O ex ministro Henrique Meirelles (MDB)

                  O ex ministro Henrique Meirelles (MDB)Foto: Divulgação

O programa de governo de Fernando Haddad (PT) para a economia é voltar à recessão, enquanto o de Jair Bolsonaro(PSL) é incompreensível, segundo a opinião de Henrique Meirelles, candidato do MDB à Presidência derrotado no domingo (7).

Em sua primeira entrevista após conhecer o resultado das urnas, que deram a ele 1,20% dos votos, o emedebista afirma que não apoiará nenhum dos dois candidatos no segundo turnoenquanto suas propostas econômicas permanecerem como estão.

Da mesma maneira, Meirelles, que foi convidado para ser ex-presidente do Banco Central nos governos Lula e ministro da Fazenda no governo Michel Temer, também não aceitará participar de governos com cujas ideias não concorde.

Em uma possível futura tentativa de concorrer, Meirelles diz que vai considerar “tudo”, inclusive avaliar o papel que o MDB, partido do impopular presidente Temer, teve em sua candidatura.

Ele diz que está “em paz” e planeja criar um canal de informação digital para aglutinar propostas para o Brasil. 

Quem é o culpado pela polarização desta eleição entre Haddad e Bolsonaro, que prejudicou a votação de todos os outros candidatos, inclusive o sr.?

Meirelles – Há uma série de fatores. Teve a crise econômica, que levou à maior recessão da história e as pessoas tiveram uma visão muito negativa da realidade. Saímos da recessão [na minha gestão no ministério da Fazenda], mas não houve tempo para a população perceber, então continuou com aquela sensação e logo vieram as incertezas eleitorais. Quando eu estive no Banco Central por oito anos, houve um tempo para que a economia melhorasse e as pessoas percebessem o bem-estar. Outro fator é o descrédito com a classe política por toda a revelação de recursos desviados. A Lava Jato fez um belo trabalho mas deixou a indignação. Isso já tinha se manifestado nos protestos de 2013, quando o detonador foi o preço de passagem de ônibus, mas na realidade expressava um problema difuso da sociedade. Nesse clima, nós entramos em uma eleição tendo um candidato de direita e um de esquerda com seus componentes que levaram à passionalidade. De um lado, o esfaqueamento do Bolsonaro e de outro, a prisão do Lula. A conjunção desses fatores causou a polarização que, principalmente no fim da campanha, levou as pessoas a deixarem de votar no candidato que achava o melhor. Aí nós tivemos esse resultado e estamos vivendo o segundo turno nesse clima.

Quando o mercado reage bem à escalada de Bolsonaro nas pesquisas, ele alimenta a polarização? 

Meirelles – O mercado não é um ente político. É uma definição de preços por pessoas que estão comprando e vendendo títulos. 

Mas ele funciona como um componente da eleição? O nome do senhor, por exemplo, se tivesse crescido no início da campanha poderia ter agradado e trazido confiança ao mercado?

Meirelles – Certamente. É verdade, existe esse componente. O mercado é formado por pessoas que compram e vendem títulos em função do que acham que vai subir de preço. Tem um efeito político, mas a motivação inicial é a da formação de preço. Se o mercado se preocupa com um lado, favorece o outro.

O mercado já escolheu Bolsonaro. Ainda dá tempo de Haddad ajustar o programa de governo e fazer um aceno como fez Lula em 2002 ao escrever a carta ao povo brasileiro e depois nomear o sr.?

Meirelles – Sim, desde que viesse a fazer isso. Em 2002, o Lula fez a carta aos brasileiros em maio. Não sei o que o PT vai fazer. Não estou participando das reuniões do PT, assim como não estou participando das do Bolsonaro. Vamos aguardar.

O senhor já fez críticas duras aos programas de governo dos dois candidatos. O que mais incomoda em cada um?

Meirelles – O grande problema do programa do PT é se propor a desfazer exatamente aquilo que permitiu que a economia brasileira se recuperasse da crise. Ele reforça aquela linha de ação que levou à crise, ou seja, resgata o feito pela Dilma. É um caminho que claramente leva a uma recessão econômica. Ele propõe, e isso é só um exemplo, eliminar o teto de gastos, que foi fundamental para resgatar a confiança. A dívida pública estava insustentável, e as despesas crescendo. Então nós colocamos um teto para dar uma sinalização clara, colocar um limite prático e objetivo, mudando a maneira até de funcionamento do Congresso, em que cada parlamentar tinha um projeto para apresentar que custava determinado quantidades de recurso e ele passou a ter que olhar e tirar de um lado para colocar definindo prioridades. Foi uma mudança fundamental na discussão orçamentária do Brasil. Passamos a discutir prioridade. O que o PT propõe é voltar para trás. É gastar o que seja o desejo que prevalece entre os congressistas e o executivo. E isso leva ao aumento de juros, da inflação e do risco.

E o programa de Bolsonaro?

Meirelles – Ele nunca colocou com clareza o programa econômico dele. Anunciou um assessor econômico [Paulo Guedes] que tem dito algumas coisas que ele mesmo tem contrariado. Ele desmentiu e depois prestigiou o assessor. Mas eu não sei o que vai prevalecer no governo de Bolsonaro.

Ele já andou anunciando nomes da equipe dele nesta terça. O que o senhor achou?

Meirelles – São nomes ventilados. Não significa que fulano de tal foi convidado e aceitou fazer parte do governo. 

O senhor já atuou em governo do PT. O sr. aceitaria um convite para atuar em um governo de Haddad ou Bolsonaro?

Meirelles – Em primeiro lugar, eu preciso saber qual é a proposta. Estou trabalhando aqui sobre hipóteses. Eu entendo que uma série de coisas são fundamentais para o país. Eu precisaria saber, e a população também, se eles se propõem a fazer aquilo que eu acho fundamental para o país. Eu tenho uma série de propostas objetivas que já apresentei. Temos que discutir exatamente isso, e a partir daí, e eu poder tomar uma decisão. Antes disso é meramente especulação.

Para aceitar, seria seria necessário que o sr. tivesse uma carta branca, como exigiu na época em que Lula, tentou levar seu nome para o governo de Dilma?

Meirelles – Eu não usei exatamente essa expressão “carta branca”. Naquela época, eu tinha propostas objetivas que eram diferentes do que ela estava fazendo, como por exemplo, o controle da inflação. E ela tinha uma prioridade de baixar juros. Enquanto eu propunha o limite dos gastos públicos, ela tinha uma proposta, e uma ação, para aumentar os gastos públicos. Nós tínhamos divergências fundamentais. De fato naquele momento o Lula falou comigo, então eu coloquei o seguinte: dentro daquela linha de ação, eu disse achava difícil. Ela tinha uma outra visão e eu não achei o projeto viável. Eu não estava disposto a aceitar a visão dela. Ainda bem, porque deu errado. E ela não estava disposta a mudar, infelizmente para o Brasil. Posteriormente, ela voltou a me convidar, já no final de 2015, mas aí eu achei que já era tarde demais.

Então, considerando o programa de governo que o Haddad ainda tem hoje, seria o mesmo cenário?

Meirelles – Sim. Dentro deste programa não adianta. Eles vão sinalizar uma mudança? Não sei. Para ter uma proposta econômica que viabilize o crescimento do país, eu acho que teria que ser um programa diferente.

Há quem diga que esse nacionalismo que o Bolsonaro demonstra poderia inclusive afastar investidor estrangeiro. O sr. concorda?

Meirelles – Não há dúvida. A questão é que precisamos entender o que o Bolsonaro vai fazer. Existe uma diferença entre o que o assessor dele diz e o que ele votou em toda a vida política dele como parlamentar. Ele votou em muitos projetos apoiados pelo PT, mas agora ele tem uma proposta liberal, que é a proposta da assessoria dele. O que vai ser de fato o governo Bolsonaro? Isso é relevante: não há o que discutir em termos concretos.

Aquela promessa da candidatura de Bolsonaro de zerar o deficit primário em um ano é vazia?

Meirelles – Totalmente irrealista. Tem que cortar abruptamente quase R$ 200 bilhões em despesas, ou vai ter um choque de aumento de imposto que vai paralisar o país. Como vai fazer isso em curto prazo? Tem outros problemas, como esse de privatizar. Vai entregar o Banco do Brasil para uma grande instituição financeira internacional? Ou vai entregar para um dos dois grandes bancos brasileiros privados e provocar uma concentração maior no sistema bancário brasileiro? E onde é que tem capital para isso? Ou venderia no mercado de capitais brasileiro? Existe recurso suficiente para absorver essas grandes estatais todas em curto prazo? Há uma série de coisas que são bonitas de falar mas poucos factíveis. Já estamos na reta final. O presidente que assumir vai ter que fazer as coisas.

E qual é o caminho?

Meirelles – Há três ações fundamentais. A primeira é assegurar o crescimento sustentável nos próximos anos sem voo de pato, ou seja, sem crescer e entrar em crise. Para isso, precisa assegurar o equilíbrio fiscal, e com teto de gastos obedecido e viável. A longo prazo podemos nos estabilizar na faixa de 2% a 2,5% de crescimento simplesmente com equilíbrio fiscal. A curto prazo, o Brasil pode crescer até mais porque tem muita capacidade ociosa na economia. É uma taxa positiva porém não suficiente para resolver todo problema de emprego no Brasil. Para crescer mais, nós precisamos fazer as reformas para aumentar a produtividade, como a reforma tributária e toda agenda da burocracia no Brasil. Eu já anunciei 15 propostas. A maior parte delas já foi para o Congresso, uma ou outra ainda está em elaboração, como a tributária. O terceiro ponto é infraestrutura. Mesmo para a infraestrutura, temos que atrair a maior quantidade possível de capital nacional, mas ainda assim possivelmente não será suficiente. Temos que trazer investidores internacionais. Com esses três pontos, o país pode crescer de forma sustentável nas próximas décadas, até acima de 3%. Em algum momento, pode crescer a 4%, como já crescemos no período em que eu fui presidente do Banco Central, de 2003 a 2010.

O sr. defende tanto o teto de gastos, o que o sente quando vê um candidato que tem chance de chegar à Presidência falando em derrubar isso?

Meirelles – Significa que ele está propondo trazer a recessão de volta. E trazer o baixo crescimento, que é a situação que temos vivido nos últimos anos. Essa proposta não é nova, ela já foi apresentada em 2010 e 2011, foi aplicada. Não é algo desconhecido, uma esperança que ainda não foi aplicada no Brasil. Ela já fracassou e trouxe a maior recessão da história. É uma sensação de volta ao passado recente.

Me lembro de ter visto o sr. em uma agenda de campanha no mês passado na periferia de São Paulo, em que o sr. viu um esgoto a céu aberto e disse que era “chocante”. O sr. deve ter saído modificado da campanha. Esse tipo de experiência falta aos currículos de presidentes do Banco Central e ministros da Fazenda?

Meirelles – Eu já tinha tido uma experiência nesse sentido quando venci a eleição para deputado federal [em 2002]. Tive oportunidade de vivenciar isso na época e de fato me foi muito útil no Banco Central porque eu pude entender carências básicas. É fundamental para um presidente do país entender que não se pode deixar levar apenas pela crise do momento, que é grave mas não é a única. Por isso o esgoto é importante. Aquele foi chocante porque está em São Paulo, no centro industrial financeiro e comercial. E as pessoas vivem em condições medievais. O contraste é chocante. Eu fiz uma campanha que foi bem avaliada até pelos adversários. E a população ficou com uma imagem do que pode ser feito pelo Brasil. 

Que retorno o sr. tem recebido disso?

Meirelles – Dia e noite tenho recebido mensagens de pessoas dizendo que agora minha voz é importante. Vou continuar levando essa mensagem do que é necessário ao Brasil, que em última análise é competência e recursos para investir. Precisamos cobrar que for eleito. Esse fica sendo o meu papel. 

O senhor disse outro dia que tem gente que critica a sua inciativa de ter investido mais de R$ 50 milhões em campanha, diz que ou o sr. tem alguma intenção desconhecida ou o sr. é otário. Como o senhor responde esse tipo de crítica?

Meirelles – Para mim foi bem gasto. Pela mensagem que eu levei aos brasileiros de que é necessário que os governantes cuidem dos recursos públicos como cada um cuida do recurso da sua casa. Foi uma mensagem de responsabilidade e competência. Essa era a finalidade da minha campanha. Eu saí [das urnas] com o percentual muito baixo porque eu nunca fui candidato e também porque não fiz propostas populistas, desviando a atenção, dando piruetas. Eu disse na minha campanha: posso não ganhar o seu voto mas eu vou ganhar o seu respeito. Eu julgava que eu precisava retribuir ao povo brasileiro tudo que o país me proporcionou com educação pública do ensino fundamental ao mestrado na UFRJ e que me fez chegar á presidência de uma grande instituição internacional. Eu pude retribuir isso com prestação de serviço, quando fui presidente do Banco Central e agora fazendo essa campanha. Fiz a campanha eleitoral mais transparente e entreguei a minha mensagem. Estou em paz e agora posso usar todo esse patrimônio de imagem e reconhecimento que obtive com uma nova campanha para contribuir para o país.

Pretende se candidatar novamente para algum cargo?

Meirelles – O que eu tenho claro é que vou fazer isto já que eu estou fazendo. Vou continuar defendendo as propostas para o Brasil, e em um passo seguinte vou transformar isto em algo mais permanente criando um canal de comunicação com mídia digital e mantendo também a minha presença na mídia. É onde eu pretendo defender essas ideias e depois especificar mais os temas, como na questão do saneamento. Este é o projeto mais imediato que eu já tenho e vai me ocupar muito. Hoje eu já conversei com voluntários que querem participar deste trabalho produzindo conteúdo e ideias para diversas áreas neste canal digital. 

O sr. vai apoiar um dos dois candidatos?

Meirelles – Em primeiro lugar, eu preciso de uma sinalização clara do que os candidatos vão fazer de fato. Mão é só falatório e sinalização. Após saber disso, seria uma consequência. Eu não apoio um candidato. Apoio uma agenda.

Considerando que o sr. avalia que nada está claro, enquanto houver proposta vazia dos dois candidatos, Henrique Meirelles não apoia ninguém?

Meirelles – Exatamente. Quando existir uma proposta, terei absoluta disposição de apoiar a agenda que já estou apoiando, que é a agenda do Brasil, para melhorar o padrão de vida dos brasileiros. Dou apoio para isso, antes ou depois da eleição. 

Isso é independente do partido?
Meirelles – Independente. 

O candidato do MDB ao governo de São Paulo, Paulo Skaf, anunciou apoio a Bolsonaro enquanto o sr. ainda estava na corrida. Isso sinalizou uma falta de compromisso dentro do partido. Todo mundo sabe que a impopularidade do MDB, partido que o sr. escolheu para concorrer, pode ter sido responsável por um pedaço de seu fraco resultado. Isso seria levado em consideração em uma possível próxima candidatura do sr.?

Meirelles – Vamos levar tudo em consideração. Não tenha dúvida. Sobre Skaf, ele colocou isso em uma hipótese e me apoiou até o fim. É passado. Sobre o partido, o MDB não é um partido, digamos, como esses partidos ideológicos como o Novo e o PSOL, que são partidos pequenos e com ideologia muito definida, independentemente de serem ou não serem de extremos. O MDB é um partido que surgiu há 50 anos e que está presente no Brasil inteiro, tem milhares de pessoas eleitas como prefeitos, vereadores, deputados. É um partido que tem uma grande diversidade de opiniões. Eu sempre disse que convivia muito bem com a diversidade de opiniões dentro do MDB. As últimas convenções do MDB historicamente têm sido muito divididas. Mas eu tive uma vitória arrasadora, de 85% da convenção. Mesmo assim houve votos divergentes, e mesmo durante a campanha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *