Inaldo Sampaio

                              Inaldo Sampaio Foto: Colunista

O Ibope divulgou ontem o resultado de uma nova pesquisa sobre a eleição presidencial. Em relação à pesquisa do último dia 24, o resultado não se alterou. Jair Bolsonaro (PSL) continua em 1º com 27% de intenções de voto, seguido por Fernando Haddad (PT) com 21%. Ambos oscilaram um ponto percentual para baixo, ao passo que Ciro Gomes (PDT), terceiro colocado, oscilou um ponto para cima. Tinha 11% e agora tem 12%. Geraldo Alckmin (PSDB) parece que não tem jeito de chegar aos dois dígitos. Continua com os mesmos 8% da pesquisa anterior e Marina Silva permanece no seu processo inexorável de encolhimento, tendo oscilado de 5% para 6%. A taxa de rejeição a Bolsonaro caiu de 46% para 44%, e a de rejeição a Haddad de 30% para 27%. Os dois deverão se enfrentar no 2º turno. Mas é perda de tempo os institutos de pesquisa querer detectar, hoje, qual dos dois seria o vencedor, pois não se capta o resultado do 2º turno antes da realização do primeiro. Ademais, ainda faltam 10 dias para a data do pleito e até lá muita coisa poderá ocorrer, ou simplesmente não ocorrer nada. Em todo caso, não seria bom para o Brasil um 2º turno entre o PT e um candidato assumidamente fascista. O país está dividido entre lulistas e não lulistas, e num clima de ódio e intolerância que teve início no impeachment de Dilma e ainda foi totalmente superado. Bolsonaro ou Haddad na Presidência da República enfrentará uma oposição intransigente no Congresso como foi a do PSDB no governo Dilma. Para distensionar o país e pacificá-lo, o futuro presidente não precisa necessariamente ser Geraldo Alckmin, mas deverá pelo menos ter um perfil parecido com o dele.

Com uma cajadada só!
A política separou Jarbas (MDB) de Mendonça Filho (DEM), que passaram a se enfrentar não apenas no campo político, mas também pessoal. Anteontem, na Arcádia, o candidato a senador do DEM alvejou com uma só flecha Jarbas e Humberto Costa (PT). “Quero ser eleito para trabalhar por Pernambuco e não para ter uma aposentadoria ou para me livrar da Lava Jato”.

Pra ser feliz > Humberto Costa (PT) continua fazendo campanha no interior invocando o nome de Lula, que está preso em Curitiba. Anteontem, em Palmares, ele disse à multidão que o ouvia: “Queremos o Brasil de Lula de volta, para o povo ser feliz de novo”. Mas há controvérsias.

O desserviço > O senador tem conhecimento de que a reforma mais importante a ser feita hoje no Brasil é a da previdência, mas no intuito de ganhar votos e desinformar a população diz que o projeto ora em tramitação no Congresso “vai destruir as aposentadorias e pensões”. É mentira.

Por que faltou > Tadeu Alencar (PSB) informa que é o autor do projeto que incluiu o nome de Arraes no livro dos “Heróis da Pátria”. Mas não pôde comparecer à solenidade da sanção da Lei porque tinha “compromissos inadiáveis”. Se tivesse morrido um prefeito do grupo político do deputado, talvez ele adiasse esses “compromissos” para comparecer ao sepultamento.

À vitória > Luciano Bivar, candidato a deputado federal pelo PSL, marcou para o próximo sábado, às 9h, na Avenida Boa Viagem, próximo ao Hospital da Aeronáutica, a “carreata da vitória” do candidato Jair Bolsonaro. O PSL esperar elegerá 20 deputados nessas eleições.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *