Inaldo Sampaio

                                                Inaldo Sampaio Foto: Colunista

Pernambuco terá este ano uma eleição atípica para o governo estadual por pelo menos três motivos. Primeiro, a presença de três candidatos competitivos: Paulo Câmara, Marília Arraes e Armando Monteiro. Segundo, o anúncio das chapas majoritárias a conta-gotas. A apenas seis dias do encerramento do prazo para a realização das convenções, ainda não se conhece o vice da Frente Popular nem o segundo candidato a senador, assim como o vice de Armando Monteiro. Sem contar o fato de que Bruno Araújo só assumiu a candidatura a senador 1 mês de 17 dias após Mendonça Filho colocar-se na disputa. Seu projeto era disputar a reeleição mas foi convencido por Geraldo Alckmin a concorrer ao Senado para selar a presença do PSDB na chapa liderada pelo PTB. Terceiro, a ausência, pelo menos até agora, de um representante de Caruaru ou de Petrolina nas três chapas, se bem que não está afastada a hipótese de o ex-prefeito desta última, Júlio Lossio, ser o vice de Marília Arraes. Caruaru deu o vice de Joaquim Francisco em 1990 (Roberto Fontes), o vice de Arraes em 1994 (Jorge Gomes) e o vice de Eduardo Campos em 2006/2010 (João Lyra Neto), além do vice de Jarbas Vasconcelos em 2010 (Miriam Lacerda) na eleição que ele perdeu para Eduardo Campos. Já Petrolina deu o vice de Jarbas em 1990 (Paulo Coelho) na eleição vencida por Joaquim Francisco, o vice de Gustavo Krause em 1994 (Guilherme Coelho) na eleição vencida por Arraes, e o vice deste último em 1998 (Fernando Bezerra) na eleição vencida por Jarbas. O mesmo Fernando Bezerra tornou-se senador em 2014 na chapa de Paulo Câmara e só não está disputando o governo este ano porque está sem o controle do MDB. Acredita-se que o ex-prefeito de Caruaru, José Queiroz, estará na chapa de Paulo Câmara, porém até agora não existe confirmação.

Segue a decisão do partido

O Humberto Costa reuniu-se anteontem com a direção do PT de São José do Egito e ouviu dos três vereadores do município reprovação à aliança do partido com o PSB. O ex-prefeito Romério Guimarães, aliado de Marília Arraes, não participou da reunião. O senador garantiu que seguirá a decisão do partido em nível estadual, “qualquer que seja ela”.

Boca no trombone > Izaías Régis (PTB), prefeito de Garanhuns, queixa-se do Governo do Estado por não ter participado da elaboração do programa do Festival de Inverno, e por não ter recebido “nenhum tostão” para os Festivais “Viva Dominguinhos” e “Magia do Natal”.

Drible na crise > Prevendo queda do FPM nos seis primeiros meses deste ano, o prefeito de Limoeiro, João Luiz Filho (PSB), fez uma poupança para investir neste 2º semestre. Anunciará hoje a reforma de todas as escolas, a pavimentação de 25 ruas e a compra de 7 veículos.

Velhos tempos > De passagem por Bom Jardim no final de semana, o deputado Zé Maurício (PP) visitou o ex-prefeito Noé Souto Maior, 91 anos, que lembrou os tempos em que trabalhou como alfaiate com o avô do parlamentar, João Vicente, pai do ex-deputado Severino Cavalcanti.

Salto alto > A coligação PSL/PRTB/PHS/PV, que declarou apoio a Armando Monteiro (PTB), tem três ex-prefeitos na chapa de deputados estaduais: Gustavo Caribé (Belém do São Francisco), Gilson Muniz (Timbaúba) e Flávio Gadelha (Abreu e Lima).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *