Senador Armando Monteiro Neto (PTB)                                        Foto: Ana Luiza Sousa/Divulgação

senador Armando Monteiro vai confirmar hoje numa coletiva de imprensa que aceitou o convite das oposições para ser o candidato delas ao governo estadual. Estará a seu lado o deputado Mendonça Filho, ex-ministro da educação, que será candidato a uma das vagas de senador. O vice e o segundo candidato ao Senado serão anunciados mais adiante, possivelmente após o governador Paulo Câmara anunciar a composição da chapa dele. Há muitos partidos querendo vaga de senador na chapa governista e expectativa das oposições é que os insatisfeitos migrem para o palanque do petebista.

É certo que cada eleição tem sua história. Mas entre esta e a de 2006, vencida por Eduardo Campos, parece haver muitas semelhanças. Na de 2006 havia três postulantes: um sentado da cadeira de governador (Mendonça Filho), concorrendo à reeleição, e outros dois na oposição (Humberto Costa e Eduardo Campos). Foram ao segundo turno Mendonça e Eduardo, sendo que este último foi o desaguadouro dos eleitores que votaram no petista no primeiro.

Para que este cenário se repita, teríamos que ter também na disputa deste ano a vereadora Marília Arraes. Assim, teríamos o governador disputando a reeleição e dois candidatos fortes na oposição: Armando Marília. Num hipotético segundo turno entre Paulo Armando, ou entre Paulo Marília, as oposições fatalmente se juntariam.

Sem deputado federal
O PT aprovou resolução na última 6ª feira em que coloca a eleição de Lula como “prioridade do partido”. As eleições de governador, senador e deputado ficam em 2º plano. Declara também sua preferência por uma aliança com o PSB/PCdoB, sem levar em conta as peculiaridades locais. Em Pernambuco, por exemplo, se entrar na Frente Popular, o PT não elegerá nenhum deputado federal.

Cidadania > O deputado Claudiano Filho (PP) nasceu em Itaíba, mas reside em Garanhuns há 8 anos. Esse foi o motivo pelo qual foi agraciado pela Câmara de Vereadores desta cidade com o título de cidadão, projeto do vereador Zaqueu (PRB).

Pauta invertida > A imprensa noticia quase todos os dias, em tom de “escândalo”, os nomes de políticos que receberam dinheiro da Odebrecht. Ora, isso deixou de ser notícia há muito tempo. Notícia seria divulgar nomes de políticos que não receberam dinheiro dessa empreiteira.

Vale qual? > Há pouco mais de 30 dias, Gleisi Hoffmann (PT) declarou a rádios do Recife que não iria se meter nas questões locais do seu partido. Eventual aliança com o PSB seria decidida pela direção regional. Agora diz que Marília Arraes só será candidata se a nacional aprovar.

A sensatez >
 Paulo Câmara tem dois políticos sensatos ao seu lado que poderão ser úteis à Frente Popular quando da formação da chapa majoritária: Renildo Calheiros (PCdoB) e Milton Coelho (PSB). Vide a entrevista deste último a esta “Folha” na última 6ª feira. Show de bom senso.

A mesmice > Ficaram sem graça as pesquisas que estão sendo divulgadas sobre a intenção de voto dos brasileiros para presidente da República: Lula em 1º, Bolsonaro em 2º, Marina em 3º, e por aí vem. Falta entrar no páreo um candidato que “balance o coreto”. Mas está difícil.

Deixe uma resposta