Peça conseguiu bater meta inicial apenas 30h após abrir página de financiamento

                                             Foto: Reprodução / Facebook

Um dia após ter aberto uma página de financiamento coletivo, o grupo que está organizando por conta própria a vinda da peça “O Evangelho segundo Jesus, a Rainha do Céu” para Garanhuns canta vitória: já conseguiram arrecadar mais do que os R$ 6 mil inicialmente pretendidos.

“É a resposta do povo a essa decisão arbitrária do prefeito e do governo de Pernambuco”, comemora o ator Joesile Cordeiro, um dos 50 membros do grupo responsável pela ação. No Facebook, o evento que divulga o movimento já congrega cerca de dois mil integrantes.”Queremos desconstruir a versão da mídia de Garanhuns de que a população não quer que a peça aconteça. Esse recorte que eles apontam não representa o que está realmente acontecendo aqui”, denuncia.

Leia também:
Artistas se mobilizam para manter peça que foi censurada no Festival de Garanhuns
Após polêmica, Governo retira do FIG peça com Jesus travesti
Prefeito de Garanhuns tenta impedir peça com Jesus travesti no FIG
Festival de Inverno de Garanhuns celebra a liberdade

As contribuições vieram de 112 pessoas oriundas de onze estados brasileiros diferentes (inclusive de lugares geograficamente distantes do Agreste pernambucano, como Amazonas, Tocantins e Rio Grande do Sul). Agora que a meta inicial foi batida e já está garantido um valor para translado, hospedagem e alimentação da equipe cênica, a página vai continuar aberta durante os oito dias previstos.

“A atriz e sua equipe tinham se oferecido para vir de graça, por entender que esta era uma questão política essencial. Mas é mais que merecido que recebam um cachê. Além disso, há custos extras em relação à apresentação”, adianta Joesile.

Segundo ele, o espetáculo não precisa de muitos recursos cenográficos, mas será necessário contratar serviços de logística e de segurança, já que a peça tem sido alvo de inúmeras expressões de intolerância. “Estamos printando e guardando ameaças que vêm sendo proferidas nas redes sociais, para tomar providências legais se for necessário”, destaca. Alguns exemplos podem ser vistos na galeria desta matéria, e contêm palavras de baixo calão e de transfobia.

O grupo vem realizando visitas técnicas a vários espaços em Garanhuns, mas por enquanto prefere não divulgar onde o evento vai acontecer por temer retaliações. “O movimento tem sido muito bonito. Algumas pessoas chegaram a oferecer suas próprias casas para sediar o evento, mas a ideia é encontrar um local mais amplo, até porque a demanda será grande”, adianta.

Joesile contou à reportagem da Folha de Pernambuco que o clima na cidade está delicado. “Quando o prefeito Izaías Régis se posicionou de forma tão veemente contra o espetáculo, terminou direcionando por tabela as pessoas a aderirem a um discurso de ódio que distorce tudo aquilo a que a peça se propõe”, afirma.

“Estamos lutando para sermos consideradas seres humanos, e vejo com muita felicidade essa movimentação dos artistas. Queria que esse movimento tivesse um grande alcance nacional, porque a gente não pode deixar que esse tipo de censura volte ao Brasil”, disse a estrela da peça, a atriz transexual Renata Carvalho. 

Paralelamente à movimentação, artistas vêm se mobilizando para definir que posição devem tomar em relação ao que consideram um ato de censura. Alguns devem protestar, outros pregam o boicote. Nesta terça-feira (3), o ator Cláudio Ferrário utilizou as redes sociais para anunciar que “como cidadão e artista, diante da censura, da truculência, do conservadorismo e da misoginia” do governo estadual, resolveu desistir de participar da leitura do romance “Bernarda Soledade”, de Raimundo Carrero.

“Como aceitar que um espetáculo licitado e aprovado para participar de um festival seja, simplesmente, retirado de cena por conta de arroubos de falsos censores da moralidade?”, indaga Cláudio, para quem “ir a Garanhuns seria compactuar com tudo isso”.

Já o também ator Rodrigo Dourado é contra a ideia do boicote. “Boicote pela metade não é boicote, é ‘limpeza’. Imagina se nós, de teatro, abandonarmos a programação. Imagina se os artistas LGBTs do festival abandonarem a mostra. Que alegria seria para as mesmas pessoas que censuraram o ‘Evangelho’ ter um FIG higienizado, sem teatro e sem LGBTs”, critica.

Entenda o caso

A polêmica envolvendo a peça teatral começou na última sexta-feira (29), um dia após a Secretaria Estadual de Cultura anunciar a programação do 28º Festival de Inverno de Garanhuns (cujo tema este ano, por ironia, é a liberdade). Após uma quebra de braço com o secretário Marcelino Granja, que queria manter o espetáculo, o prefeito Izaías Régis, alegando questões religiosas, proibiu que o Centro Cultural do município fosse utilizado na apresentação.

No sábado (30), por pressão do deputado federal Pastor Eurico (ligado à Assembleia de Deus), o governador Paulo Câmara voltou atrás e cancelou a peça, dividindo opiniões e levando os artistas a se organizarem para combater a decisão, arrecadando verba para trazer a peça de forma independente através do link www.catarse.me/rainhajesus

A peça “O Evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu” é estrelada pela atriz transexual Renata Carvalho, que faz uma releitura de Jesuscomo se ele vivesse nos dias atuais como uma travesti. O espetáculo foi impedido de ser apresentado anteriormente – duas vezes por ordem judicial, em Jundiaí (SP) e em Salvador (BA), e uma por ordem do pastor e prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, que da mesma forma que o prefeito de Garanhuns proibiu o uso de um espaço cênico municipal.

Deixe uma resposta