programas eleitorais de segundo turno exibidos na televisão, nesta sexta-feira (12), reduzir os pontos que levam os eleitores a rejeitá-los. Jair Bolsonaro (PSL), que busca o eleitorado femininochorou ao falar de sua filha caçula, Laura, a primeira após ser pai de quatro filhos.

O candidato reutilizou um vídeo que já havia publicado na internet sobre como decidiu que iria tentar a paternidade novamente: afirma que decidiu desfazer uma vasectomia. “Mudou muito a minha vida a chegada da Laura“, afirmou, antes de aparecer em vídeo brincando e pedindo o beijo da filha. Em 2017, o deputado fez piada com o nascimento da menina, dizendo que havia fraquejado e veio uma mulher.

Enquanto isso, Fernando Haddad (PT) apostou suas fichas em conquistar o apoio do eleitor antipetista. Falando em direção ao vídeo, disse que sua “campanha não é de um partido, é de todos os que querem mudar o país”. Pediu o voto de “todos que são a favor da democracia“. Ambas as campanhas dos presidenciáveis também tentaram colar no outro uma imagem negativa.

Enquanto o programa de Bolsonaro aponta para o risco de “venezualização” do Brasil com a volta do PT ao poder, o de Haddad relaciona o adversário à violência.
Bolsonaro divulgou uma fala de Lula que faz referência à criação de confiança para que os partidos de esquerda cheguem ao poder na América Latina. Diz que o vermelho, cor usada pelo PT, é um ” um sinal de alerta para o que não queremos no país”.

Já na campanha petista são exibidas cenas em que Bolsonaro faz referência a armas com os dedos e o episódio em que ele ele disse que ia “fuzilar a petralhada” no Acre. Pela primeira vez, Haddad usou uma apresentadora para fazer críticas e propostas -como acontecia no programa de Geraldo Alckmin (PSDB). Também mudou o jingle anterior, que era associado ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e prometia “o Brasil feliz de novo“.

novo jingle pede “todos pelo Brasil“. Lula aparece brevemente na propaganda, dizendo que “ninguém fez mais pela educação do que Haddad“. O candidato foi ministro da Educação nos governos do PT. Bolsonaro ficou com 46% dos votos válidos no primeiro turno, contra 29% de Haddad. De acordo com o Datafolha divulgado nesta quarta (10), o capitão reformado tem 58% dos votos válidos para o segundo turno, contra 42% do petista.

Bolsonaro e Haddad disputam o segundo turno

Bolsonaro e Haddad disputam o segundo turnoFoto: Miguel Schincariol; Daniel Ramalho / AFP

Em uma eleição polarizada como a se desenhou neste segundo turno, surgem dois planos de governo antagônicos, que se transformaram no centro da discussão política entre os eleitores que voltarão às urnas em 28 de outubro. Na educação, os candidatos Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL) fazem promessas diferentes entre si. 

O petista, além de afirmar que irá revogar as reformas feitas pelo governo Temer, promete que a educação voltará a ser prioridade estratégica do País, da creche à pós-graduação. No plano de governo do pesselista, por sua vez, a educação passará a ter ênfase na infantil, básica e técnica, “sem doutrinação”.

Em um eventual governo Haddad, o ensino médio terá uma maior participação da gestão federal. As escolas serão transformadas em espaços de investigação e criação cultural, bem como polos de conhecimento, esporte e lazer. As matrículas nos ensinos superior, técnico e profissional serão expandidas. Citando a educação como “um dos principais meios de acesso à cultura […] e um instrumento poderoso de desenvolvimento econômico e social”, Haddad promete adotar uma série de políticas públicas integradas, complementares e articuladas, como feito nos governos Lula e Dilma.

Além disso, Haddad promete investir 10% do PIB em educação; aumentar vagas em creches; ampliar a educação em tempo integral, especialmente em áreas de vulnerabilidade social; retirar “imposições obscurantistas” da Base Nacional Comum Curricular”; criar a “Escola com Ciência e Cultura” em contraponto à “Escola sem Partido”; e retomar investimentos na educação do campo, indígena e quilombola.

Já o plano de governo de Bolsonaro se mostra como um grande discurso contra os governos de esquerda, especialmente os do PT. Seu projeto prevê “fazer muito mais com os atuais recursos” destinados à educação. A educação básica e os ensinos médio e técnico serão a prioridade inicial de um eventual governo.

Bolsonaro também pretende mudar a metodologia escolar para “expurgar a ideologia de Paulo Freire” e “instalar mais disciplina” nas escolas. A educação a distância será “vista como um importante instrumento” e deverá ser considerada como uma alternativa para áreas rurais. O ensino da matemática, da língua portuguesa e das ciências deverá ser ampliado “sem doutrinação e sexualização precoce”.

Outros pontos de destaque do plano de governo de Bolsonaro na educação são a fomentação do empreendedorismo nas faculdades e a transformação do Brasil em um centro mundial de pesquisa e desenvolvimento de grafeno e nióbio. Por fim, o candidato promete instalar em um intervalo de dois anos um colégio militar em todas as capitais de estado.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) lançou nesta quinta-feira (11) uma página para ajudar a esclarecer os eleitores sobre informações falsas que circulam nas redes sociais sobre o processo eleitoral brasileiro.

Além de desmentir os boatos, o tribunal apresenta links de agências de checagem de notícias sobre o assunto, alertando para os riscos da desinformação. Veja a página.

Até a tarde desta sexta, a página contava com cinco boatos desmentidos. Entre eles, estão o de que 7,2 milhões de votos foram anulados pelas urnas e o de que a urna autocompleta o voto para presidente quando o eleitor seleciona a tecla “1”. As duas informações não são verdadeiras, como reportagens do Fato ou Fake, a seção de checagem de informações falsas do Grupo Globo, já haviam mostrado.

O TSE afirma que encaminha todos os relatos de irregularidades que chegam ao seu conhecimento para verificação por parte de órgãos de investigação, como o Ministério Público Eleitoral e a Polícia Federal. O objetivo é garantir a verificação de eventuais atos ilícitos e responsabilizar quem difunde conteúdo falso.

Ainda de acordo com o tribunal, até o momento, nenhuma ocorrência de violação à segurança do processo de votação ou de apuração realizado durante as eleições de 2018 foi confirmada ou comprovada.

O Facebook disse, nesta sexta-feira (12), que os hackers responsáveis por um ataque à rede social descoberto em setembro tiveram acesso às contas de cerca de 29 milhões de pessoas e roubaram nome e detalhes de contato dos usuários.

Para checar se sua conta foi afetada acesse a Central de Ajuda do Facebook (disponível somente em inglês).

A empresa informou no dia 28 de setembro que os hackers haviam roubado códigos de acesso digital, permitindo o acesso a quase 50 milhões de contas de usuários, mas não confirmou, na época, se as informações haviam sido realmente roubadas.

Em nota, a empresa disse que, em 15 milhões de contas, os invasores acessaram nomes e detalhes de contato (incluindo número de telefone, e-mail ou ambos), dependendo do que os indivíduos tinham em seus perfis.

Em outras 14 milhões de contas, os hackers também acessaram outros detalhes, incluindo nome de usuário, gênero, localidade/idioma, status de relacionamento, religião, cidade natal, data de nascimento, dispositivos usados ​​para acessar o Facebook, educação, trabalho e os últimos 10 locais onde estiveram ou em que foram marcados.

Nos próximos dias, o Facebook irá enviar mensagens customizadas a cada uma das quase 30 milhões de pessoas afetadas para explicar quais informações os invasores podem ter acessado, bem como medidas que elas podem tomar para ajudar a se proteger, incluindo de e-mails maliciosos, mensagens de texto ou chamadas telefônicas.

O vereador e candidato a deputado estadual mais votado de São José do Egito, nas eleições de 7 de outubro, Rona Leite (PT), repudiou a decisão do deputado federal eleito André Ferreira, de apoiar a candidatura de Jair Bolsonaro a presidente da república, no segundo turno.

André Ferreira teve o apoio do presidente do PT e ex-prefeito de São José do Egito, Romério Guimaraes e dos vereadores Alberto de Zé Loló e Aldo da Clips ,obtendo 2.149 votos no município.

Para Rona Leite, o deputado André Ferreira “deve uma explicação aos companheiros do PT que o apoiaram, pois o pais inteiro sabe que o Partido dos Trabalhadores apoia o candidato Fernando Hadadd”.

A decisão de Romério e seu grupo de apoiar Ferreira já havia levantado questionamentos de nomes que acompanharam a movimentação do petista em defesa de Marília Arraes. Imaginava-se como natural que recebesse seu apoio a Federal.