Monthly Archives: junho 2018

Isabelly Morais é a primeira mulher a narrar um gol de Copa do Mundo na televisão brasileira

                                Foto: Divulgação/Fox Sports

O gol de Yuri Gazinskiy aos 11 minutos do primeiro tempo de Rússia x Arábia Saudita, partida válida pela abertura da Copa do Mundo 2018, representou um marco para a televisão brasileira. Pela primeira vez na história, uma mulher narrou um gol de Mundial de futebol no País. A estudante de jornalismo Isabelly Morais foi contratada pelo Fox Sports após vencer um concurso no canal e é a responsável pelo feito.

Isabelly é mineira e passou por uma rádio local, onde também narrava partidas de futebol. À ela, se juntam a baiana Manuela Avena e a carioca Renata Silveira, que também irão narrar transmissões da Copa no canal esportivo. Na sua página no Twitter, a locutora comemorou o feito.

Leia também:
Confira a narração do gol da Rússia feita por Isabelly
Rússia goleia Arábia Saudita na estreia do Mundial
Número de rádios brasileiras na Copa do Mundo desaba

“Foi uma experiência incrível e está só começando. Narrei meu primeiro jogo na Copa do Mundo e tô muito feliz pelas mensagens e pela repercussão“, afirmou Isabelly.

Para completar a data histórica, a Rússia ainda fez outros quatro gols. “Uma mão de gols narrados e um horizonte na narração de mulheres. Só vamos!”, finalizou Isabelly.

Site da Receita Federal

                                         Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Contribuintes com prioridade recebem nesta sexta-feira (15) o crédito em conta da restituição do Imposto de Renda 2018, no total de R$ 4,728 bilhões. O dinheiro será depositado na conta indicada pelo contribuinte quando fez a declaração.

Neste primeiro lote, são quase 2,5 milhões de pessoas com prioridade: idosos acima de 80 anos (228.921), entre 60 e 79 anos (2.100.461) e pessoas com alguma deficiência física, mental ou doença grave (153.256). O lote pago nesta sexta também contempla restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2017.

Leia também:
Receita libera consulta ao primeiro lote do Imposto de Renda
Imposto de Renda: bitcoin deve ser declarado

A Receita Federal libera as restituições de declarações que não caíram na malha fina em sete lotes, a partir de junho. Sempre no primeiro lote entram as pessoas que têm prioridade. Depois, nos seguintes, o critério para a liberação é a data de envio da declaração. Quem enviou mais cedo, recebe primeiro. Já as declarações que apresentaram algum problema são liberadas em lotes residuais depois que as inconsistências são resolvidas com a Receita.

O próximo lote será liberado no dia 16 de julho, com abertura da consulta uma semana antes para o contribuinte saber se foi contemplado. O terceiro lote terá liberação no dia 15 de agosto, o quarto, em 17 de setembro, o quinto, 15 de outubro, o sexto, 16 de novembro e o sétimo, em 17 de dezembro deste ano.

Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte deve acessar a página da Receita na internet ou ligar para o Receitafone 146.

Ministro Dias Toffoli do STF

                                          Foto: José Cruz/Agência Brasil

Uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) pode viabilizar a liberação de R$ 340 milhões para Pernambuco. A verba seria financiada pela Caixa Econômica Federal (CEF) para ser usada em obras estaduais de infraestrutura e saneamento desde o ano passado, mas ficou retida por conta de exigências da União. A questão foi, então, para o Supremo. E, agora, o ministro Dias Toffoli emitiu parecer favorável à concessão do empréstimo.

Procurador-geral do Estado, César Caúla explicou que o financiamento foi assinado com a Caixa em dezembro passado, mas carecia de uma garantia da União. Essa garantia, porém, nunca foi assinada, mesmo depois de o Governo Federal decidir que o Estado tinha condições de arcar com o empréstimo. “A União constatou nossa capacidade de pagamento. O ministro da Fazenda emitiu até um ato autorizando a assinatura do contrato. Mas o contrato de garantia com a União não foi assinado, ficou sendo postergado. E, neste ano, a União disse que precisava fazer uma nova análise da nossa capacidade de pagamento”, contou Caúla.

Leia também:
Estados vão ao STF para cobrar recursos
Ministro do STF dá 48 horas para Governo se manifestar sobre tabela do frete

Estado, por sua vez, não está disposto a passar por nova análise. É que, em 2017, o Governo Federal mudou os parâmetros de avaliação financeira dos estados. E Pernambuco perdeu alguns pontos com as novas regras. “De toda forma, a nova norma diz que as análises já realizadas com base nos parâmetros anteriores continuam válidas e não têm que ser refeitas”, declarou o procurador-geral, que, entrou com uma ação no STF em abril para solucionar esta questão.

A decisão do Supremo saiu nesta semana, através de liminar que pede para a União deixar de exigir reanálise da capacidade de pagamento de Pernambuco como condição para a liberação do financiamento. O texto, assinado por Dias Toffoli, ainda afirma que esta exigência “parece desarrazoada e destituída de amparo legal” e, por isso, concede parcialmente tutela de urgência para a ação. “Não se pode desconsiderar o desfecho de todas as etapas de verificação dos requisitos para contratação pelo simples advento de nova portaria regulamentadora, a qual, inclusive, ao contrário do que apontado pela União, parece ter disposto pela preservação das análises anteriores já realizadas”, destacou o ministro.

Apesar de a União poder recorrer, Pernambuco espera que o contrato de garantia seja firmado em breve. Para conseguir a liberação dos R$ 340 milhões, o Estado já pediu até celeridade para a Advocacia Geral da União (AGU).

CR7 tenta guiar Portugal rumo ao 1º título mundial

                                  Foto: Francisco Leong/AFP

Espanha, que ainda se recupera da polêmica demissão do técnico Julen Lopetegui, não terá vida fácil nesta sexta-feira (15), na estreia na Copa do Mundo da Rússia contra Cristiano Ronaldo e a seleção de Portugal, que tentará tirar proveito dos dias turbulentos da rival ibérica.

Leia também:
Não poderia negar o convite da Espanha, diz Hierro
Portugal premiará jogadores com R$ 1,3 mi em caso de título

Chamado às pressas para apagar o incêndio e tapar o buraco deixado pela demissão desastrosa de Lopetegui, Fernando Hierro, eterno capitão do Real Madrid e da Fúria, terá que motivar seus jogadores para que a equipe não sinta o baque dos polêmicos últimos dias.

E, ao que tudo indica, o novo treinador da Espanha, com pouca experiência no cargo, tendo passado apenas uma temporada no comando do Oviedo (2ª divisão espanhola), não pretende mexer em time que está ganhando.

“Em dois dias não podemos mudar nada, é um grupo fantástico, um grupo de rapazes que fizeram uma eliminatória fantástica nos últimos dois anos em nível extraordinário. É isso que pedimos a eles, que sejam eles mesmos, que tenham personalidade”, declarou Hierro em sua primeira coletiva como técnico da Espanha, na quarta.

Com esse pensamento, a Espanha deverá apostar no jogo de posse de bola característico de seus principais jogadores, como Busquets, Iniesta e Isco, para lidar com uma seleção portuguesa acostumada a contra-atacar.

O único jogador com que Hierro não poderá contar é Dani Carvajal, que sofreu lesão na coxa na final da Liga dos Campeões e ainda não tem condições de jogo. O lateral, porém, já vem treinando com os companheiros de elenco. Contra Portugal, Nacho Fernández deverá assumir a lateral direita.

Na frente, a dúvida sobre quem escalar azucrina Hierro, um problema que já acompanhava Lopetegui.

Ao que tudo indica, o novo treinador optará pela experiência do brasileiro naturalizado espanhol Diego Costa como centroavante para o jogo mais difícil da fase de grupos. Em jogos em que precisar de mais velocidade, o escolhido deverá ser Rodrigo.

Já o atacante Iago Aspas, um dos queridinhos da torcida espanhola, poderá ser escalado ao lado de Diego Costa, mas mais aberto em campo do que o imóvel companheiro.

Atenção com CR7

Do outro lado do campo, Portugal tentará aproveitar qualquer abalo causado pela demissão de Lopetegui para estrear na Copa do Mundocom um resultado positivo diante de uma das favoritas ao título, o que seria um gigantesco passo rumo à classificação às oitavas de final.

E, do lado lusitano, todos sabem em que as atenções estarão centradas. “Toda a equipe sabe que teremos que mostrar nossas melhores qualidades para ganhar da Espanha. E temos Cristiano Ronaldo”, afirmou na terça-feira o meia João Mario.

Depois da improvável conquista da Eurocopa há dois anos, o astro do Real Madrid, cinco vezes eleito melhor jogador do mundo, encara uma missão ainda mais difícil: guiar Portugal rumo a seu primeiro título de Copa do Mundo.

Mas, embora confiem na qualidade goleadora e na liderança de Cristiano Ronaldo, os torcedores portugueses sabem que o maior jogador da história do país precisará de ajuda para que a equipe vá longe na Rússia.

Para isso, a velocidade de Gonçalo Guedes, a qualidade de passe de Bernardo Silva e a solidez defensiva da zaga, formada por Pepe e Bruno Alves, serão fundamentais para surpreender a Espanha.

“Será uma partida muito importante contra um dos favoritos ao título”, afirmou Manuel Fernandes, que completou: “Mas viemos aqui para ganhar todos os jogos de nosso grupo, e depois veremos o que podemos fazer”.

Ficha técnica
Portugal

Rui Patrício; Cédric Soares, Pepe, Bruno Alves e Raphael Guerreiro; João Mário, William Carvalho, Bernardo Silva e Ricardo Quaresma; André Silva e Cristiano Ronaldo. Técnico: Fernando Santos.

Espanha

David De Gea; Álvaro Odriozola, Gerard Piqué, Sérgio Ramos e Jordi Alba; Sergio Busquets, Thiago Alcâtara, Andrés Iniesta, David Silva e Isco; Diego Costa. Técnico: Fernando Hierro.

Local: Estádio Olímpico de Sochi
Horário: 15h (horário de Brasília). Árbitro: Gianluca Rocchi (ITA). Assistentes: Elenito Di Liberatore (ITA) e Mauro Tonolini (ITA). Transmissão TV: Globo, SporTV e Fox Sports.

Inaldo Sampaio

                               Inaldo Sampaio Foto: Colunista

O governador Paulo Câmara conversou recentemente com os “rebeldes” da Frente Popular e aparentemente conseguiu “domá-los” para as eleições deste ano. A principal preocupação era com o deputado Eduardo da Fonte, que comanda uma bancada de deputados estaduais superior à do próprio PSB, além de contar em seu partido com mais de 70 candidatos distribuídos por todas as regiões do Estado. Ele exige um lugar na chapa majoritária, não necessariamente para ele e sim para alguém do seu grupo. E teria recebido a garantia de que será atendido. Quanto ao chamado “grupo Ferreira”, o governador também conversou com o prefeito Anderson (Jaboatão) e seu irmão, André, deputado estadual e presidente regional do PSC, mas não prometeu dar o que eles querem: uma vaga de senador para este último. As vagas estão prometidas a Jarbas Vasconcelos e a Humberto Costa, ficando o lugar de vice reservado para o indicado por Eduardo Fonte. No entanto, como na política as coisas às vezes mudam em questão de minutos, há também a possibilidade de esses dois grupos serem contemplados com espaços no governo, já que há secretarias vagas e cargos no segundo escalão. Em todo caso, a intenção do governador é fechar sua chapa o mais rápido possível para poder botar o bloco na rua. As bases estão inquietas, cobrando uma definição, mesmo porque Armando Monteiro e Mendonça Filho começaram ontem por Petrolina sua peregrinação eleitoral.

Coeficiente eleitoral
Pelos cálculos dos deputados estaduais, ninguém chegará à Assembleia Legislativa pelo “chapão” do PSB com menos de 50 mil votos. Já pela “chapinha” do PP seriam necessários, apenas, 35 mil. Mas, mesmo que esse cálculo se confirme, a “chapinha” elegeria tão somente 10 parlamentares. Significa que pelo menos quatro dos atuais 14, perderiam a eleição.

Comando firme > Quem deixou seus antigos partidos para se filiar ao PP foi previamente avisado pelo presidente Eduardo da Fonte que teria que seguir sua orientação, qualquer que fosse ela, nas eleições deste ano. Daí o medo que o PSB tem da força política dele.

O embate > Jarbas Vasconcelos (MDB) e Mendonça Filho (DEM) caminharam juntos em Pernambuco desde a eleição de Gustavo Krause para o governo estadual em 1994. Foram aliados, portanto, durante 24 anos. Agora, os dois vão se enfrentar na disputa para o Senado e, para sorte de ambos, há muita gente do governo e da oposição querendo votar neles.

A evolução > Marina (Rede) mudou para melhor o seu discurso em relação à campanha de 2014. Está falando com mais clareza e mais profundidade sobre as grandes questões nacionais e não apenas sobre meio-ambiente. Por isso sua recente passagem pelo Recife foi um sucesso.

Tem força? > Sílvio Costa (Avante) pretende, nessas eleições, igualar-se a Fernando Bezerra Coelho (MDB), que saiu do pleito de 2014 com um senador, um deputado federal e um deputado estadual. O senador seria o próprio Sílvio, o federal Sílvio Costa Filho, e o estadual seu caçula, João Paulo. Porém, falta ainda ter uma “Petrolina” como base para decolagem.

O discípulo > Klebel Cordeiro, eleito prefeito de Salgueiro pelo MDB, segue a orientação política do senador Fernando Bezerra e não do vice-governador Raul Henry. Por isso, está apoiando Armando Monteiro (PTB) para governador e não Paulo Câmara (PSB).

Caminhoneiros

                                    Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros)apresentou nesta quinta-feira (14) à ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) uma proposta de valores mínimos de transporte de carga, na expectativa de subsidiar a autarquia nacriação de uma nova tabela de fretes.

A tabela mantém a cobrança por faixa quilométrica percorridae, diferente da tabela vigente, propõe a diferenciação de tarifa por tipo de veículo, destacou a Abcam. Segundo a entidade, na proposta “a carga geral ficou, em média, 20% abaixo que a tabela vigente. Entretanto, não houve nenhuma redução brusca por tipo de veículo, como ocorreu na resolução já revogada”.

A entidade representa entre 600 mil e 700 mil caminhoneiros do país.
Na semana passada, o governo decidiu suspender uma tabela de frete do transporte rodoviário que havia sido criada após o fim da greve dos caminhoneiros no final de maio. A suspensão ocorreu após pressão de associações de caminhoneiros que se manifestaram contra os valores determinados.

Leia também:
Greve dos caminhoneiros custará R$ 15 bilhões para a economia
Congresso cria comissões para debater MPs de acordo com caminhoneiros

Segundo a Abcam, “a proposta (apresentada nesta quinta-feira) também corrige as discrepâncias existentes entre certos tipos de carga, a exemplo da carga frigorificada e perigosa que estão com valores inferiores aos da carga geral”.

A entidade afirmou que a proposta não inclui lucro dos transportadores, que deverá ser negociado entre as partes. Também não incluiu despesas com impostos, com seguro, diárias e alimentação. A Abcam também afirmou que não pretende organizar nova paralisação de caminhoneiros caso o governo não aprove uma tabela mínima de frete.

Linhas de transmissão

                                          Linhas de transmissão Foto: Pixabay

A privatização de seis distribuidoras da Eletrobras, nas regiões Norte e Nordeste, está prevista para ocorrer em julho, segundo o Ministério de Minas e Energia (MME). A data provável é dia 26, mas os detalhes devem ser confirmados nesta sexta-feira (15), com a expectativa de publicação do edital do leilão no Diário Oficial da União.

Leia também
Governo quer aprovar privatização da Eletrobras antes do recesso
Empregados da Eletrobras suspendem greve de 72 horas
Projeto abre caminho para venda de distribuidoras da Eletrobras

De acordo com a estatal, as distribuidoras que serão vendidas são as seguintes: Eletrobras Distribuição Acre (Eletroacre), Eletrobras Distribuição Alagoas (Ceal), Eletrobras Distribuição Amazonas (Amazonas Energia), Eletrobras Distribuição Piauí (Cepisa), Eletrobras Distribuição Rondônia (Ceron) e Eletrobras Distribuição Roraima (Boa Vista).

“O processo de desestatização das nossas distribuidoras faz parte do Programa de Parcerias de Investimentos [PPI], com o objetivo de reforçar a coordenação das políticas de investimentos em infraestrutura por meio de parcerias com o setor privado. A desestatização permitirá que um novo acionista especializado em distribuição de energia elétrica otimize os recursos das empresas e realize os investimentos necessários para torná-las mais eficientes”, informou a estatal em sua página na internet.

Segundo a Eletrobras, as distribuidoras abrangem uma área de 2,4 milhões de quilômetros quadrados, correspondente a 29% do território nacional, onde vivem 13 milhões de habitantes.

Michel Temer

                                      Michel Temer Foto: EVARISTO SA / AFP

impopularidade recorde de Michel Temer (MDB) se deve essencialmente à insatisfação com o desempenho do governoem geral e, em particular, na economia. A imagem pessoal do presidente e o desgaste causado por escândalos de corrupçãoque o envolvem são laterais, mostra pesquisa Datafolha.

Em levantamento realizado em 6 e 7 de junho, o instituto identificou que 82% da população considera a gestão Temerruim ou péssima, 14%, regular e 3%, ótima e boa. É o pior desempenho de um presidente desde o início da série histórica, em 1989. Depois de perguntar como avalia a gestão Temer, o Datafolha indagou o entrevistado sobre seus motivos, sem apresentar alternativas.

Entre aqueles que reprovam Temer, 51% citaram espontaneamente sua gestão na economia como razão para o descontentamento. Os aspectos mais criticados foram o desemprego (13%), os preços dos combustíveis (13%) e os impostos (10%). Não aprovam o desempenho do presidente de forma geral 21%, alegando motivos como ele “não ter feito nada pelos pobres” (7%) e despreparo ou incompetência (5%).

Leia também
Michel Temer é o presidente mais impopular na história recente, aponta Datafolha
PT ainda é o partido preferido do eleitor, diz Datafolha
Pesquisa Datafolha: sem Lula, 34% ficam sem opção

Entre os entrevistados, 15% mencionaram corrupção e desonestidade como fundamentos da má avaliação, sendo que 7% classificaram Temer como corrupto ou ladrão. Os homens se incomodam mais com esses problemas (18%) do que as mulheres (12%). A imagem do emedebista foi citada por 5% da totalidade dos entrevistados como base da reprovação.

Em contraste com os atuais 82% de Temer, o governo Dilma Rousseff (PT) era considerado ruim e péssimo por 28% em junho de 2014, o que foi suficiente para a então presidente ser vaiada na Copa do Mundo, realizada no Brasil.
Dois anos depois, foi a vez de Temer, ainda interino, ser hostilizado na Olimpíada no Rio.

Em meados de 2016, durante o processo de impeachment de Dilma, ele prometeu comandar a retomada da economia, mas acabou por frustrar expectativas. Entre os 3% que disseram que a gestão Temer é boa ou ótima, 27% mencionaram seu desempenho na economia como razão para tanto.

O pente-fino na reprovação atual de Temer se choca com o discurso adotado pelo governo, segundo o qual a Lava Jato e o seu noticiário ofuscam avanços conquistados. No dia seguinte à publicação da pesquisa Datafolha que mostrou a impopularidade recorde de Temer, o ministro Raul Jungmann (Segurança Pública) afirmou, na segunda-feira (11), que “vazamentos representam um assassinato civil e político do presidente”.

Carlos Marun (Secretaria de Governo) disse que uma “conspiração asquerosa impede que a população associe à figura do presidente avanços altamente significativos”. Denunciado duas vezes pela Procuradoria-Geral da República durante o mandato, o emedebista é investigado por supostos recebimentos de propina e outras ilegalidades, as quais ele nega.

Mas são questões práticas, que afetam o dia a dia da população, que alavancam a insatisfação com o governo. Em sua pesquisa de campo, o Datafolha ouviu frases como a de uma mulher de 59 anos, no Rio de Janeiro, que reclamou da diminuição do poder de compra que o reajuste do salário mínimo abaixo da inflação causou em 2018. “Para pessoas de baixa renda, está tudo péssimo. Eles [governo] não ajudam as pessoas que mais necessitam. O salário mínimo não acompanha o aumento dos produtos”, protestou a entrevistada.

A saúde pública, sempre mencionada pela população entre suas principais queixas, foi citada por 11% dos que reprovam o governo Temer. Para as mulheres, o problema é mais grave (14%) do que para os homens (8%). Uma entrevistada de 47 anos reclamou, em Estiva Gerbi (SP), da “falta de remédios nos postos”, disse que “a saúde está ruim” e emendou um descontentamento generalizado. “Falta emprego. Os preços nos mercados estão caros. Muitos impostos.”

greve dos caminhoneiros foi citada por 6% dos entrevistados como motivo para a reprovação de Temer. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Foram ouvidas 2.824 pessoas de 16 anos ou mais, em 174 municípios no país.

Philippe Coutinho, uma das peça da Seleção na Copa

                                           Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Alisson, Danilo, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro, Paulinho e Coutinho; Willian, Neymar e Gabriel Jesus. Esta será a Seleção Brasileira que enfrentará a Suíça no domingo (17), na estreia na Copa do Mundo da Rússia. Foi o que sinalizou o treino desta quinta-feira (14), em Sochi. Esta formação, utilizada com sucesso por Tite em partidas em que o Brasil enfrentou seleções mais fechadas, mais recentemente na vitória sobre a Áustria (3×0), no último domingo (10), era a mais cogitada para a estreia contra os suíços.

Durante todos os treinos em Sochi, onde a Seleção está hospedada desde segunda-feira (11), Tite separou o elenco em dois grupos, realizando trabalhos mais leves com seus habituais titulares, enquanto os reservas faziam exercícios puxados de saída de bola e marcação pressão.

Mas, nesta quinta-feira (14), durante os 20 minutos em que a imprensa teve acesso à atividade, o técnico da Seleção resolveu não esconder o jogo e, sob os atentos olhares dos jornalistas, distribuiu os coletes aos jogadores, evidenciando sua preferência para a estreia.

Vaga é de Coutinho

Tite confirmou que Philippe Coutinho, que brigava pela última vaga de titular com Fernandinho, será o escolhido para enfrentar a Suíça, optando por um esquema mais ofensivo para o ataque do Brasil, que terá também Willian, Neymar e Gabriel Jesus. No meio, Paulinho, habitual trunfo da Seleção e acostumado a chegar na área para finalizar, terá responsabilidade mais defensiva, ajudando Casemiro a proteger a zaga brasileira.

Com a equipe definida, a última dúvida que paira sobre a Seleção é o estado físico do meia Fred. O reforço do Manchester United, que sofreu uma lesão no tornozelo na quinta-feira passada durante treino do Brasil em Londres, voltou a treinar em separado do restante do elenco no segundo campo à disposição dos comandados de Tite.

Leia também:
Fifa coloca espiões para evitar drones em treino do Brasil
Tite ganha apoio de Paulinho e deixa Coutinho no ataque 
Copa: Metade acredita no hexa, e 64% aprovam Tite
Há vida além da Copa: calendário oferece outras atrações

Depois de um trote leve ao redor do campo, Fred deu sequências aos exercícios de força e arrancada que havia realizado na véspera, tudo sob as orientações dos preparadores físicos da Seleção. Resta saber se o meia terá condições de viajar com o Brasil na sexta-feira (15) para Rostov-on-Don, palco do jogo de estreia da Seleção contra os suíços. Após o duelo contra a Suíça, o Brasil, cabeça de chave do Grupo E, enfrentará a Costa Rica, em São Petersburgo (22 de junho) e a Sérvia, em Moscou (27).

Plenário do STF debate constitucionalidade de conduções coercitivas

                                              Foto: Nelson Jr./SCO/STF

A condução coercitiva para interrogatório, que ficou famosa na Lava Jato, é inconstitucional e fere o direito do investigado de ficar em silêncio e de não produzir provas contra si mesmo, decidiu a maioria do Supremo Tribunal Federal nesta quinta-feira (14). Seis ministros votaram por proibir esse instrumento: Gilmar Mendes (relator), Rosa Weber, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio e Celso de Mello.
Cinco votaram pela legitimidade da medida: Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Cármen Lúcia.

Os magistrados julgaram duas ações que questionam as conduções coercitivas para interrogatório. As ações foram ajuizadas pelo PT e pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que sustentam que a medida viola o direito dos suspeitos de permanecer em silêncio e de não se autoincriminar.

Desde dezembro passado, as conduções coercitivas para esse fim estão suspensas por uma liminar de Gilmar. Nesta quinta, a maioria dos ministros manteve a liminar e decidiu o mérito da questão, proibindo em definitivo que a polícia leve coercitivamente pessoas investigadas para depor.

Gilmar, Toffoli, Lewandowski e Marco Aurélio enfatizaram em seus votos um ponto em comum: que um sistema penal punitivista afeta também pessoas pobres, e não só políticos corruptos. “A legislação não se aplica somente àqueles envolvidos em possível prática de corrupção, não se aplica somente ao crime do colarinho branco. Não são apenas esses que são conduzidos [pela polícia]. São os envolvidos em geral em prática criminosa. Queremos no Brasil dias melhores? Queremos todos nós. Mas não podemos partir para o justiçamento, sob pena de não ter-se mais segurança jurídica, vivendo a sociedade a sobressaltos”, disse Marco Aurélio.

Ao votar, Lewandowski louvou a “jurisprudência garantista” da corte e mencionou decisões recentes nesse sentido, como o habeas corpus que liberou da prisão mulheres grávidas que cometeram crimes de menor potencial ofensivo. “É chegado o momento em que o Supremo, na tutela da liberdade de locomoção, impeça interpretações criativas que atentem contra o direito fundamental de ir e vir e contra a garantia do contraditório, da ampla defesa e da não autoincriminação”, afirmou Toffoli.

Na semana passada, quando o julgamento começou, Gilmar classificou as conduções coercitivas de “novo capítulo da espetacularização da investigação que ganhou força no país”. “Combate à corrupção tem que ser feito nos termos estritos da lei. Quem defende direito alternativo para combate à corrupção já não está no Estado de direito”, sustentou.

Vencidos
Moraes, Fachin, Barroso e Fux votaram pela legalidade do instrumento, ressaltando que deve ser garantido ao investigado o direito de ficar em silêncio e de ser assistido por seu advogado. O voto de Moraes foi mais restritivo. Para ele, a condução coercitiva para interrogatório só é permitida quando o investigado tiver sido intimado previamente e não tiver comparecido.

Já Fachin, Barroso e Fux admitiram essa hipótese e, além dela, que a condução pode ser empregada em substituição às prisões cautelares (temporária ou preventiva) -tipo de uso que foi comum nas operações da Lava Jato sob responsabilidade do juiz Sergio Moro. O argumento dos ministros era que, em benefício do suspeito, o juiz poderia trocar uma medida mais gravosa (prisão) por outra menos gravosa (condução) se entendesse ser suficiente para a investigação.

“Compreendo possível e constitucionalmente adequada a condução coercitiva […] sempre que for em substituição a uma medida cautelar mais grave, como a prisão temporária ou preventiva, por conveniência da instrução penal”, afirmou Fachin, relator da Lava Jato no STF, legitimando as práticas da operação.

Essa posição, contudo, foi vencida. Fachin e Barroso disseram, ao votar, que há um discurso corrente em prol da manutenção de um sistema penal leniente com crimes de colarinho branco que vem disfarçado de preocupação com os direitos dos mais pobres.

“Entendo ser o sistema criminal no Brasil notadamente injusto e desigual. Há rigor excessivo contra uma parcela desabastada da população e injustificada leniência quando criminosos estão às voltas com práticas de corrupção”, declarou Fachin. O “surto de garantismo”, na verdade, “é um mal revestido de bem”, afirmou Barroso.
Agentes da Lava Jato dizem acreditar que, com o fim desse instrumento, o número de prisões temporárias deve aumentar.

Uma  equipe de policiais civis coordenada pelo Delegado Ubiratan Rocha Fernandes, Titular de Afogados da Ingazeira, deu cumprimento ao Mandado de Prisão contra Maycon dos Santos Silva.

Ele é acusado de participação direta na morte de Saturnino Félix da Silva, o Neguinho da Caravan. A prisão aconteceu em Lage Grande, município de Tavares, Paraíba.

Segundo a polícia, várias provas foram colhidas que confirmam sua participação no delito. Ele é acusado de executor do crime, tendo disparado contra a vítima.

Após os procedimentos  de praxe o mesmo fora recolhido a cadeia Pública de Afogados da Ingazeira -PE.

É a terceira prisão relacionada ao caso. Em maio, foram presos Edivam Ferreira Torres e Edilson Amado Feitosa. As prisões, segundo a PM, foram realizadas nas cidades de Princesa Isabel e Tavares, no Estado da Paraíba.

Neguinho tinha 62 anos e  foi morto a tiros, no bairro São Braz, na Rua Waldecy Xavier de Menezes. Ele estava sentado dentro do seu veículo, na frente da sua residência. Acabara de chegar em casa com  a esposa quando foi alvejado.

Entre os dias 28 de junho e 01 de julho, acontece a XIV Expoagro de Afogados da Ingazeira. A feira de exposição de animais e de produtos agropecuários, será no Centro desportivo Dr. Lúcio Luiz de Almeida e tem apoio do Projeto Desenvolvimento e Inclusão Produtiva do Semiárido, da Unidade do Sebrae no Sertão Central, Moxotó, Pajeú e Itaparica.

O evento, que visa dar acesso ao mercado local e regional, bem como proporcionar geração de negócios terá uma novidade. “Durante a Expoagro, vamos realizar o Sertão do Pajeú Mais Produtivo, com uma programação de palestras que começam no dia 29 de junho e se estendem até dia 30”, conta a analista do Sebrae de Serra Talhada, Auxiliadora Vasconcelos.

As palestras ofertadas pelo Sebrae serão Planejamento no Manejo Alimentar de Caprino e Ovinos – Consultor Valderedes Martins; Planejamento no Manejo Sanitário de Caprino e Ovinos – Analista Técnico Gilberto Lago e Planejamento Reprodutivos de Caprinos e Ovinos – Consultor Leonardo Costa Gomes.

“Estamos trazendo palestras dentro das temáticas do Projeto Sertão Mais Produtivo, a fim de fomentar ainda mais o desenvolvimento sustentável do semiárido”, explica Auxiliadora.

O evento é uma realização da Prefeitura Municipal de Afogados da Ingazeira e conta com a parceria do Sebrae, IPA, ProRural, ITEP, SARA, ADdiper, SEMPETO, PAJELATE, CCODJA  e Associação dos criadores de caprinos e ovinos.

As inscrições para as palestras são gratuitas e podem ser realizadas no Sebrae de Serra Talhada ou no local do evento. Maiores informações pelos números: (87) 3831-1552 ou (87) 3831-2496.

Mônica Bergamo – Folha de S.Paulo

PT e PSB negociariam apoios regionais. Em Pernambuco, os socialistas precisam que o PT os apoie, vetando a candidatura própria de Marília Arraes. Em troca, o PSB poderia retirar a pré-candidatura de Marcio Lacerda em Minas Gerais, apoiando a reeleição do petista Fernando Pimentel (PT-MG).

Os dois partidos discutem alianças em sete estados: Pernambuco, Acre, Rio Grande do Norte, Amapá, Paraíba, Bahia e Sergipe.

O PT também almeja o apoio do PSB na campanha presidencial —mas integrantes da legenda socialista acreditam que os petistas já respirariam aliviados com a simples neutralidade, evitando que os socialistas se aliassem a Ciro.

Já com o PDT de Ciro Gomes os socialistas estão afinados no Espírito Santo, Distrito Federal, Ceará, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Fies

                                        Foto: Luna Markman/ FolhaPE

Os estudantes beneficiados pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) que estiverem devendo às instituições de ensino nas quais estão matriculados poderão negociar o parcelamento da dívida em até 18 meses, de acordo com resolução publicada nesta quarta (13) pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), no Diário Oficial da União.

Segundo o FNDE, até o ano passado, era preciso estar quite para fazer a renovação do contrato do Fies. Agora, o estudante terá que pelo menos ter feito a negociação do pagamento antes da renovação.

Além disso, o FNDE fixou em 30% da parcela o valor máximo que poderá ser cobrado por mês. Ou seja, se um aluno atrasou o pagamento de uma mensalidade de R$ 100, ele poderá pagar até R$ 30 junto com a próxima parcela mensal.

O Fies é um programa do governo que financia mensalidades em instituições privadas de ensino a condições especiais. As regras publicadas hoje valem para os valores pagos para as instituições de ensino pelos estudantes que não têm financiamento de 100%. Eles devem pagar todos os meses uma parte da mensalidade às instituições.

A partir deste semestre, para evitar cobranças abusivas, o Ministério da Educação (MEC) determinou que os pagamentos passem pela Caixa Econômica Federal, antes de serem transferidos para as instituições privadas de ensino.

Leia também:
MEC aumenta teto de financiamento de mensalidades pelo Fies

A resolução estabelece que a renegociação será operacionalizada pela internet. O agente financeiro terá 120 dias para criar e disponibilizar esse portal, por meio do qual o estudante poderá solicitar a renegociação e a instituição de ensino, validar o pedido. O estudante que deixar de pagar uma mensalidade já é considerado inadimplente e deve buscar a renegociação.

De acordo com o FNDE, a expectativa é que as renovações dos contratos do Fies sejam feitas a partir de agosto. Por ser um dado que cabe a cada instituição de ensino, a autarquia diz que não tem o número total de estudantes atualmente em atraso.

Financiamento máximo e mínimo
Também hoje foram publicadas as resoluções que tratam da garantia de pelo menos 50% de financiamento pelo Fies e do teto de R$ 42.983,70 por semestre. Ambas medidas foram anunciadas na semana passada pelo ministro da Educação, Rossieli Soares.

O limite foi estabelecido para que cursos com mensalidade de R$ 7 mil possam voltar a ser financiados pelo programa – que havia reduzido o teto para R$ 5 mil. Com isso, estudantes de medicina, por exemplo, que se enquadrem nas regras do Fies poderão contar com o benefício.

Segundo o ministro, o piso foi fixado para tornar o Fies mais atraente. Até este semestre, o sistema podia calcular o percentual da mensalidade que seria financiado conforme a renda do estudante e outros critérios. O financiamento poderia chegar a 8%, por exemplo.

As regras valem a partir do próximo semestre. Os estudantes que contrataram o Fies com porcentagem inferior a 50% poderão pedir para entrar na nova regra.

As mudanças foram feitas no chamado Fies público. Neste ano, 100 mil vagas serão ofertadas nessa modalidade, com juro zero e financiadas diretamente pelo governo. As vagas são destinadas a estudantes com renda familiar per capita de até três salários mínimos, ou R$ 2.862.

Secretário executivo de Defesa Social Humberto Freire

                                 Foto: Rafael Furtado / Folha de Pernambuco

Para garantir o reforço na segurança pública durante os festejos juninos, o Governo de Pernambuco investe R$ 2,55 milhões, um aumento de 10% em relação ao São João de 2017. O esquema especial de segurança teve início no dia 1° de junho e se estende até o dia 1° de julho.

São cerca de 30 mil postos de trabalho distribuídos pelo estado, um efetivo que conta com policiais civis e militares, bombeiros e representantes do Judiciário. Lembrando que cada posto de trabalho significa uma escala de plantão e, não necessariamente, um policial.

Assim, o número do efetivo é 22% maior que o do ano passado, segundo o secretário executivo de Defesa Social, Roberto Freire. E a distribuição do efetivo é feita a partir de análises realizadas pela SDS em parceria com as prefeituras, levando em consideração o tamanho dos eventos e expectativa de público. O foco se dá no interior, onde há maior concentração de pessoas nas festa, principalmente em Caruaru, Arcoverde e Petrolina.

Somente a Polícia Militar de Pernambuco (PMPE) ativou 22.478 escalas de plantão para o período completo da Operação São João. Apenas para os dias 22, 23 e 24 de junho, são 6.211 postos de trabalho mobilizados. As equipes de policiamento ostensivo estarão distribuídas nos focos de animação, em viaturas de quatro rodas, motocicletas, a cavalo e a pé.

Mas é o período anterior ao São João que concentra a maioria dos plantões, com 12.928 postos de trabalho entre todas as operativas da SDS. Enquanto que nos principais dias de festa, de 22 a 24 de junho, o efetivo empregado será de 9.938 postos. E, no pós-São João, de 25 de junho a 1° de julho, serão 7.172 escalas preenchidas.

operação ainda conta com duas aeronaves e duas plataformas de observação elevada, que são caminhões equipados com várias câmeras. Além de seis unidades móveis da Polícia Civil, duas delas em Caruaru, uma no Pátio de Eventos Luiz Gonzaga e outra no Alto do Moura, mas somente em dias de festa. As demais serão alocadas na Sítio da Trindade (Recife), Gravatá, Petrolina e Araripina.

Leia também:
Olinda anuncia primeiro São João oficial; confira programação
Alerta Celular: prévias vão receber estandes para cadastro de aparelhos

“Assim como ocorreu no Carnaval deste ano, a Polícia Civil e as demais operativas da SDS estão preparadas para fornecer ao cidadão pernambucano e todo aquele que estiver no estado o São João mais pacífico dos últimos dez anos”, afirma o chefe da Polícia Civil, Joselito Amaral.

Delegacia Virtual

Amaral ainda relembra que vítimas de furto, roubo ou assalto de até 40 salários-mínimo poderão registrar o Boletim de Ocorrênciaatravés da página da Delegacia pela internet, da SDS.

Para garantir a segurança dos aparelhos celular, Joselito reforça o pedido para que os cidadãos façam o cadastro de seus aparelhos no Alerta Celular. Basta digitar *#06#, para conseguir o número do IMEI de seu aparelho e com esse número em mãos realizar o cadastro na página do Alerta Celular.

Postos de trabalho

A “venda” das folgas dos policiais vai garantir o efetivo de 30 mil postos de trabalho, entretanto, o secretário Roberto salienta que não é permitido que as escalas de trabalho ordinária e extraordinária sejam emendadas. “Tem de haver um período de descanso para garantir a qualidade da prestação de serviço profissional”.

Queimados

O diretor integrado do Corpo de Bombeiros, Coronel Hilário, reforça o aviso de que as crianças sejam supervisionadas por adultos quando forem manusear fogos de artifício. Ele ainda alerta para que adultos evitem manejar os fogos sob o efeito de bebidas alcoólicas.

Ministro Luiz Fux

                                              Foto: Roberto Jayme/Ascom/TSE

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fuxconcedeu nesta quarta (13) prazo de 48 horas para que a Presidência da República e órgãos do governo federal se manifestem sobre a ação na qual a Associação do Transporte Rodoviário de Carga do Brasil contesta a resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) que tabelou os preços mínimos de fretes para o transporte rodoviário.

Após receber as informações, o ministro vai julgar a ação. Conforme a decisão, a ANTT; o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE); a Secretaria de Promoção da Produtividade e Advocacia da Concorrência, do Ministério da Fazenda; e o presidente Michel Temer, na condição de chefe do Executivo, deverão enviar suas alegações ao Supremo. O procedimento de solicitação de informações é praxe em ações constitucionais em tramitação na Corte.

Leia também:
Em meio a impasse, tabela do frete enfrenta enxurrada de processos

Na ação de inconstitucionalidade, a associação alegou que a norma da ANTT violou o princípio constitucional da livre iniciativa ao interferir na atividade econômica, segundo a entidade.

O tabelamento do frete foi uma das reivindicações de caminhoneiros atendidas pelo governo no fim do mês passado para tentar pôr fim à paralisação que durou 11 dias, afetando amplos setores da economia.

acordo também é contestado judicialmente pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), que entrou com ação no STF para suspender os efeitos da Medida Provisória 832, que estabeleceu preços mínimos para o serviço de frete prestado pelos caminhoneiros. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) foi outra entidade que manifestou intenção de buscar o Supremo contra o tabelamento.

O tabelamento com os novos valores mínimos para o frete o rodoviário no país já havia sido derrubado em decisão liminar de juiz federal no Rio Grande do Norte. A decisão, entretanto, foi suspensa pelo vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), desembargador Cid Marconi Gurgel de Souza.

Vacinação contra a gripe

                                   Foto: Pedro Ventura/ Agência Brasil

Ministério da Saúde anunciou, na tarde desta quarta-feira (13), que a campanha de vacinação contra a gripe terá continuidade até 22 de junho. O governo decidiu prorrogar a campanha devido ao baixo índice de comparecimento: 77% do público-alvo foi vacinado. O número é considerado baixo pela pasta, que estabeleceu como meta a cobertura de 90% dessa população, o que equivale a 54 milhões de pessoas. Desde o início da campanha, no dia 23 de abril, 42,6 milhões de pessoas foram vacinadas.

região Sudeste é a que possui menor cobertura até agora: 71% do público prioritário foi protegido. Na sequência, estão Norte (72%), Sul (81,3%), Nordeste (84%) e Centro-Oeste (91,4%). Em estados como Roraima, Rio de Janeiro, Rondônia e Rio Grande do Sul, a baixa cobertura vacinal é ainda mais preocupante. Neles, os percentuais chegam a 53,59%, 57,29%, 70,91% e 77,82%, respectivamente. Apenas Goiás, Amapá e Ceará ultrapassaram a meta de 90%.

Leia também:
Projeto humanitário faz doação de equipamentos de saúde a Pernambuco

Segundo o ministério, a situação acende um alerta, dada a proximidade do inverno, período de maior circulação do vírus da gripe. Além disso, neste ano, já foram contabilizados 2.715 casos de influenza, mais do que o dobro do que foi registrado no mesmo período do ano passado (1.227). As mortes decorrentes da doença também aumentaram: passaram de 204, em 2017, para 446, em 2018. Apesar do crescimento, os números estão distantes dos que foram registrados em 2016, quando houve forte incidência da influenza no Brasil, quando foram 12.174 casos e 2.220 óbitos derivados deles.

“Nós entendemos que a estratégia é: atuação mais proativa para ir buscar esse público-alvo”, afirmou o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, que citou iniciativas de vacinação e de conscientização envolvendo imprensa, escola e agentes comunitários de saúde como exemplos.

Público-alvo
O público prioritário da campanha é composto por idosos a partir de 60 anos, crianças de seis meses a 5 anos, trabalhadores em saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes e mulheres que tenham tido filhos há 45 dias, bem como pessoas privadas de liberdade. Crianças e gestantes são os grupos que registraram menor cobertura vacinal neste ano, assim como ocorreu no ano passado. Na região Sudeste, por exemplo, menos da metade (48,95%) das crianças que devem ser vacinadas foram imunizadas. Já o percentual de gestantes atingiu 54%.

“Essas são as pessoas com uma imunidade menor do que as demais”, disse o ministro. Ele destacou a necessidade de um maior envolvimento da população, especialmente no caso das crianças, devido à dependência de adultos para que as levem até os postos.

No caso da região Centro-Oeste, o grupo mais vulnerável à doença é o formado pela população indígena, cujo percentual de vacinação alcançou 74,1%. Também nesta região, que já conseguiu ultrapassar a meta de 90%, crianças e gestantes chegam a 76,29% e 75,02%, respectivamente, percentuais menores do que os dos demais grupos prioritários. “Esse alerta a gente faz para que esses grupos tenham como procurar os postos de vacinação para efetuar sua proteção”, destacou o secretário de Vigilância em Saúde, Osnei Okamoto.

Estoques de vacinas
meta de vacinação do Brasil supera a de 80% fixada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), mas o Ministério da Saúde garantiu vacinas para todas as pessoas que integram o público prioritário da campanha. De acordo com Mauro Junqueira, presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), todos os municípios têm as doses disponíveis, inclusive em lugares de difícil acesso, como na Região Norte.

A partir do dia 25 de junho, poderão ser vacinados outros grupos etários, como crianças de 5 a 9 anos e adultos de 50 a 59. A vacinação desse público dependerá da disponibilidade das doses nos municípios.

Além da vacinação, cuidados com a higiene podem ajudar a população a se prevenir. Lavar e higienizar as mãos com frequência, utilizar lenço descartável para higiene nasal, cobrir nariz e boca ao espirrar ou tossir, evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca, não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres e pratos, e manter os ambientes bem ventilados são algumas das medidas sugeridas pelo ministério.

A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas sentadas e área internaOntem (13), a reunião da Câmara de Vereadores de Custódia teve a participação da ex-Secretária de Educação, Ednalva Oliveira, a ex-Diretora de Ensino Renata Pereira e a ex-Diretora Lucymere, todas usaram a tribuna para externar novamente como entregaram na transição de governo a Secretaria de Educação e as unidades de ensino, em detalhes, com documentos e fotos , tudo entregue aos Vereadores de forma incontestável.

Receberam as desculpas do Vereador Nidinho, pelas palavras usadas de forma dura na sessão anterior, o Vereador por sua fez, reconheceu ter usado as palavras erradas, e, hoje elogiou a ex-secretária, ex-secretários e ex-diretores.

Todos os Vereadores elogiaram o trabalho e a forma como os ex-gestores entregaram o patrimônio da Prefeitura. O Vereador Cristiano Dantas, além de parabenizar os ex-gestores pela forma de trabalho e como repassaram o patrimônio do município , falou ser “impossível comparar a Ex-secretária Ednalva Oliveira com quem não existe”, se referindo a secretária atual de Educação do municio, que diferente de Ednalva Oliveira , se nega a comparecer a Câmara de Vereadores.

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé, terno e área internaA imagem pode conter: 1 pessoa

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sentadasA imagem pode conter: 1 pessoa, em pé

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sentadas e área interna

Inaldo Sampaio

                                       Inaldo Sampaio Foto: Colunista

Ciro Gomes já começa a ser alvo de “patrulhas” por ter iniciado conversas com o deputado Rodrigo Maia e o senador Ciro Nogueira, presidentes nacionais do DEM e do PP, respectivamente. Ao mesmo tempo pisou na bola ao afirmar que só fecharia acordo com esses dois partidos após acertar-se com o PSB e o PCdoB, suas principais prioridades, para assegurar a “supremacia moral” da chapa. Ora, todo mundo sabe que os nossos partidos perderam credibilidade enquanto “porta-vozes” de parcelas da sociedade, que em todos militam salafrários e homens de bem e que qualquer candidato que se eleger presidente da República vai precisar do apoio de muitos deles para constituir maioria no Congresso, sob pena de não governar. Isso não é e não deveria ser novidade para ninguém. Fernando Henrique Cardoso que se elegeu presidente em 1994 com o carimbo de “esquerdista” teve que ceder a vaga de vice a Marco Maciel e dois ministérios ao senador Antonio Carlos Magalhães, então rotulado como “símbolo da direita”, para poder ter o PFL ao seu lado. E Luiz Inácio Lula da Silva, que o sucedeu em 2002 como representante das “esquerdas”, foi obrigado a ceder ministérios ao que há de mais fisiológico no Congresso Nacional: PP, PTB, PR, PRB, etc. Ou faria isso ou não governaria. Com o próximo presidente da República não será diferente, a menos que se mude o povo ou o nosso sistema eleitoral. Ele terá que dialogar com todas as forças para tentar unir o Brasil e garantir-se o mínimo de governabilidade. Ou, do contrário, vira um zumbi no Palácio do Planalto.

Debate improdutivo
O senador Armando Monteiro (PTB) define como “coisa de marqueteiro” o discurso de políticos do PSB, entre eles Paulo Câmara, rotulando seus aliados como “palanque de Temer”. O deputado Mendonça Filho (DEM) saiu em seu socorro dizendo que, se for por isso, o também deputado Jarbas Vasconcelos (MDB), pertence ao mesmo partido do presidente da República.

Decisão difícil > O ex-vereador Fernando Aragão (PTB) perdeu a eleição para prefeito de Santa Cruz do Capibaribe por menos de mil votos e já teria o apoio de Armando Monteiro para ser o candidato do PTB em 2020. O danado é que o senador tem outro aliado forte no município que também sonha com a prefeitura: o ex-deputado José Augusto Maia.

Vaga segura > Assessores de Paulo Câmara já se convenceram de que serão obrigados a ceder uma vaga na chapa majoritária da Frente Popular ao PP: ou a vice ou uma vaga de senador, sob pena de ele migrar para a oposição. O candidato poderá ser ele próprio ou o aliado Sebastião Oliveira (PR).

Medo da perda > Após ter vazado a notícia do seu distanciamento do PTB, o deputado Sílvio Costa (Avante) teme perder o apoio de políticos desse partido que já fecharam com ele para senador, entre os quais o deputado Álvaro Porto e o prefeito de Tabira Sebastião Dias.

Time do 1% > O “time do 1%” (nas pesquisas de opinião) recebeu o reforço do ex-presidente do Sebrae Guilherme Afif Domingos. Jogam nesse time Henrique Meirelles, Rodrigo Maia, João Almoêdo, Flávio Rocha, João Goulart Filho, Paulo Rabelo de Castro, Manuela D’Ávilla e Aldo Rebelo. Os quais, sem tempo de televisão, tendem a continuar com 1%, caso não desistam.

Plano de saúde

                                Plano de saúde Foto: Divulgação

Liminar concedida pela Justiça Federal de São Paulo determina que o reajuste dos planos de saúde individuais e familiares de todo o país devem ser de 5,72%, no máximo, em 2018. A Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS) deverá aplicar a inflação setorial de saúde como teto para a correção.

aumento autorizado não poderá ultrapassar o percentual do Índice Nacional de Preços ao Consumidor – Amplo (IPCA) relativo à saúde e cuidados pessoais. A decisão foi proferida na terça-feira (12) pelo juiz José Henrique Prescendo, da 22ª Vara Cível Federal de São Paulo, que acatou pedido do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec).

Leia também:
ANS suspende comercialização de 31 planos de saúde

A Ação Civil Pública (ACP) movida pelo Idec teve como base relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) que aponta distorções, abusividade e falta de transparência na metodologia usada para calcular o percentual máximo de reajuste de 9,1 milhões de beneficiários de planos individuais. Em 2015, 2016 e 2017, os reajustes permitidos pela agência superaram 13% ao ano.

“A decisão faz justiça a milhões de consumidores lesados pela agência, seja por impedir que uma metodologia equivocada continue prejudicando consumidores em todo o país, seja por reconhecer que a agência vem, há anos, faltando com a transparência e privilegiando os interesses das empresas em detrimento dos consumidores”, afirmou a presidente do Conselho Diretor do Idec, Marilena Lazzarini.

Segundo o Idec, a metodologia utilizada pela ANS para calcular o índice é a mesma desde 2001 e leva em consideração a média dos percentuais de reajuste aplicados pelas operadoras aos planos coletivos com mais de 30 usuários.

“O problema, constatou o TCU, é que os reajustes dos planos coletivos, base para calcular o aumento dos individuais, são informados pelas próprias operadoras à ANS e sequer são checados ou validados de forma adequada pela agência”, disse o Idec, em nota.

ANS
Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) disse, em nota, que vai recorrer da decisão proferida da Justiça. “A agência reguladora repudia ações desprovidas de fundamentação técnica que acabam causando comoção social e viés pró-judicialização de temas sob responsabilidade do órgão.”

Segundo a ANS, as decisões do órgão são baseadas em informações técnicas. “É preciso considerar que o setor de planos de saúde possui características específicas que influenciam a formação do percentual de reajuste, como a variação da frequência de utilização e variação de custos em saúde, crescente em todo o mundo.”

Aleksandr Golovin é um dos destaques da seleção russa

                           Foto: Alexander Nemenov/AFP

Rússia e Arábia Saudita se enfrentam nesta quinta-feira (14), às 12h (de Brasília), pela partida inaugural da Copa do Mundo de 2018. O jogo, que acontece no estádio Lujniki, em Moscou, é válido pelo Grupo A e é decisiva para as pretensões de ambas as seleções no torneio.

Leia também:
Diferente do Brasil, Rússia entrega Copa sem conflitos
Rússia empata e chegará à Copa após 7 jogos sem vitória

Com o Uruguai sendo favorito à primeira colocação da chave, a disputa da segunda vaga promete ser acirrada. Por ser o país-sede, a Rússia terá a força de seus torcedores. Mas o desempenho em campo não corresponde a uma boa expectativa para a equipe.

A última vitória da Rússia aconteceu em outubro do ano passado, contra a Coreia do Sul. Depois disso, foram sete partidas, com quatro vitórias e três empates.

Rússia também tenta quebrar um tabu, pois, desde a dissolução da União Soviética, o país nunca passou da primeira fase. Os russos fracassaram em 1994 (EUA), 2002 (Japão e Coreia do Sul) e 2014 (Brasil). Antes disso, os soviéticos chegaram às quartas de final em três oportunidades e ficaram em quarto lugar em 1966.

A Arábia Saudita já chega à Copa com um tabu quebrado, pois não participava de um Mundial havia 12 anos. Em suas quatro participações consecutivas, chegou às oitavas de final em 1994 e parou na fase de grupos em 1998, 2002 e 2006.

O desempenho na reta final de preparação não é tão otimista, pois os sauditas vêm de três derrotas seguidas. Neste ano, foram nove partidas disputadas, com três vitórias, um empate e cinco derrotas.

No jogo de abertura, as atenções também estarão voltadas para a arbitragem, pois será o primeiro com a participação de um juiz de vídeo na história das Copas.

Ficha técnica:

Rússia Akinfeev; Smolnikov, Kutepov, Ignashevich; Samedov, Zobrin, Gazinskiy, Zhirkov; Dzagoev, Smolov, Golovin. T.: Stanislav Tchertchesov

Arábia Saudita Al Maiouf; Al Shahrani, Os Hawsawi, Om Hawsawi, Al Hardi; Otayf, Al Shehri, Al Jassim, Al Faraj, Al Dawsari; Al Muwallad Al Harbi. T.: Juan Antonio Pizzi

Local: Luzhniki Stadium, em Moscou
Horário: 12h. Árbitro: Nestor Pitana (ARG). Assistentes: Juan Pablo Belatti e Hernan Maidana (Ambos da ARG). Transmissão TV: SporTV, TV Globo e Fox Sports

Juntas: mulheres lançam candidatura coletiva em Pernambuco. Foto: Divulgação

Integrantes do PSOL mulher, lançaram na quarta (12), candidatura conjunta; intuito é garantir um assento na Alepe e compartilhar o mandato

Pernambuco assistiu, na noite de quarta-feira (12), ao lançamento da chapa “Juntas” (Psol), a primeira co-candidatura por um mandato compartilhado no Estado: a jornalista Carol Vergolino (39); a ambulante Jô Cavalcanti (35); a militante Joelma Carla (19); a professora Kátia Cunha (43); e a advogada trans Robeyoncé Lima (29) lançaram-se coletivamente à disputa por uma vaga de co-deputada estadual na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe). A candidatura é inovadora e agrega tantas bandeiras, que é difícil saber por onde começar a elencar seus diferenciais. A primeira delas é a bandeira da participação da mulher na Política.

“O ambiente no Psol, com a candidatura de Guilherme (Boulos) e de Sônia (Guadalajara) tem sido não só receptivo, mas incentivado a nossa iniciativa. Se há alguma reação em outros partidos, isso é problema dos homens!”, diz, bem-humorada, Carol Vergolino, uma das co-candidatas da Juntas. A segunda grande inovação é o formato de mandato coletivo. Sim, porque não apenas a candidatura é coletiva, o mandato também! E, aqui, é importante ressaltar que o “coletivo” não se refere apenas às cinco co-candidatas, mas aos movimentos sociais que elas integram e aqueles que vierem a se juntar para construir sua candidatura.

“A gente tá convidando toda a sociedade civil para participar e ajudar a construir nossa campanha, que vai ser uma campanha coletiva, horizontal. E todas as pautas que a gente puder, a gente vai incorporar”, afirma Jô Cavalcanti, “cabeça” da chapa, isto é, co-candidata cujo nome constará da cédula. Inspirado na experiência da Gabinetona, mandato coletivo, feminista e de esquerda das vereadoras Áurea Carolina e Cida Falabella do Psol de Belo Horizonte, no mandato coletivo da co-deputada da Juntas, seu voto será determinado por um Conselho Político, a ser formado por representantes dos movimentos que integrarem a campanha.

Baixa representatividade

Apesar de representarem a maioria da população (51,6%), de acordo com dados do IBGE (2015), a participação das mulheres no Poder Legislativo no Brasil é uma das mais baixas do mundo: o mapa “Mulheres na Política” 2017, elaborado pela ONU Mulheres e pela União Parlamentar Internacional, colocam o Brasil na 167º posição, dentre 193 países, no ranking da participação feminina na política – consideradas representações ministerial, parlamentar e de mulheres em posições de liderança política (chefes de estado ou de governo).

Na Câmara dos Deputados, a representação feminina é de menos de 10% (45 dos 468 deputados) enquanto no Senado esse índice sobe para 16% (16 dos 81 senadores). Em Pernambuco, a estatística não é muito diferente: na Assembleia a representação feminina é de cerca de 12% (6 dos 43 deputados), enquanto na Câmara do Recife o índice é de cerca de 15% (6 dos 33 vereadores).

Levantamento da Agência Lupa, realizado em março, revelou que, apesar da lei que determina uma cota de 30%, o número de candidatas eleitas não mudou no Brasil. De acordo com o estudo, “enquanto as candidaturas femininas em eleições gerais cresceram de 14% em 2002 para 31% em 2014, o número de mulheres eleitas teve inclusive uma leve queda: passou de 11,2% em 2002 para 10,8% em 2014.

Uma das explicações para isso esteja no fato de que os recursos direcionados a essas campanhas não tenham crescido proporcionalmente ao número de candidaturas: em 2002, representavam 9,2% do total (para 14% das candidaturas) e, em 2014, 11,6% (para 31% das candidaturas). Para corrigir essa distorção, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) fixou que, nestas eleições de 2018, os partidos devem garantir ao menos 30% do Fundo Especial de Financiamento de Campanha e do tempo de propaganda gratuita para candidaturas femininas – o que provocou reações contrárias nos partidos. Mas não parece ser o caso do Psol.